sexta-feira, 29 de março de 2013

Mensagens - Legado Kardequiano.

Toda mensagem expressa pelo homem atua noutro homem e transforma-se noutra mensagem que segue adiante.
Todo apelo recebe resposta.
Pensamento projetado significa pensamento que voltará.
Você é responsável, não apenas pelo mal que pratique, mas também pelo mal que inspire.
Pense e aja, portanto, corretamente, porque todo o abuso à Lei será contabilizado como desperdício e desrespeito à própria Lei.
http://www.divaldofranco.com
Estudando O Livro dos Espíritos – Allan Kardec
O bem e o mal
641. Será tão repreensível, quanto fazer o mal, o desejá-lo?
Resposta: Conforme. Há virtude em resistir-se voluntariamente ao mal que se deseja praticar, sobretudo quando há possibilidade de satisfazer-se a esse desejo. Se apenas não o pratica por falta de ocasião, é culpado quem o deseja. 

quarta-feira, 27 de março de 2013

O barbeiro incrédulo

Conta-se que, um dia, um homem foi à barbearia para cortar os cabelos e, enquanto o barbeiro o atendia, ambos mantinham uma conversa animada.
Falavam de muitas coisas, até que o homem resolveu falar da vida e, para explicá-la, falou a respeito de Deus.
O barbeiro, homem muito incrédulo, começou a contestar a existência de Deus e falou:
Deixe disso, meu caro! Deus não existe!
E por quê? Perguntou o homem.
Ora, se Deus existisse não haveria tantos miseráveis passando fome! Olhe à sua volta e veja quanta tristeza. É só andar pelas ruas e enxergar!
Bem, se essa é a sua maneira de pensar, eu a respeito.
Sim, claro. Falou rapidamente o barbeiro.
O homem pagou o corte e ia saindo, quando avistou um maltrapilho com longos e feios cabelos, barba desgrenhada, suja, abaixo do pescoço.
Não se conteve, deu meia volta e falou ao barbeiro:
Sabe de uma coisa? Não acredito em barbeiros! Barbeiros não existem.
Como assim? Perguntou surpreso o descrente.
Sim, falou o homem, se existissem barbeiros não haveria pessoas de cabelos e barbas compridas!
Ora, existem tais pessoas porque evidentemente não vêm a mim!
Que bom! Disse o homem. Agora você entendeu.
*  *  *
Se o fato de existirem pessoas passando fome, enfrentando dificuldades, sofrimentos, dores fosse suficiente para provar que Deus não existe, estaríamos observando a realidade de um ponto de vista muito estreito.
A existência de Deus é uma verdade subjetiva, e como tal, deve ser buscada com a razão e o sentimento.
Cada pessoa pode encontrar Deus de maneira diferente, mas existe uma condição básica: é preciso buscá-Lo com firme desejo de encontrá-Lo.
Um homem fez uma poesia que fala do seu reencontro com Deus, que diz o seguinte:
Deus, passei tanto tempo Te procurando... Não sabia onde estavas.
Olhava para o infinito, não Te via, e pensava comigo mesmo: Será que Deus existe?
Não me contentava na busca e prosseguia.
Tentava Te encontrar nas religiões e nos templos, Tu também não estavas.
Busquei-Te através de sacerdotes e pastores, também não Te encontrei.
Senti-me só, vazio, desesperado, e descri.
E na descrença tropecei...
E no tropeço, caí...
E na queda, senti-me fraco.
Fraco, procurei socorro.
No socorro, encontrei amigos...
Nos amigos, encontrei carinho...
No carinho, vi nascer o amor.
Com amor, vi um mundo novo...
E no mundo novo resolvi viver.
O que recebi, resolvi doar...
Doando alguma coisa, muito recebi.
E recebendo, senti-me feliz.
E ao ser feliz, encontrei a paz.
E tendo paz foi que enxerguei que dentro de mim é que Tu estavas...
Foi em mim que, sem procurar, eu Te encontrei...
Redação do Momento Espírita com base em texto de autoria ignorada e em poesia de Adélio Neves.
http://www.momento.com.br

