sábado, 29 de abril de 2017

Palavra do Dia / Vorto de la tago - 41

                             OFICO - Ofício, emprego.

Okupo, profesio, konsistanta en plenumo de publika aŭ privata servado:
(Ocupação, profissão, consistindo em obediência do serviço público ou privado)

Li plenumas oficon de kasisto.
Ele cumpre ofício de tesoureiro.
Vi devas surmeti ofican uniformon.
Você tem que vestir um uniforme do ofício.
Mi devas ofici ĝis la sesa vespere.
Eu tenho que cumprir o ofício até às seis da tarde.  
En nia oficejo laboras plejparte virinoj.
Em nosso escritório trabalham na maior parte das vezes as mulheres.
Mi demandos pri tio bankan oficiston.
Eu perguntarei a respeito disso para um funcionário do banco.   
La tuta oficistaro estas invitata al la festo.
Todos funcionários estão convidados para a festa.
Hodiaŭ enoficiĝis nova prezidento en nia lando.
Hoje, tomou posse um novo presidente em nosso país.
Mi ne havas monon por vojaĝo, ĉar mi estas senofica nun.
Eu não tenho dinheiro para uma viagem, porque estou sem emprego agora.
***
Programa "MiaAmiko" - Esperanto@Brazilo
Virtuala Brazila Esperanto-Movado

De Graça Recebestes, de Graça Dai / Pedi e Obtereis.


Família / A Paz de Cristo.


quinta-feira, 27 de abril de 2017

No nos dejes caer en la tentación, más líbranos de todo mal / Lead us not into temptation, but deliver us from all evil / Kaj ne konduku nin en tenton, sed liberigu nin de la malbono / Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

VI.  – No nos dejes caer en la tentación, más líbranos de todo mal.
Dadnos, Señor, fuerza para resistir a las sugestiones de los malos espíritus que intentasen desviarnos del camino del bien, inspirándonos malos pensamientos.
Pero nosotros mismos somos espíritus imperfectos encarnados en la tierra para expiar y mejorarnos. La causa primera del mal reside en nosotros, y los malos espíritus no hacen más que aprovecharse de nuestras inclinaciones viciosas, en las cuales nos mantienen para tentarnos.
Cada imperfección es una puerta abierta a su influencia, mientras que son impotentes y renuncian a toda tentativa contra los seres perfectos. Todo lo que nosotros podamos hacer para separarlos, es inútil, si no les oponemos una voluntad inquebrantable en el bien, renunciando absolutamente al mal. Es, pues, necesario, dirigir nuestros esfuerzos contra nosotros mismos, y entonces los malos espíritus se alejarán naturalmente, porque el mal es el que los atrae, mientras que el bien los rechaza. (Véase Oraciones para los obsesados).
Señor, sostenednos en nuestra debilidad, inspirándonos por la voz de nuestros ángeles custodios y los buenos espíritus, la voluntad de corregimos de nuestras imperfeciones, con el fin de cerrar a los espíritus impuros el acceso de nuestra alma. (Véase núm. 11).
El mal no es obra vuestra, Señor, porque el origen de todo bien nada malo puede engendrar; nosotros mismos somos los que lo creamos infringiendo vuestras leyes por el mal uso que hacemos de la libertad que nos habéis dado. Cuando los hombres observen vuestras leyes, el mal desaparecerá de la tierra como ha desaparecido de los mundos más avanzados.
El mal no es una necesidad fatal para nadie, y sólo parece irresistible a aquellos que se abandonan a él con complacencia. Si tenemos la voluntad de hacerlo, podemos también tener la de hacer el bien; por eso, Dios mío, pedimos vuestra asistencia y la de los buenos espíritus para resistir a la tentación.
El Evangelio Según el Espiritismo – Allan Kardec.
(6) - Lead us not into temptation, but deliver us from all evil.
Lord, give us the necessary strength to resist all impulses towards evil which will try to divert us from the path of goodness by inspiring us with bad thoughts.
But nevertheless we too are also imperfect Spirits incarnated on Earth so as to expiate our sins and to be able to better ourselves. The cause of evil lies deep within our souls and the bad Spirits only take advantage of these inferior tendencies so as to be able to tempt us. Each imperfection is an open door to their influences; just as they are powerless and give up any attempt against perfect beings. We are only unable to get rid of them as long as we do not put up a decided and unshakable desire for goodness, together with total renunciation of all evil. Therefore it is against ourselves that our strength must be directed and if we do this, the bad Spirits will naturally leave us since it is the evil which attracts them, whereas goodness repels them (See further on in this chapter: Prayers for the obsessed).
Dear Lord, uphold us in our weakness, inspire us through the voices of our Guardian Angels and the good Spirits, with the desire to correct our imperfections so that we may prevent access to our soul by the evil Spirits (See further on, item 11).
Evil is not Your work Lord, because the source of all goodness cannot engender any badness. It is ourselves who create it when we infringe Your laws and through the bad use we make of the liberty You concede to us. When Man has learnt to keep Your laws then evil will disappear from Earth, just as it has already disappeared from more advanced worlds.
Evil does not constitute a fatal necessity for anybody and only appears to be irresistible to those who take pleasure in it. So if we have a desire to practise evil, we can also have a desire to practise good. For this reason, dear God, we beg Your assistance and that of the good Spirits so we may resist temptation.
The Gospel According to Spiritism – Allan Kardec.
VI. Kaj ne konduku nin en tenton, sed liberigu nin de la malbono.
Donu al ni, Sinjoro, la forton por malcedi al la sugestoj de la malbonaj Spiritoj, kiuj provus deturni nin de la vojo de la bono, inspirante al ni malbonajn pensojn.
Sed ni mem estas malperfektaj Spiritoj, enkarniĝintaj sur tiu ĉi tero por elaĉeti kulpon kaj plibonigi nin. La unua kaŭzo de la malbono estas en ni, kaj la malbonaj Spiritoj nur profitas niajn malvirtajn inklinojn, ĉe kiuj ili tenas nin por nin tenti.
Ĉia malperfektaĵo estas pordo malfermita al ilia influo; tial ili estas senpovaj kaj rezignas ĉian provon kontraŭ la perfektaj estuloj. Ĉio, kion ni povus fari por eviti ilin, estu senutila, se ni ne kontraŭstarus al ili per neskuebla volo por la bono kaj absoluta rezigno pri la malbono. Nur kontraŭ ni mem do ni devas direkti niajn klopodojn, kaj tiam la malbonaj Spiritoj foriras mem, ĉar la malbono ilin altiras, dum la bono ilin forpelas. (Vidu malsupre: Preøoj por la obseditoj.)
Sinjoro, subtenu nin en nia malforteco; inspiru al ni per la voĉo de niaj Gardanĝeloj kaj de la bonaj Spiritoj la volon korekti nin pri niaj malperfektaĵoj, por fermi al la malpuraj Spiritoj la pordojn de nia animo. (Vidu malsupre: § 11.)
La malbono ne estas Via verko, Sinjoro, ĉar la fonto de la tuta bono nenion malbonan povas krei; ni Mem ĝin kreas per malobeo al Viaj leĝoj kaj per malbona uzo, kiun ni faras el la libereco, kiun Vi donis al ni.
Kiam la homoj plenumos Viajn leĝojn, la malbono malaperos de sur la tero, kiel ĝi jam malaperis el la mondoj pli progresintaj.
Por neniu la malbono estas io nepre bezona, kaj ĝi ŝajnas nekontraŭstarebla nur al tiuj, kiuj plezuras en ĝi. Se ni havas la volon fari ĝin, ni povas ankaŭ havi la volon fari la bonon; tial, ho mia Dio, ni petas de Vi kaj de la bonaj Spiritoj la helpon por kontraŭstaro al la tento.
La Evangelio Laŭ Spiritismo – Allan Kardec.
VI - Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.
Dai-nos, Senhor, a força de resistir às sugestões dos maus espíritos, que tentarão desviar-nos da senda do bem, inspirando-nos maus pensamentos.
Mas nós somos, nós mesmos, Espíritos imperfeitos, encarnados na Terra para expiar nossas faltas e nos melhorarmos. A causa do mal está em nós próprios, e os maus Espíritos apenas se aproveitam de nossas tendências viciosas, nas quais nos entretêm, para nos tentarem.
Cada imperfeição é uma porta aberta às suas influências, enquanto eles são impotentes e renunciam a qualquer tentativa contra os seres perfeitos. Tudo o que possamos fazer para afastá-los será inútil, se não lhes opusermos uma vontade inquebrantável na prática do bem, com absoluta renúncia ao mal. É, pois, contra nós mesmos que devemos dirigir os nossos esforços, e então os maus Espíritos se afastarão naturalmente, porque o mal é o que os atrai, enquanto o bem os repele. (Ver adiante: Preces pelos obsedados).
Senhor, amparai-nos em nossa fraqueza, inspirai-nos, pela voz dos nossos anjos guardiães e dos Bons Espíritos, a vontade de corrigirmos a nossas imperfeições, a fim de fecharmos a nossa alma ao acesso dos Espíritos impuros. (Ver adiante: nº 11).
O mal não é, portanto, Vossa obra, Senhor, porque a fonte de todo o bem não pode engendrar nenhum mal. Somos nós mesmos que o criamos, ao infringir as Vossas leis, e pelo mau uso que fazemos da liberdade que nos concedestes. Quando os homens observarem as Vossas leis, o mal desaparecerá da Terra, como já desapareceu dos mundos mais adiantados.
Não existe para ninguém a fatalidade do mal, que só parece irresistível para aqueles que nele se comprazem. Se temos vontade de fazê-lo, também poderemos ter a de fazer o bem. E é por isso, oh! Senhor, que solicitamos a vossa assistência e a dos Bons Espíritos, para resistirmos à tentação.
O Evangelho segundo o Espiritismo – Allan Kardec.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Con la reencarnación / Ĉe la reenkarniĝo / Com a reencarnação.

36 - Con la reencarnación desaparecen los prejuicios de razas y de castas, ya que el mismo espíritu puede renacer rico o pobre, gran señor o proletario, patrón o subordinado, libre o esclavo, hombre o mujer. La reencarnación es el argumento más lógico de todos los invocados contra la injusticia de la servidumbre, la esclavitud y la sujeción de la mujer al más fuerte. La reencarnación funda el principio de la fraternidad universal en una ley natural, y en ésta basa el principio de igualdad de derechos sociales y, en consecuencia, el de libertad.
        EL GÉNESIS –Allan Kardec, capítulo I
       36. - Ĉe la reenkarniĝo, formalaperas la antaŭjuĝoj pri rasoj kaj kastoj, ĉar la sama Spirito povas renaskiĝi riĉa aŭ malriĉa, grandsinjoro aŭ proleto, mastro aŭ subulo, liberulo aŭ sklavo, viro aŭ virino. El ĉiuj argumentoj, prezentitaj kontraŭ la maljusteco de servuteco kaj sklaveco, kontraŭ la subigo de la virino al la leĝo de l’ pli forta, neniu superas, per logikeco, la materian fakton de la reenkarniĝo. Se do la reenkarniĝo sidigas sur iu natura leĝo la principon de la universala frateco, sur la sama leĝo ĝi sidigas tiun pri la egaleco de la sociaj rajtoj kaj sekve tiun de la libereco.
         La Genezo – Allan Kardec, ĉapitro I.
      36. Com a reencarnação, caem os preconceitos de raça e de casta, de vez que o mesmo Espírito pode renascer rico ou pobre, grão-senhor ou proletário, patrão ou subordinado, livre ou escravo, homem ou mulher. De todos os argumentos invocados contra a injustiça da servidão e da escravatura, contra a sujeição da mulher à lei do mais forte, nenhum há que saliente, pela lógica, o fato material da reencarnação. Portanto, se a reencarnação fundamenta sobre uma lei da Natureza o princípio da fraternidade universal, ela fundamenta sobre a mesma lei o da igualdade dos direitos sociais e, por conseguinte, o da liberdade.
         A Gênese – Allan Kardec, capitulo I

Neniu vivas al si / Ninguém vive para si.