Tesouro individual

Era costume, em tempos remotos, em períodos de guerras ou revoluções, enterrar dinheiro ou cofres de ouro, no recanto mais escondido de algum campo, a fim de os preservar.
Morrendo o dono do campo, ficava o tesouro depositado, às vezes por séculos, no fundo da terra, até que algum felizardo o encontrasse.
A lei romana estabelecia que um tesouro assim, sem dono conhecido, pertencesse ao dono do campo.
Conhecedor da lei, o Senhor Jesus, em uma de Suas parábolas, comparou o reino dos céus a um tesouro escondido em um campo. O homem que o encontra, cala-se e o oculta.
Cheio de alegria, vai, vende tudo o que possui e compra aquele campo, a fim de se tornar o proprietário real do grande tesouro.
Também comparou o reino dos céus a um negociante que procura boas pérolas. Tendo achado uma pérola preciosa, vai, vende tudo quanto tem e a compra.
*  *  *
Em se falando de tesouros, já pensamos em quantos possuímos?
Os dois olhos que trazemos, brilhantes, na face risonha, são as janelas da alma que se abrem para o mundo, dia após dia, nos descortinando a beleza insuperável dos meses de ouro do verão, das tardes cinzentas das chuvas do outono e das manhãs geladas, do inverno.
Os dois ouvidos que nos foram presenteados por Deus nos permitem ouvir a orquestra da passarada e a sinfonia dos ventos; os acordes dos trovões e o tamborilar das gotas de chuva, ensaiando sua dança na terra seca.
Os dois braços fortes nos permitem carregar a doçura do filho junto ao peito, onde o coração pulsa ao compasso da alegria de ser pai, de ser mãe.
Braços que abraçam, que estreitam, que se alongam e recolhem nas mãos as flores miúdas para compor um ramalhete e ofertá-lo a alguém.
Mãos que escrevem poemas de amor, que retiram dos instrumentos musicais sonoridades que embalam corações e fazem sonhar. Mãos que plantam flores, que colhem frutos, que se estendem para estreitar outras mãos.
Duas pernas que nos conduzem aonde queiramos, a passos lentos, na cadência do passeio despreocupado; a passadas largas, no compasso da pressa que nos caracteriza as atividades do trabalho constante.
Somos donos de um corpo que nos permite o trânsito na Terra. Somos possuidores do tesouro inestimável da vida.
E todos os dias somos brindados com o tesouro das horas para que, aos acordes do tempo, possamos estudar, trabalhar, aprender, sorrir e brincar.
Não menosprezemos tanta riqueza, maltratando a preciosidade do nosso corpo. Não desprezemos os minutos, gastando-os em coisa nenhuma.
Não esperemos adoecer para descobrir a grandeza da saúde.
Não aguardemos que o tempo da vida física se esgote para nos darmos conta do grande tesouro que não aproveitamos.
Mais do que tudo: não nos esqueçamos de que somos um Espírito imortal, a caminho da perfeição.
*   *   *
Todos os homens, providos ou não de moedas e outros valores, são herdeiros do grande Rei, o Criador, que a todos oferta um Universo em expansão, onde se multiplicam as estrelas e outras tantas moradas do Espírito, em sua jornada evolutiva.
Redação do Momento Espírita, com base no cap. XIII, do Evangelho de Mateus.
http://www.momento.com.br

PACIÊNCIA ANTES DA CRISE

O homem moderno tem urgente necessidade de cultivar a paciência como medicamento preventivo contra inúmeros males que o espreitam.
Vítima das circunstâncias da vida ativa, sofre desgaste contínuo que o leva, não raro, a estados neuróticos e agressivos, ou a depressões.
A paciência é reserva de ânimo para enfrentar situações difíceis e deve ser cultivada.
O atropelo do trânsito, a balbúrdia geral, a competição desenfreada, o desrespeitos aos espaços individuais, a compressão das horas, as limitações financeiras, os conflitos emocionais, as frustrações e outros fatores levam o homem a desarmonias que a paciência pode evitar.
Exercitando-a nas pequenas ocorrências, obterá ele força para enfrentar situações mais graves.
A irritação é sinal vermelho na conduta e o agastamento é arma perigosa pronta a golpear.
A convivência é o grande desafio da evolução. E o amor ao próximo é legítimo quando não se desgasta nem se converte em censura ou queixa.
Ama, realiza-te, e vive com paciência para evitares as crises devastadoras.
Joanna de Ângelis / Médium Divaldo Franco
Livro: Alegria de Viver