Neniu vivas al si
“Ĉar neniu el ni vivas al si mem . . .” – Paŭlo / ROMANOJ, 14 : 7.
La arbo, kiun vi plantas, kontentigos ne nur vian malsaton, sed ankaŭ la bezonon de multaj.
La lampo, kiun vi ekbruligas, lumigos la vojon ne nur al viaj piedoj, sed ankaŭ al viaj vojaĝkunuloj.
Kiel akvoflueto efikas sur la teron, tiel ankaŭ viaj decidoj influas aliulajn decidojn.
Miloj da okuloj observas viajn paŝojn, miloj da oreloj aŭskultas vian voĉon kaj miloj da koroj ricevas viajn instigojn al bono aŭ malbono.
“Neniu vivas al si . . .” - asertas la Dia Mesaĝo.
Ĉu ni volas aŭ ne volas, estas preskribite en la Leĝo, ke nia vivo apartenu al la vivo de tiuj ĉirkaŭ ni.
Ni vivas por niaj familianoj, niaj amikoj, niaj idealoj . . .
Eĉ la malsocietema avarulo, sin opinianta tute sola, vivas por la oro aŭ la havaĵoj, kiujn li iam redonos al aliaj vivoj, superaj aŭ malsuperaj, al kiuj lia trezoro estos forportita de la morto.
Komprenante tian realaĵon, atentu vian propran vojon.
Sentante, vi pensas.
Pensante, vi realigas.
Kaj ĉio, el kio konsistas viaj verkoj, per viaj intencoj, paroloj kaj agoj, estos efiko de via animo, kiu vin helpos liberiĝi al la gloro de la lumo, aŭ plilongigos vian malliberecon por suferado en la ombroj.
Viglu do super via intima mondo kaj faru, ankoraŭ hodiaŭ, la bonon, kiun vi povas, ĉar, laŭ la saĝa instruo de la apostolo Paŭlo, “neniu vivas al si”.
EMMANUEL / Emmanuel.
Libro: Viva Fonto, ĉapitro 154.
Ninguém vive para si.
"Porque nenhum de nós vive para si..." – Paulo / Romanos, 14:7.
A árvore que plantas produzirá não somente para a tua fome, mas para socorrer as necessidades de muitos.
A luz que acendes clareará o caminho não apenas para os teus pés, mas igualmente para os viajores que seguem ao teu lado.
Assim como o fio de água influencia a terra por onde passa, as tuas decisões inspiram as decisões alheias.
Milhares de olhos observam-te os passos, milhares de ouvidos escutam-te a voz e milhares de corações recebem-te os estímulos para o bem ou para o mal.
“Ninguém vive para si...” - assevera-nos Divina Mensagem.
Queiramos ou não, é da Lei que nossa existência pertença às existências que nos rodeiam.
Vivemos para nossos familiares, nossos amigos nossos ideais...
Ainda mesmo o usurário exclusivista, que se julga sem ninguém, está vivendo para o ouro ou para as utilidades que restituirá a outras vidas superiores ou inferiores para as quais a morte lhe arrebatará o tesouro.
Compreendendo semelhante realidade, observa o teu próprio caminho.
Sentindo, pensas.
Pensando, realizas.
E tudo aquilo que constitui tuas obras, através das intenções, das palavras e dos atos, representará influência de tua alma, auxiliando-te a libertação para glória da luz ou agravando-te o cativeiro para sofrimento nas sombras.
Vigia, pois, o teu mundo intimo e faze o bem que puderes, ainda hoje, porquanto, segundo a sábia conceituação do Apóstolo Paulo, "ninguém vive para si".
Livro: Fonte Viva, cap.: 154.
Emmanuel / Chico Xavier.

domingo, 23 de abril de 2017

La melancolia / Melancholy / La melankolio / A Melancolia.

La melancolia
25. ¿Sabéis por qué una vaga tristeza se apodera a veces de vuestros corazones y os hace encontrar la vida tan amarga? Es vuestro espíritu que aspira a la felicidad y a la libertad, y pegado al cuerpo que le sirve de prisión, hace vanos esfuerzos para salir de él. Pero viendo que son inútiles, cae en el desaliento, e influyendo en el cuerpo, se apodera de vosotros la languidez y el abatimiento y una especie de apatía, que hace que os consideréis desgraciados.
Creedme, resistid con energía esas impresiones que debilitan en vosotros la voluntad. Esas aspiraciones hacia una vida mejor, son innatas en el espíritu de todos los hombres, pero no las busquéis en lá tierra, y ahora que Dios os envía a sus espiritus para instruiros en la felicidad que os reserva, esperad con paciencia al angel de la libertad que debe ayudaros a romper los lazos que tienen cautivo vuestro espíritu. Pensad que tenéis que cumplir durante vuestra prueba en la tierra una misión que no sabéis, ya consagrándoos a vuestra familia, ya llenando diversos deberes que Dios os ha confiado. Y si en el curso de esta prueba y cumpliendo vuestra tarea, véis caer sobre vosotros los cuidados, las inquietudes y los pesares, sed fuertes y valerosos para soportarlos. Arrastradlos denodadamente porque son de corta duración y deben conduciros junto a los amigos que lloráis, que se alegrarán de vuestra llegada entre ellos, extendiéndoos los brazos para conduciros a un lugar en el que no tienen acceso los pesares de la tierra. (Francisco de Genève. Bordeaux).
El Evangelio Según El Espiritismo – Allan Kardec.
Melancholy
25. Do you know why sometimes a vague sadness fills your heart, leading you to consider that life is bitter? This is because your Spirit, aspiring to happiness and liberty, on finding itself tied to the physical body which acts like a prison, becomes exhausted through vain efforts to seek release. On recognising that these attempts are useless, the soul becomes discouraged, and as the body suffers the influence of the Spirit, it feels itself weary, apathetic, full of despondency and it is then that you judge yourself to be unhappy.
Believe me when I tell you to resist these tendencies with all your strength, as they only weaken your will-power. Aspirations for a better life are inborn in all mankind, but do not seek them in this world. Now that God is sending His Spirits to instruct you on happiness, which He has reserved for you, await with patience for the time when the liberating angel will come to help you break away from the ties which hold your Spirit captive. Remember, during your exile here on Earth, you have a mission to fulfill that you do not even suspect; be it dedicating yourself to your family or fulfilling the various obligations bestowed upon you by God. If within the course of this exiled probation, while seeking exoneration, you feel about to collapse through anxiety, uneasiness, or tribulations, be strong and courageous enough to support these pressures. Stand up to them with resolution for they will soon pass. These are the only means by which you may reach those for whom you pine and who, jubilant at seeing you once again amongst them, will hold out their hands towards you so as to guide you to regions inaccessible to earthly afflictions. - FRANÇOIS DE GENEVE (Bordeaux).
The Gospel According To Spiritism - Allan Kardec.
La melankolio
25. Ĉu vi scias, kial ia malpreciza malĝojo kelkfoje kaptas vian animon kaj igas vin trovi la vivon amara? Ĝi devenas de tio, ke via Spirito, aspirante la feliĉon kaj liberecon, sed katenite al la korpo, kiu enkarcerigas lin, lace konsumiĝas pro vanaj penoj por liberiĝi. Sed, vidante, ke tiuj penoj estas senutilaj, li falas en senkuraĝecon, kaj la korpo ricevas la influon de tiiu senkuraĝeco; malvigleco, laciĝo kaj kvazaŭa apatio ekposedas vin, kaj vi sentas malfeliĉon.
Kredu al mi, rezistu energie al tiuj impresoj, kiuj malfortigas vian volon. Tiuj aspiroj al pli bona vivo estas denaskaj en la Spirito de ĉiu homo, sed ne serĉu ĝin sur la tero; kaj nun, kiam Dio sendas al vi Siajn Spiritojn, por instrui vin pri la feliĉo, kiun Li destinas por vi, atendu pacience la anĝelon de la liberigo, kiu venas helpi vin rompi la ligilojn, kiuj tenas vian Spiriton en kaptiteco. Pensu, ke vi devas plenumi, dum via provo sur la tero, mision, pri kiu vi neniel konscias, aŭ dediĉante vin al via familio, aŭ plenumante diversajn devojn, kiujn Dio konfidis al vi. Kaj se, dum la daŭro de tiu provo, kvitigante vin de via tasko, vi vidas la zorgojn, la maltrankvilojn, la ĉagrenojn torente fali sur vin, estu fortaj kaj kuraĝaj, por ilin elteni. Brave kontraŭstaru ilin; ili estas nedaŭraj kaj kondukos vin al la amikoj, kiujn vi priploras kaj kiuj, ĝojante pro via alveno inter ilin, etendos al vi la brakojn, por konduki vin al loko, kien ne eniras la surteraj ĉagrenoj. (Francisko de Ĝenevo. Bordeaux.)
La Evangelio Laŭ Spiritismo – Allan Kardec.
A Melancolia
25. Sabeis por que uma vaga tristeza se apodera por vezes de vossos corações, e vos faz sentir a vida tão amarga? É o vosso Espírito que aspira à felicidade e à liberdade, mas, ligado ao corpo que lhe serve de prisão, se cansa em vãos esforços para escapar. E, vendo que esses esforços são inúteis, cai no desânimo, fazendo o corpo sofrer sua influência, com a languidez, o abatimento e uma espécie de apatia, que de vós se apoderam, tornando-vos infelizes.
Acreditai no que vos digo e resisti com energia a essas impressões que vos enfraquecem a vontade. Essas aspirações de uma vida melhor são inatas no Espírito de todos os homens, mas não a busqueis neste mundo. Agora, que Deus vos envia os seus Espíritos, para vos instruírem sobre a felicidade que vos está reservada, esperai pacientemente o anjo da libertação, que vos ajudará a romper os laços que mantêm cativo o vosso Espírito. Pensai que tendes a cumprir, durante vossa prova na Terra, uma missão de que já não podeis duvidar, seja pelo devotamento à família, seja no cumprimento dos diversos deveres que Deus vos confiou. E se, no curso dessa prova, no cumprimento de vossa tarefa, virdes tombarem sobre vós os cuidados, as inquietações e os pesares, sede fortes e corajosos para os suportar. Enfrentai-os decisivamente, pois são de curta duração e devem conduzir-vos junto aos amigos que chorais, que se alegrarão com a vossa chegada e vos estenderão os braços, para vos conduzirem a um lugar onde não tem acesso as amarguras terrenas. – (François de Genève – Bordeaux).
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec.

Humildade Psicológica e Pessoas Negativas / Como mudar hábitos - Pedro Calabrez


sábado, 22 de abril de 2017

Em que o Espírito poderá influir em sua doença ou própria cura?

Mais do que nunca, hoje se sabe que a maneira de pensar e de reagir às circunstâncias da vida leva a criatura a situações mais ou menos difíceis, mais ou menos felizes, mais ou menos palatáveis.Quando nos aborrecemos, alteramos completamente nossas funções orgânicas, assim como quando nos alegramos propiciamos circuitos diferenciados em todos nossos sistemas endócrinos. Não é àtoa que costumamos dizer que "a raiva ferveu meu sangue", "a ira tirou minha fome", "a alegria desopilou-me o fígado", "o prazer aliviou meu coração"... Verdades profundas. Nossa atitude mental determinando ações e reações orgânicas as mais diversas e repercussivas possível. Ora, se a mente - que outra não é senão o próprio Espírito se expressando - atua de forma tão vigorosa nos sistemas autômatos e "autônomos" de nossa essência física, o que se dizer de sua influência sobre nosso estado de saúde?
Allan Kardec teve oportunidade de tecer rápida ponderação a respeito, quando, em sua Revista Espírita, de março de 1869, p. 63, estudando o tema "A carne é fraca, sugere: "... dai coragem ao poltrão, e vereis cessarem os efeitos fisiológicos do medo; dá-se o mesmo em outras disposições".
Livro: Cura e Curar-se pelos Passes
Jacob Melo.

GRATIDÃO - Maria Dolores


Agradeço, alma irmã, por tudo o que me deste,
O auxílio fraternal, generoso e sem preço,
O teto, o lume, o prato, o reconforto, a veste,
Tudo isso agradeço...

Sobretudo, alma boa,
Deus te compense o coração amigo,
Por teu olhar de paz que me alenta e abençoa
Na estrada em que prossigo.

Viste-me em solidão,
Esperança caída sem ninguém...
Deste-me apoio com teu braço irmão
E ergui-me de alma nova para o bem!...

Não há palavra com que te defina
O reconhecimento que me invade,
Ao sentir-te no amparo a presença divina
Da Celeste Bondade.

Deus te guarde no excelso resplendor
Da luz com que aqueces todo o ser,
Porque me refizeste a certeza do amor,
A benção de servir e a força de viver.

Livro: Antologia da Espiritualidade.
Maria Dolores / Chico Xavier.

TOQUE DE FÉ - Meimei

...Escuta a esperança, no silêncio da própria alma a falar-te de futuro e de amor...
Ergue-te e caminha.
Enxuga as lágrimas e fita os Céus.
Deus que te sustentou até ontem, sustentará hoje e sempre.
A sombra vale para destacar a luz. Surge a dor para aumentar a alegria.
Se provações te feriram, esquece.
Se desenganos te amargaram a existência, não esmoreças.
Escuta a esperança, no silêncio da própria alma, a falar-te de futuro e de amor, de beleza e eternidade e transforma a bênção das horas em riqueza de trabalho.
Olvida toda sombra, à procura de mais luz e perceberás que Deus está contigo, em teu próprio coração, a estender-te os braços abertos.
Livro: Amizade
Meimei / Chico Xavier.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Decepção pelas pessoas - Divaldo Franco.

Autoconhecimento e Reforma íntima / Fazei a vosso próximo o que gostaria que vos fizesse.


Palavra do Dia / Vorto de la tago - 40

            NEPRE - Absolutamente, sem falta, com certeza.