VANTAGENS DO PERDÃO

Jesus nos exortou ao perdão para nos induzir ao aperfeiçoamento moral e ao reconforto íntimo, a fim de, livres, construirmos a própria felicidade.
Registremos alguns dos efeitos imediatos do perdão nas ocorrências da vida prática:
Através dele, podemos promover a extinção do mal, interpretando-se o mal por fruto de ignorância ou manifestação de enfermidade da mente;
Impediremos a formação de inimigos que poderiam surgir e aborrecer-nos indefinidamente, alentados por nossa aspereza ou intolerância;
Libertar-nos-emos de qualquer perturbação no tocante a ressentimento;
Defenderemos o campo afetivo dos entes queridos contra emoções, ideias ou atitudes capazes detê-los, por nossa causa, nos abismos da culpa;
Teremos a simpatia dos que nos observem, levando-os a admitir a existência da fraternidade.
Perdão pode ser comparado a luz que o ofendido acende no caminho do ofensor.
Por isso, perdoar será sempre colaborar na vitória do amor, em apoio de nossa própria libertação para a vida imperecível.
Emmanuel / Médium Chico Xavier
Livro: Aulas da Vida

terça-feira, 26 de março de 2013

Certezas - Mario Quintana

Não quero alguém que morra de amor por mim...
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim...
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível...
E que esse momento será inesquecível...
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre...
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém...e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho...
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento...e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe...
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
Que a esperança nunca me pareça um NÃO que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como SIM.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros... Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão...
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena.
***
Ĉi tiu persono, ĉi tie, havas virtualajn geamikojn, kiu estas plej specialaj. 26/03 Tago de la virtualajn geamikojn, gratulojn nin.!

Cruz e disciplina

“E constrangeram um certo Simão Cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava, vindo do campo, a que levasse a cruz. - Marcos, 15:21.
Muitos estudiosos do Cristianismo combatem as recordações da cruz, alegando que as reminiscências do Calvário constituem indébita cultura de sofrimento.
Asseveram negativa a lembrança do Mestre, nas horas da crucificação, entre malfeitores vulgares.
Somos, porém, daqueles que preferem encarar todos os dias do Cristo por gloriosas jornadas e todos os seus minutos por divinas parcelas de seu ministério sagrado, ante as necessidades da alma humana.
Cada hora da presença dele, entre as criaturas, reveste-se de beleza particular e o instante do madeiro afrontoso está repleto de majestade simbólica.
Vários discípulos tecem comentários extensos, em derredor da cruz do Senhor, e costumam examinar com particularidades teóricas os madeiros imaginários que trazem consigo.
Entretanto, somente haverá tomado a cruz de redenção que lhe compete aquele que já alcançou o poder de negar a si mesmo, de modo a seguir nos passos do Divino Mestre.
Muita gente confunde disciplina com iluminação espiritual.
Apenas depois de havermos concordado com o jugo suave de Jesus-Cristo, podemos alçar aos ombros a cruz que nos dotará de asas espirituais para a vida eterna.
Contra os argumentos, quase sempre ociosos, dos que ainda não compreenderam a sublimidade da cruz, vejamos o exemplo do Cireneu, nos momentos culminantes do Salvador. A cruz do Cristo foi a mais bela do mundo, no entanto, o homem que o ajuda não o faz por vontade própria e, sim, atendendo a requisição irresistível. E, ainda hoje, a maioria dos homens aceita as obrigações inerentes ao próprio dever, porque a isso é constrangida.
Livro: Pão Nosso.
Emmanuel / Chico Xavier.

segunda-feira, 25 de março de 2013

EXALTAÇÃO DO REINO DIVINO

“Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto e assim tornar-vos-eis meus discípulos.”  – Jesus /João, 15:8.
Glorificarás o Senhor Supremo e serás discípulo do Grande Mestre...
Contudo, não apenas porque te mostres entendido nas Divinas Escrituras...
Não somente porque saibas apregoar os méritos da Sublime Revelação, comovendo a quem te ouve...
Não apenas por guardares de cor as tradições dos antepassados...
Não somente por te sustentares no culto externo...
Não apenas pelo reconforto recebido de mensageiros da Vida Superior...
Não somente por escreveres páginas brilhantes...
Não apenas porque possuas dons espirituais...
Não somente porque demonstres alevantadas aspirações...
A palavra do Evangelho é insofismável.
Glorifiquemos a Deus e converter-nos-emos em discípulos do Cristo, produzindo frutos da paz e aperfeiçoamento. Regeneração e progresso, luz e misericórdia.
A semente infecunda, por mais nobre, é esperança cadaverizada no seio da terra.
Assim também, por mais ardente, a fé que não se exprime em obras de educação e de amor, redenção e bondade, é talento morto.
Se te dizes seguidor de Jesus, segue -lhe os passos.
Ajuda, ampara, consola, instrui, edifica e serve sempre.
Façamos algo na extensão do bem de todos.
Somente assim, cresceremos para o Céu, na construção do Reino de Deus.
Livro: Palavras de Vida Eterna.
Emmanuel / Chico Xavier.

domingo, 24 de março de 2013

Meia Noite

“Era perto da meia-noite; Paulo e Silas contavam hinos a Deus e os outros presos os escutavam”. – (Atos, 16.25).
Reveste-se de profundo simbolismo aquela atitude de Paulo e Silas nas trevas da prisão, quando numerosos encarcerados ali permaneciam sem esperança, eis que os herdeiros de Jesus, embora dilacerados de açoites, começavam a orar, entoando hinos de confiança.
O mundo atual, na esteira de transições angustiosas e amargas, não parece mergulhado nas sombras que precedem a meia-noite?
Conhecimentos generosos permanecem eclipsados. Noções de justiça e direito, programas de paz e tratados de assistência mútua são relegados a plano de esquecimento.
Quantos homens jazem no cárcere das desilusões, da amargura, do remorso, do crime? Através de caminhos desolados, ao longo de campos que as bombas devastaram, dentro de sombras frias, há mães que choram, velhos desalentados, crianças perdidas.
Quem poderá contar as angústias da noite dolorosa? Os aprendizes do Evangelho, igualmente, sofrem perseguições e calúnias e, em quase toda parte, são conduzidos a testemunhos ásperos.
Muitos se envolveram nas nuvens pesadas, outros se esconderam fugindo à hora de sofrimentos; mas, os discípulos fiéis, esses suportam ainda açoites e pedradas e, não obstante as trevas insondáveis da meia-noite da civilização, oram nos santuários do espírito eterno e cantam cânticos de esperança, alentando os companheiros.
Enquanto raras almas sabem perceber os primeiros rubores da alvorada, em virtude da sombra extensa, recordemos os devotados obreiros do Mestre e busquemos na prece ativa o refúgio consolador. Se o mundo experimenta a tempestade, procuremos a oração e o trabalho, a fé e o otimismo, porque outro dia abençoado está a nascer e em Jesus Cristo repousa nossa resistência espiritual.
          Livro: Trilha de Luz
          Emmanuel / Chico Xavier.
Música Espírita: Luz Espírita - de Ery Lopes / Canta: Elizabete Lacerda.

O ESCOTISMO NÃO MORREU – Pedro Paulo Barbosa.