Adverbo, signifanta "en maniero neevitebla, neŝanĝebla":
(Advérbio, significando "de maneira inevitável, invariável")

Oni nepre devas manĝi por vivi.
Invariavelmente se deve comer para viver.
Via partopreno estas nepra.
Sua participação é necessária.
Ne necesas konvinki min pri la nepreco kaj taŭgeco de Esperanto.
Não é necessário convencer-me a respeito da infalibilidade e suficiência do Esperanto
Nepras, ke vi tuj venu!
É de grande necessidade que você venha logo!
Okazo de Olimpikaj Ludoj neprigis renovigon de la urbo.
A ocorrência dos Jogos Olímpicos tornou inevitável a renovação da cidade.
***
Programa "MiaAmiko" - Esperanto@Brazilo
Adonis Saliba
Virtuala Brazila Esperanto-Movado

O Amor – Ricardo.

Que possamos descobrir a força que o amor possui, pois só ele consegue, na duração de um instante, romper grilhões de ódio que passaram séculos de fortalecendo.
Em amando, praticamos aquilo que o Pai nos destinou.
Que associemos ao nosso conhecimento intelectual, adquirindo ao longo de nossas romagens por este orbe, o sentimento infinito do amor, pois só com ele conseguiremos participar da felicidade para qual nosso Pai nos criou.
A História é marco inconteste dos nossos equívocos. Civilizações e homens se permitiram semear a dor, na suposição de vencedores. Tombaram reinos, sucederam-se os soberanos, e o tempo – como pedra de toque – apagou-os; ou ficaram marcados como mancha de sangue entre lágrimas das vítimas e os gritos dos comensais.
Só o Cristo transcendeu o curso da História, grafando de forma indelével, com a tinta do amor, a verdadeira conquista: a do homem sobre si mesmo. Para isto, facultou-nos uma regra, possibilitando a todos o mesmo êxito: “Assim, tudo o que quereis que os homens vos façam, assim, também fazeis vós a eles, pois esta é a lei e os profetas.” Jesus / Mateus, 7: 12.
Livro: Caminhando com Jesus
        Espírito Ricardo /Médium Vitor José.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

En la kulto al preĝado / No culto à prece.

En la kulto al preĝado.
“Kaj post ilia preĝado skuiĝis la loko, en kiu ili kolektiĝis, kaj ili ĉiuj pleniĝis de la Sankta Spirito.” - LA AGOJ, 4 : 31.
Ĉiu el ni disĵetas ĉirkaŭen fortojn kreivajn aŭ detruajn, agrablajn aŭ malagrablajn por la privata rondo, en kiu li moviĝas.
La arbo efikas sur nin per la subtila substanco de siaj emanaĵoj.
La araneo vivas en sia propra reto.
La abelo povas konstante flugadi, sed ĝi ripozas ne aliloke ol em la fakoj de sia abelujo.
Tiel same ankaŭ la homo vivas en la mezo de siaj propraj mensaj kreaĵoj.
Niaj pensoj estas muroj, interne de kiuj ni enfermiĝas, aŭ flugiloj, per kiuj ni progrese ascendas.
Kiel vi pensas, tiel vi vivos.
Nia intima vivo - nia loko.
Por ke ni ne perturbu la leĝojn de la Universo, la Naturo donas al ni la benojn de la vivo nur konforme al niaj konceptoj.
Enfermiĝu, kaj vi rigardos la limon de ĉio, kio ĉirkaŭas vin.
Eksteriĝu el vi mem, kaj vi konscios la nemezureblon de ĉio, kio ekzistas.
Por ke ni altiĝu kun ĉiuj elementoj de nia rondo, ni ne konas alian rimedon krom la preĝo petanta pri lumo, amo kaj vero.
La preĝo, esprimanta ardan aspiron al spirita altiĝo pere de scio kaj virto, estas la forto, kiu prilumas la idealon kaj sanktigas la laboron.
La Agoj rakontas, ke, post la preĝado de la apostoloj, skuiĝis la loko, en kiu ili kolektiĝis, kaj ili pleniĝis de la Sankta Spirito : lumiĝis ilia strebo al frateco, altiĝis iliaj mensoj unuiĝintaj por superaj celoj, kaj sanktiga energio feliĉigis al ili la animon.
Ne forgesu do, ke la kulto al la preĝado estas decida progresrimedo. La preĝo kun ĉiu tago renovigos vin por la laboro de la Sinjoro, eĉ se vi tion ne konscias mem.
EMMANUEL / Chico Xavier,
Libro: Viva Fonto”, ĉapitro 149.
No culto à prece 
“E,  tendo  eles  orado,  tremeu  o  lugar  onde  estavam  reunidos e todos ficaram cheios do Espírito Santo.” - Atos dos Apóstolos, 4:31.
Todos lançamos, em torno de nós, forças criativas ou  destrutivas, agradáveis ou desagradáveis ao círculo pessoal em que nos movimentamos.
A árvore alcança-nos com a matéria sutil das próprias emanações.
A aranha respira no centro das próprias teias.
A abelha pode viajar intensivamente, mas não descansa a não ser  nos compartimentos da própria colméia.
Assim também o homem vive no seio das criações mentais a que dá origem. Nossos pensamentos são paredes em que nos enclausuramos ou asas com que progredimos na ascese.
Como pensas, viverás.
Nossa vida íntima - nosso lugar.
A fim de que não perturbemos as leis do Universo, a Natureza somente nos concede as bênçãos da vida, de conformidade com as nossas concepções.
Recolhe-te e enxergará o limite de tudo o que te cerca.
Expande-te e encontrarás o infinito de tudo o que existe.
Para que nos elevemos, com todos os elementos de nossa órbita, não  conhecemos outro recurso além da oração, que pede luz, amor e verdade.
A prece, traduzindo aspiração ardente de subida espiritual, através do  conhecimento e da virtude, é a força que ilumina o ideal e santifica o trabalho.
Narram os Atos que, havendo os apóstolos orado, tremeu o lugar em que se encontravam e ficaram cheios do  Espírito Santo: iluminou-se-lhes o  anseio de fraternidade, engrandeceram-se-lhes as mentes congregadas em propósitos superiores e a energia santificadora felicitou­lhes o espírito.
Não olvides, pois, que o culto à prece é marcha decisiva. A oração renovar-te-á para a obra do Senhor, dia a dia, sem que tu mesmo possas perceber.
Livro: Fonte Viva, cap.: 149.
Emmanuel / Chico Xavier.