Primeiro Grupo Escoteiro de Floresta do Araguaia-PA

HISTÓRIA - Escotismo foi fundado por um britânico, o Lord Robert Stephenson Smyth Baden-Powell, em 1907, como  um movimento mundial, educacional, voluntariado, apartidário, sem fins lucrativos. A sua proposta é o desenvolvimento do jovem, por meio de um sistema de valores que prioriza a honra, baseado na Promessa e na Lei escoteira, e através da prática do trabalho em equipe e da vida ao ar livre, fazer com que o jovem assuma seu próprio crescimento, tornar-se um exemplo de fraternidade, lealdade, altruísmo, responsabilidade, respeito e disciplina. Na Ilha de Brownsea, no Canal da Mancha, Inglaterra, Baden-Powell realizou um acampamento com vinte jovens, de 12 a 16 anos de idade, no qual ensinou técnicas como primeiro socorros, observação, segurança, orientação … Como símbolo do grupo, levavam aqueles jovens uma bandeira verde com uma flor-de-lis amarela no centro. Entusiasmado com os bons resultados deste acampamento, Baden-Powell começou a escrever o livro Escotismo para Rapazes, que foi publicado em 1908, inicialmente como seis fascículos, de janeiro a maio, vendido em bancas de jornal. Em maio do mesmo ano, foi editado como livro com ligeiras modificações. O pai do movimento escoteiro internacional, entretanto é Frederick Russell Burnham , conhecido por ter ensinado woodcraft a Baden-Powell depois de servirem juntos na Campanha dos Matabeles em 1896, sendo esta uma das influências mais notáveis do fundador do escotismo.  As ideias de Russell Burnham influenciaram Baden-Powell a fundar o escotismo.
 "O Escotismo é uma escola de cidadania através da destreza e habilidade em assuntos mateiros." Robert Baden-Powell, Escotismo para Rapazes, 1908.
O GE CHAMAI  LEON, COMO SURGIU
O Sgto. PM da reserva Antonio Marcos, é o fundador do “Grupo Escoteiro Chamai Leon” – 32 PA, ligado a 5ª Superintendência do Pará, sediada em Marabá. O Stgo. Marcos nos disse que foi através de um grupo de Policia Mirim que fundado por ele e esposa em 12 de Setembro de 2009, que surgiu a ideia de criar um grupo escoteiro em Floresta do Araguaia. Marcos foi dar uma instrução Militar na Escola Municipal Paulett Planchon na cidade e percebeu que havia muita indisciplina; essa instrução militar era para formar pelotões para o desfile estudantil de Sete de Setembro, então criou o grupo de Policia Mirim através de uma associação, visando também a educação em várias áreas, segundo Marcos era ainda administrado rusticamente; então, o militar logo viu que o escotismo seria uma ótima opção de mobilização disciplinar/educacional. Mas, como não tinha um critério sustentável, Marcos se informou como criar um grupo escoteiro e através da Internet, entrando em contato com chefes escoteiros de Santa Catarina, estes informaram a Marcos a 6ª Superintendência de Grupos Escoteiros, sediada em Belém, estes encaminharam Marcos e seus amigos a que entrassem em contato com a 5ª Superintendência cuja sede é em Marabá. Partiram então para a criação do grupo escoteiro; escolheu então, o “camaleão” como símbolo por ser um animal de camuflagem, e relativamente pacífico, daí o nome “Grupo Escoteiro Chamai Leon” 32 – PA.
Marcos em sua residência com parte do Grupo Escoteiro
Cursos de aperfeiçoamento foram dados pelo pessoal da 5ª Superintendência, com Marcos há onze chefes escoteiros perfazendo um total de 79 membros entre adultos e juvenis. Antonio Marcos Borges Martins é o Diretor Presidente do Grupo com Reg. 648104 – 3, é filiado a União de Escoteiros do Brasil.
O GE “Chamai Leon” de Floresta do Araguaia possui banda marcial, ensino de música, aulas de espanhol e outras atividades educacionais e num evento esportivo realizado em Rondon do Pará, por ocasião do Aniversário do GE Gaviões de Rondon, o GE Chamai Leon de Floresta obteve o 2º Lugar nas competições. Contudo o Stgo. Marcos tem apresentado dificuldades, estamos com nossa sede com aluguéis atrasados e sem geladeira, os escoteiros, a maioria são de famílias pobres. “O escotismo é a minha vida, ensinamos também a Bíblia e caráter cristão aos escoteiros, fazemos excursões sempre que dá, só estou ainda aqui  nesta cidade por que amo o que faço.” Diz entusiasmado o chefe escoteiro Marcos.
O professor de música com um cavaquinho.


Facebook: https://www.facebook.com/gechamai.leon

Lecioneto - Pequena Lição 12

Teo kaj rozoj
Patrino: - Karlo!
Karlo: Kion vi volas, patrino?
Patrino: ĉu vi jam trinkis la teon?
Karlo: Ne, mi ankoraŭ ne trinkis.
Patrino: Kial do vi ne trinkas?
Karlo: Tial, ke la Téo estas ter varma.

Patrino: Karlo!
Karlo: Kion vi volas patrino?
Patrino: ĉu vi jam trinkis la teon?
Karlo: Ne, mi ankoraŭ ne trinkis.
Patrino: Kial do vi ne trinkas?
Karlo: Mi trinkos baldaŭ, patrino.
Patrino: Trinku tuj, ĉu vi aŭdas?
Karlo: Jes, patrino, mi trinkos tuj.

Patrino: Karlo!
Karlo: Kion vi volas patrino?
Patrino: ĉu vi jam trinkis la teon?
Karlo: Ne, patrino, sed mi trinkas ĝin nun.

Patrino: Karlo!
Karlo: Kion vi volas patrino?
Patrino: ĉu vi jam trinkis la teon?
Karlo: Jes, mi jam trinkis ĝin.
Patrino: ĉu vi volas alian tason?
Karlo: Ne patrino.
Patrino: Kial do ne?
Karlo: Tial, ke mi ne povas trinki plu.
Libro: Ilustrita Metodo de Esperanto.
***
Konjugacio de la verboj:
- i (term. do infinitivo dos verbos): ami amar.
- as (term. do presente dos verbos) mi estas sou, estou. vi amas tu amas, vós amais etc.
- os (term. do futuro dos verbos): mi faros farei, fizer. kiam ni havos quando tivermos.
- u (term. indica o imperativo dos verbos): iru vai, ide. ni laboru trabalhemos. ŝi deziras, ke li venu ela deseja que ele venha. li ordonis, ke la knaboj kantu ele ordenou que os meninos cantassem.
-us (term. do condicional dos verbos) li dirus ele diria. se li estus sana, li estus feliĉa se ele estivesse são, estaria feliz.
***
Jam -  adv. 1 já. 2 agora mesmo. ¨ jam nun desde já. jam ne já não, não mais: li jam ne vivas ele já não vive; ele não vive mais. tiun okazon vi jam ne retrovos essa ocasião você não mais reencontrará (ou não reencontrará mais). ne jam = ankoraŭ ne: se vi ne jam aliĝis al la kongreso, faru tuj se você ainda não se inscreveu no congreso, faça-o já. jam estas tempo iri domen já é hora de ir para casa.
Ankoraŭ - adv. ainda, até agora, também, mais. Obs.: significa que a ação não cessou, mas continua até o momento em que se fala: la pluvo ankoraŭ falas a chuva ainda está caindo. ¨ ankoraŭ ne ainda não: la fianĉino ankoraŭ ne venis a noiva ainda não chegou.
Baldaŭ - adv. breve, brevemente, (dentro) em breve, logo, depressa, cedo. baldaŭa breve, iminente, próximo. baldaŭeco proximidade (no tempo), iminência.
Tuj - adv. 1 logo, imediatamente, já, sem demora, depressa, desde logo, no mesmo instante: mi tuj eliros já vou sair. Obs.: tuj emprega-se com relação ao futuro. Para o passado, usa-se ĵus: mi ĵus eliris acabei de sair. 2 (no espaço) bem, muito: mi iras tuj apud li vou bem junto a ele. tuja 1 (bebida) instantâneo: tuja kafo café instantâneo. 2 (comida) semipronto: tuja lazanjo lasanha semipronta. tujtuja súbito, imediato. tujpreta (comida ou bebida) = tuja.
Alia 1 outro, diferente, diverso. 2 mais: ĉu vi volas alian? quer mais? 3 outrem: kio plaĉas al unu, ne plaĉas al alia o que agrada a um não agrada a outrem. alio (tb. aliaĵo, io alia) outra coisa. alie aliás, de outro modo, do contrário, senão. alie... alie de uma maneira... de outra maneira; de um jeito... de outro: tiu ulo parolas alie kaj agas alie aquele sujeito fala de uma maneira e age de outra maneira. aliecigi alterar, modificar. aliigi 1 modificar, mudar. 2 disfarçar. aliiĝi mudar-se, transformar-se, transmudar-se. aliiĝo transformação. aliula alheio, de outrem. aliulo (tb. alia homo) outrem. aliflanke por outro lado. alifoje outras vezes. aliformigi mudar, transformar. alilando (país) estrangeiro, (o) exterior. alilandulo (tb. alinaciano) estrangeiro. aliloke alhures, em outro lugar. interalie (abrev.: i.a.) entre outras coisas, “inter alia” (i.a.). ¨ inter aliaj (abrev.: i.a.) entre outros, “inter alia” (i.a.). kaj aliaj (abrev.: k.a.) e outros, “et alii”, “et al.”.
Plu - adv. mais (em duração, em continuação). plua mais, ulterior. plue mais, em continuação, mais adiante. pluen para diante, afora; li marŝis pluen laŭ la vojo ele caminhou pela estrada afora. plui (i.) continuar. pluigi (tb. plufari) continuar a fazer. pluiri (i.) (tb. plu iri, iri plu) continuar a andar, prosseguir. ¨ plu diri continuar a dizer, dizer mas. plu kaj plu (tb. plue kaj plue) cada vez mais. plu vivi viver mais, continuar a viver. esti plue (tb. esti plu) continuar a ser. kaj tiel plu (abrev.: ktp, k.t.p.) e assim por diante, etcétera, “et cetera” (etc.). ne plu já não, não mais: tiu kantistino ne plu kantas aquela cantora já não canta. ne pluen! para!, basta!.
Dicionário de Túlio Flores
Português-Esperanto / Esperanto-Português
Ili trinkos teon.