Plagas destructoras / Destructive Calamities / Detruantaj malfeliĉegoj / Flagelos destruidores

Plagas destructoras.
737. ¿Con qué objeto castiga Dios a la humanidad con calamidades destructoras?
- Para que progrese más rápido. ¿No hemos dicho ya que la destrucción es necesaria para la regeneración moral de los Espíritus, que adquieren en cada nueva vida un grado más de perfección? Hay que ver el final para evaluar los resultados. Vosotros los juzgáis solo desde vuestro punto de vista personal, y los llamáis plagas debido al perjuicio que os ocasionan. Pero tales trastornos son a menudo necesarios para acelerar el advenimiento de un orden de cosas mejor, trayendo en unos pocos años lo que hubiera demandado muchos siglos para producirse.
El Libro de los Espíritus – Allan Kardec.
Destructive Calamities.
737. What is the aim of God in visiting mankind with destructive calamities?
To make men advance more quickly. Have we not told you that destruction is necessary to the moral regeneration of spirits, who accomplish a new step of their purification in each new existence? In order to appreciate any process correctly, you must see its results. You judge merely from your personal point of view, and you therefore regard those inflictions as calamities, because of the temporary injury they cause you; but such upsettings are often needed in order to make you reach more quickly a better order of things, and to effect, in a few years, what you would otherwise have taken centuries to accomplish.
THE SPIRITS’ BOOK – Allan Kardec.
Detruantaj malfeliĉegoj
737. Por kiu celo Dio skurĝas la homaron per detruantaj malfeliĉegoj?
Por ĝin admoni al pli rapida irado. Ĉu ni ne diris al vi, ke detruado estas necesa por la morala rebonigo de la Spiritoj, en ĉiu nova ekzistado ricevantaj novan perfektiĝon? Estas necese vidi la celon, por taksi ties rezultatojn. Vi ilin rigardas nur tra via persona prismo, kaj vi ilin nomas malfeliĉegoj pro la malprofito, kiun ili portas al vi; sed tiuj skuegoj estas ofte necesaj, por ke pli rapide ekstaru pli bona kunaranĝo de aferoj kaj fariĝu en kelkaj jaroj tio, kio postulus jarcentojn.
La Libro de la Spiritoj – Allan Kardec.
Flagelos destruidores
737. Com que fim Deus castiga a Humanidade com flagelos destruidores?
Para fazê-la avançar mais depressa. Não dissemos que a destruição é necessária para a regeneração moral dos Espíritos, que adquirem em cada nova existência um novo grau de perfeição? É necessário ver o fim para apreciar os resultados. Só julgais essas coisas do vosso ponto de vista pessoal, e as chamais de flagelos por causa dos prejuízos que vos causam; mas esses transtornos são freqüentemente necessários para fazerem com que as coisas cheguem mais prontamente a uma ordem melhor, realizando-se em alguns anos o que necessitaria de muitos séculos.
O Livro dos Espíritos – Allan Kardec.

terça-feira, 18 de abril de 2017

O Livro Espírita e Vida – Emmanuel.

O pão elimina a fome.
O livro espírita suprime a penúria moral.
O traje compõe o exterior.
O livro espírita harmoniza o íntimo.
O teto abriga da intempérie.
O livro espírita resguarda a criatura contra os perigos da obsessão.
O remédio exclui a enfermidade.
O livro espírita reanima o doente.
A cirurgia reajusta os tecidos celulares.
O livro espírita reequilibra os processos da consciência.
A devoção prepara e consola.
O livro espírita reconforta e explica.
A arte distrai e enternece.
O livro espírita purifica a emoção e impele ao raciocínio.
A conversação amiga e edificante exige ambiente e ocasião para socorrer os necessitados da alma.
O livro espírita faz isso em qualquer lugar e em qualquer tempo.
A força corrige.
O livro espírita renova.
O alfabeto instrui.
O Livro Espírita ilumina o pensamento.
Certamente é dever nosso criar e desenvolver todos os recursos humanos que nos sustentem e dignifiquem a vida na Terra de hoje; todavia, quanto nos seja possível, auxiliemos a manutenção e a difusão do livro espírita que nos sustenta e dignifica a vida imperecível, libertando-nos da sombra para a luz, no plano físico e na esfera espiritual, aqui e agora, depois e sempre.
Emmanuel / Chico Xavier.

O Livro dos Espíritos 160 anos - Relembrando suas origens.