Amo / AMOR

Amo
La pura amo estas la reflekto de la Kreinto en ĉiuj kreitoj.
En ĉio ĝi brilas, en ĉio ĝi pulsas per unu sama vibrado de saĝo kaj beleco, estante ja fundamento de la vivo kaj justeco de la tuta Leĝo.
Ĝi aperas, sublima, tiel en la ekvilibro de la mondoj pendantaj en la gloro de la senlimo, kiel ankaŭ en la nekonataj floroj forgesitaj en la kamparo.
En Ĝi brilegas, bonfara, la animo de ĉiuj religioj, kiuj naskiĝas en la fluo de la civilizacioj kiel sistemoj de fido serĉantaj komunikiĝon kun la Ĉiela Boneco, kaj en ĝi radikiĝas ĉia impulso de interhoma solidareco.
Dia plasmo, en kiu Dio envolvas ĉian kreaĵon, la amo estas Lia spiro mem penetranta la Universon.
Ni tiel ĝin rigardas kiel silentan esperon de la Ĉielo, atendantan la evoluon de ĉiuj principoj kaj respektantan la decidon de ĉiuj konsciencoj.
Dank ‘al tia beno, ĉiu estaĵo estas protektata sur la vivoŝtupo, en kiu li troviĝas.
La vermo estas amata de la Sinjoro, kiu al ĝi donas milojn kaj milojn da jarcentoj, por ke ĝi leviĝu el la kota abismo, same kiel la anĝelo reprezentanta la Sinjoron apud la vermo. La suko nutranta la rozon estas la sama, kiu vivigas la ŝirvundan dornon.
En la arbo, kie nestas la sendefenda birdo, povas ankaŭ loĝi la serpento kun siaj mortigaj armiloj. En la spaco de pundomo samsekure spiras tiel la krimulo spertanta la suferon de la kadroj, kiel ankaŭ la honesta administranto, kiu tie certigas la ordon.
La amo, ni ripetas, estas la reflekto de Dio, kiu ĉiujn kompatas kaj neniun perfortas, kvankam, ĝuste pro tiu senfina amo al ni, Li ordonas, ke nin ĉiam regu la leĝo pri respondeco manifestiĝanta por ĉiu konscienco laŭ ties propraj faroj.
Kaj pro sia amo la Sinjoro permesas, ke ni sen templimo ascendu al Li, al ni konsentante, kiam ni senpripense nin fordonas al la malbono, la eternecon por nia repaciĝo kun la Bono, kiu estas Lia Neŝanĝebla Regulo.
Ĉar ni estas Liaj heredontoj, radioj de Lia Senfina Inteligento, dum Li Mem, en ĉio kaj en ĉiuj lokoj, estas la Eterna Amo de la Tuta Kreaĵaro, tial Lia Leĝo preskribas, ke ĉiu spirito libere reflektu tion, kion li plej amas, kaj transformiĝu, tie kaj aliloke, en lumon aŭ tenebron, en ĝojon aŭ doloron, al kiuj li oferus sian koron.
Jen kial Jesuo, la Dia Modelo, kiun Li sendis al la Tero por al ni lumigi la vojon, ĉe ĉiu paŝo de sia Agado prenis la amon al la Patro kiel inspiron por sia tuta vivo, amante sen la intereso esti amata kaj helpante sen ia ideo pri rekompenco.
Descendinte, pro amo, en la sferon de l’ homoj, pro amo helpante kaj suferante, Li pasas sur la mondo kun la penso levita al la Altega Patro, reflektante Lian saĝan kaj favorkoran volon.
Kaj, por ke la vivo kaj la penso de ni ĉiuj reflektu liajn lumajn paŝojn, li postlasis al ni, en la nomo de Dio, la neforgeseblan regulon: - “Amu vin, unuj la aliajn, kiel mi vin amis.”
         Libro: Penso kaj Vivo
             Emmanuel / Chico Xavier.