“O livro dos espíritos é, sem a menor sombra de dúvida, um verdadeiro Sol. Quando o abrimos, ele nos ilumina; quando o fechamos, ele não se apaga, porque prossegue irradiando.” (1)
Pode-se afirmar que O livro dos espíritos surgiu de uma idéia e da iniciativa do professor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail (1804– 1869), que em 1854 começaria a ser informado por parte de amigos acerca dos fenômenos das mesas girantes. O primeiro deles, Fortier, comenta em duas ocasiões os efeitos do Magnetismo nas tables tournantes ou table-moving (para os ingleses). Não eram apenas as pessoas que podiam ser magnetizadas, informa em Obras póstumas, (2) “[…] mas também as mesas, conseguindo-se que elas girem e caminhem à vontade” (it. A minha iniciação no Espiritismo, p. 237). Logo depois Fortier acrescenta novas informações: “[…] não só se consegue que uma mesa se mova, magnetizando-a, como também que fale. Interrogada, ela responde” (p. 237 e 238).
Estava sendo dado o ponto de partida da vida missionária daquele que assinaria as obras da Terceira Revelação com o pseudônimo Allan Kardec.
Em 1855, surge outro amigo, Carlotti, natural da Córsega, ardoroso e enérgico, que reforça as informações sobre os inusitados fenômenos, destacando em seu diálogo com o famoso pedagogista, educador e ex-aluno de Johann Heinrich Pestalozzi (1746–1827), a partir de 1814, em Yverdon, na Suíça, a surpreendente informação acerca da intervenção dos Espíritos nesses fatos que atraíam inúmeros curiosos em Paris, os quais se reuniam nos salões de suas residências para praticar e observar esses fenômenos.
Carlotti faz um prognóstico ao professeur Rivail: “Um dia o senhor será dos nossos” (p. 239). O mestre das letras francesas, autor de várias obras didáticas, surpreendentemente não se abala ou desdenha os comentários e a conjetura do velho amigo de 25 anos. Responde-lhe de forma intuitiva, como se estivesse esperando, há muitos anos, aquele momento singular em sua diamantina vida: “Não direi que não […] veremos isso mais tarde” (p. 239).
E, efetivamente, passado algum tempo, o insigne diretor de educandários, tradutor de obras e contabilista dá início, no mês de maio de 1855, ao calendário da fase de observações dos fenômenos.  A primeira residência que visita é a da Sra. Roger, acompanhado pelo amigo Fortier, encontrando-se ali com o Sr. Pâtier e a médium Sra. Plainemaison.  Os comentários por parte dos anfitriões suscitam em Rivail “viva impressão”. Pâtier convida-o para assistir às reuniões experimentais que ocorriam na casa da referida médium, à rua Grange-Batelière, 18, Paris, e ele aceita, imediatamente.
O dia dessa histórica reunião passaria a ser célebre nos Anais do Espiritismo nascente: uma terça-feira de maio às oito horas da noite. Em outra reunião, no mesmo local, irá conhecer a família Baudin. As conexões e simpatia mútua são imediatas. Passa então a assistir, a convite do chefe da família, o Sr. Émile-Charles Baudin, às sessões semanais que se realizavam em sua residência à rua Rochechouart, das quais participavam sua esposa, Clémentine, e as filhas Julie e Caroline, respectivamente com 14 e 16 anos.
“Foi nessas reuniões que comecei os meus estudos sérios de Espiritismo […]” (p. 240), anotaria Rivail no livro das Previsões relativas ao espiritismo, manuscrito que redigiria com especial cuidado e que viria a lume somente em 1890, sob o título de Obras póstumas, contendo textos inéditos de sua lavra, graças à iniciativa de Pierre-Gaëtan Leymarie (1827–1901), amigo do casal Denizard.
Durante as sessões em que participava na casa da família Baudin, inicialmente não vislumbrou nenhum fim determinado para aquele movimento entre dois mundos que interagiam por meio de fenômenos e informações, aproveitando-os o professor Rivail para instruir-se pessoalmente. Foi quando notou que tudo aquilo “[…] constituía um todo e ganhava as proporções de uma doutrina […]” (p. 241). E teve um insight, “[…] a ideia de publicar os ensinos recebidos, para instrução de toda gente” (p. 241). Esses ensinos recebidos eram as “questões que, sucessivamente desenvolvidas e completadas, constituíram a base de O livro dos espíritos” (p. 241).
Emociona a anotação que fez sobre aqueles dias primordiais, daquelas primeiras horas de sua vida missionária:
[…] mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho. Da comparação e da fusão de todas as respostas, coordenadas, classificadas e muitas vezes retocadas no silêncio da meditação, foi que elaborei a primeira edição de O livro dos espíritos […]” (p. 242).
Ocorreram momentos especiais durante a elaboração da obra. Em 25 de março de 1856, no apartamento de Rivail, localizado na rua dos Martyrs, 8, segundo andar, ao fundo, o Mundo Espiritual, organizador e coordenador da concretização do advento do Consolador Prometido por Jesus (João, 14:15 a 17), demonstra a sua presença por meio de repetidas pancadas nas paredes da residência, para alertar o futuro Codificador do Espiritismo a respeito de um equívoco relativamente aos estudos que ele fazia e anotava no capítulo que escrevia acerca dos Espíritos e de suas manifestações. (it. Meu guia espiritual, p. 244.)
Há um instante em que, percebendo a importância e urgência do empreendimento, realiza em 10 de junho de 1856 reunião na casa do Sr. Roustan e, por meio da médium Srta. Ruth-Celine Japhet, consulta o Espírito Hahnemann se poderia ser auxiliado por um cidadão que registra em suas memórias pessoais como B…: “[…] para [justificando a sua pergunta] andarmos mais depressa […]” (it. O livro dos espíritos, p. 250). Contudo, a sua petição é desaconselhada. “B… era médium escrevente muito maleável, mas assistido por um Espírito orgulhoso, déspota e arrogante […]” (Nota, p. 251).
Relata o escritor Jean Prieur (1914–2016) que, uma vez concluída a obra (utilizando do heterônimo Allan Kardec para identificar a autoria, nome que tivera em antiga reencarnação nas Gálias, como lhe fora revelado), passou a procurar uma editora. Consulta, primeiramente, o amigo Sr. Didier: “Será que o senhor não é o mais indicado?”. Ouve então a recusa: “Este livro não se insere no âmbito das nossas coleções acadêmicas”. E pede desculpas. “Todos os editores potenciais respondem como ele, lamentando e louvando. Mas ninguém quis arriscar dinheiro em um autor desconhecido e num livro sem futuro”, destaca Jean Prieur em sua obra Allan Kardec et son époque (Allan Kardec e sua época). (3)
O professor Canuto Abreu (1892–1980), em O livro dos espíritos e sua tradição histórica e lendária, (4) de sua autoria, recorrendo a especial narrativa, relata a visita do professor Rivail, em fins do ano de 1856, ao livreiro Edouard-Justin Dentu (1830–1884), cuja sede comercial era na rua Montpensier, em frente à Galeria d’Orléans, no Palais Royal, em Paris, portando os manuscritos de O livro dos espíritos.
O livreiro recebe-o com má vontade. Ele estava concluindo o inventário de várias obras encalhadas, escritas sobre o Spiritualism e diz ao nascente Codificador do Espiritismo: “Esse assunto, meu caro senhor, não nos interessa mais.
É batidíssimo e está fora de voga. A França não se importa mais com o ‘Spiritualisme’. Nosso depósito está repleto de ‘Mesas que rodam’, ‘Mesas que dançam’, ‘Mesas que falam’, ‘Mesas que adivinham’, Mesas, enfim, que ninguém mais lê. Essa brincadeira já passou da moda” (p. 9).
O professor Rivail, porém, mantém-se sereno e declara: “Desejava apenas o seu orçamento tipográfico, pois vou editar a obra por minha conta e risco. É possível?” (p. 9).
Monsieur Dentu reluta, alega outros motivos para a recusa, quando, de repente, chega à loja madame Mélanie Dentu, mãe do livreiro e também proprietária.  Ela cumprimenta o prof. Rivail e pergunta-lhe: “Trouxe afinal seus cadernos professor? […] É uma honra para nós editar o seu livro […]” (p. 9). Percebendo que já havia entendimentos anteriores sobre a impressão da obra, o livreiro muda de atitude e acrescenta, constrangido: “[…] Se não tem muita pressa, deixe conosco os seus cadernos. Quantos exemplares pretende?[…]” (p. 9).
Poucos dias depois o livreiro encontraria, sobre a mesa de trabalho, um memorando assinado pela Sra. Dentu, remetendo os cadernos que comporiam a primeira obra da codificação espírita à “Tipografia De Beau” (p. 9), para impressão. No texto do memorando ela havia destacado, em vermelho: “[…] Urgente e preferencial” (p. 9).
Ainda resistindo quanto à validade da obra, o jovem livreiro ouve sua mãe dizer-lhe que a obra era impressionante e sugeriu-lhe: “[…] Examine-lhe uma ou outra página, ao acaso, e verá que não estou exagerando […]” (p. 9). Atendendo-lhe o pedido, Dentu lê os originais e, entusiasmado, envia a obra à tipografia, destacando o urgente e preferencial, passando a ser ele “o mais apressado a lançar O LIVRO” (p. 9).
Por que O livro dos espíritos é urgente e preferencial? Destaquemos alguns depoimentos:
O escritor francês Victorien Sardou (1831–1908), leu a obra e antes mesmo de haver chegado ao fim da leitura, escreveu a Kardec elogiosa carta, publicada em Allan Kardec, o educador e o codificador,(5) destacando que O livro dos espíritos “É o livro mais interessante e instrutivo que já li. […] É o livro da vida, é o guia da Humanidade” (p. 284).
Um abade francês, de nome Leçanu, autor de A história de satanás, assim diz no seu livro: “Observando-se as máximas de O livro dos espíritos, de Allan Kardec, faz-se o bastante para se tornar santo na Terra” (p. 285). “Quem quer que leia esse livro, nele meditando, como eu, encontrará tesouros inesgotáveis de consolações, pois que ele abarca todas as fases da existência” (p. 285), escrevia a Kardec, em 25 de abril de 1857, um capitão reformado, da cidade de Bordeaux. Humilde filho do povo, de Lyon, exprimia também ao Codificador o seu reconhecimento pela publicação de O livro dos espíritos e falava da felicidade que essa obra lhe trouxe ao coração.
O Espírito Vianna de Carvalho destaca que é “[…] nesse momento de expressivas e complexas realidades que aparece O LIVRO DOS ESPÍRITOS como resposta do Céu às perguntas aflitas da Terra […]” e que “[…]
Todas as armas se levantam contra o livro monumental”, mas enfatiza que “[…] Allan Kardec estava preparado para a reação. O Livro dos Espíritos veio e ficou. Seus ensinamentos estão aí, insuperáveis, atravessando os tempos. (6)
Durante mais de quarenta anos, desde que ingressara em Yverdon, o grande amor da existência do pedagogo  Hippolyte Léon Denizard Rivail tinha sido a educação, o ensino, mas ao concluir O livro dos espíritos, declara:
[…] foi a obra da minha vida. Dei-lhe todo o meu tempo, sacrifiquei-lhe o meu repouso [1][2], a minha saúde, porque o futuro estava escrito diante de mim em letras irrecusáveis. (7) (Grifo nosso.)
E naquele primaveril sábado em Paris, em 18 de abril de 1857, há 160 anos, a promessa de amor de Jesus, da vinda do Consolador, é consolidada por Allan Kardec com a publicação de O livro dos espíritos, em tiragem de 1.200 volumes na primeira edição [princeps], de capa cor cinza-esverdeada, com 501 perguntas. “Era em formato grande, in-8o, com 176 páginas de texto, e apresentava o assunto distribuído em duas colunas”. [3]
Em 11 de julho de 1857, em edição do jornal Courrier de Paris o jornalista G. Du Chalard, amigo do livreiro Dentu e de quem recebera, de presente, um exemplar dava o seu parecer sobre a obra estampando extenso artigo:
O livro dos espíritos, do Sr. Allan Kardec, é uma página nova do grande livro do infinito, e estamos convencidos de que esta página será assinalada […]. Não conhecemos o autor, mas confessamos, abertamente, que ficaríamos felizes em conhecê-lo. Quem escreveu a introdução de O livro dos espíritos deve ter a alma aberta a todos os sentimentos nobres.[…]
A todos os deserdados da Terra, a todos quantos avançam ou caem, regando com as lágrimas o pó da estrada, diremos: Lede O livro dos espíritos; ele vos tornará mais fortes. Também aos felizes, aos que em seu caminho só encontram as aclamações da multidão e os sorrisos da fortuna, diremos: Estudai-o e ele vos tornará melhores”.[4]
Em belo soneto, intitulado Falando a Kardec, publicado em Reformador de abril de 1977, (10) ditado ao médium Francisco Cândido Xavier, o Espírito Cruz e Souza, poeta catarinense, presta comovedora homenagem a Allan Kardec, destacando as consequências do advento de O livro dos espíritos:

Apóstolo da luz ditosa e bela,
Quando desceste da Divina Altura,
Surgia a Terra desolada e escura
Por agressiva e torva cidadela.

Qual nau sublime que se desmantela,
Naufragava na sombra a fé mais pura
E envolvia-se o templo da cultura
No turbilhão de indômita procela…

Mas trouxeste equilíbrio ao caos nefando,
E “O Livro dos Espíritos”, brilhando,
Rompe a noite mental, espessa e fria!

Ante o sol da verdade a que te elevas,
Revelaste Jesus ao mundo em trevas
E acendeste o clarão do novo dia.
Referências:
1 FRANCO, Divaldo. In: PUGLIESE, Adilton; CHRISPINO, Álvaro. Reconhecimento a Allan Kardec. 1. ed. LEAL, 2006. p. 40.
2 KARDEC, Allan. Obras póstumas. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2016. pt. 2 Extratos, in extenso, do livro das Previsões relativas ao espiritismo, p. 237 a 242, 244, 250, 251.
3 PRIEUR, Jean. Allan Kardec e sua época. 1. ed. São Paulo: Lachâtre, 2015. p. 69.
4 ABREU, Canuto. O livro dos espíritos e sua tradição histórica e lendária. 2. ed. São Paulo: LFU, 1996. cap. 1 – No dia 18 de abril de 1857, p. 9.
5 WANTUIL, Zêus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec: o educador e o codificador. v. 1. 3. ed. Brasília: FEB, 2007. pt. 2, cap. 1.
6 FRANCO, Divaldo P. À luz do espiritismo. Pelo Espírito Vianna de Carvalho.5. ed. Salvador: LEAL, 2006. cap. O livro imortal, p. 16 e 17.
7 KARDEC, Allan. Obras póstumas. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2016. pt. 2, Constituição do Espiritismo, it. X – Allan Kardec e a nova constituição do Espiritismo, p. 329.
8 WANTUIL, Zêus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec: o educador e o codificador. v. 1. 3. ed. Brasília: FEB, 2007. pt. 2, cap. 1, p. 274.
9 ____.____. p. 285. (Vide também Revista Espírita de jan. 1858, trad. Evandro Noleto Bezerra, p. 63 e 64.)
10 Reformador. ano 95, n. 1.777, abril 1977, p. 11(103). Soneto segundo Folheto do Grupo Espírita Emmanuel, intitulado “Da Biblioteca Espírita – Lembrando o Auto-de-fé de Barcelona, 1861”, edição de outubro de 1961, Garça (SP).

Oração

Oração

Nossa Receita