AMOR 
O amor puro é o reflexo do Criador em todas as criaturas.
Brilha em tudo e em tudo palpita na mesma vibração de sabedoria e beleza. É fundamento da vida e justiça de toda a Lei.
Surge, sublime, no equilíbrio dos mundos erguidos à glória da imensidade, quanto nas flores anônimas esquecidas no campo.
Nele fulgura, generosa, a alma de todas as grandes religiões que aparecem, no curso das civilizações, por sistemas de fé à procura da comunhão com a Bondade Celeste, e nele se enraíza todo o impulso de solidariedade entre os homens. Plasma divino com que Deus envolve tudo o que é criado, o amor é o hálito dEle mesmo, penetrando o Universo.
Vemo-lo, assim, como silenciosa esperança do Céu, aguardando a evolução de todos os princípios e respeitando a decisão de todas as consciências.
Mercê de semelhante bênção, cada ser é acalentado no degrau da vida em que se encontra. O verme é amado pelo Senhor, que lhe concede milhares e milhares de séculos para levantar-se da viscosidade do abismo, tanto quanto o anjo que o representa junto do verme.
A seiva que nutre a rosa é a mesma que alimenta o espinho dilacerante. Na árvore em que se aninha o pássaro indefeso, pode acolher-se a serpente com as suas armas de morte. No espaço de uma penitenciária, respira, com a mesma segurança, o criminoso que lhe padece as grades de sofrimento e o correto administrador que lhe garante a ordem.
O amor, repetimos, é o reflexo de Deus, Nosso Pai, que se compadece de todos e que a ninguém violenta, embora, em razão do mesmo amor infinito com que nos ama, determine estejamos sempre sob a lei da responsabilidade que se manifesta para cada consciência, de acordo com as suas próprias obras.
E, amando-nos, permite o Senhor perlustrarmos sem prazo o caminho de ascensão para Ele, concedendo-nos, quando impensadamente nos consagramos ao mal, a própria eternidade para reconciliar-nos com o Bem, que é a Sua Regra Imutável.
Herdeiros dEle que somos, raios de Sua Inteligência Infinita e sendo Ele Mesmo o Amor Eterno de Toda a Criação, em tudo e em toda parte, é da legislação por Ele estatuída que cada espírito reflita livremente aquilo que mais ame, transformando-se, aqui e ali, na luz ou na treva, na alegria ou na dor a que empenhe o coração.
Eis por que Jesus, o Modelo Divino, enviado por Ele à Terra para clarear- nos a senda, em cada passo de seu Ministério tomou o amor ao Pai por inspiração de toda a vida, amando sem a preocupação de ser amado e auxiliando sem qualquer idéia de recompensa.
Descendo à esfera dos homens por amor, humilhando-se por amor, ajudando e sofrendo por amor, passa no mundo, de sentimento erguido ao Pai Excelso, refletindo-lhe a vontade sábia e misericordiosa.
E, para que a vida e o pensamento de todos nós lhe retratem as pegadas de luz, legou-nos, em nome de Deus, a sua fórmula inesquecível: — “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.”
Livro: Pensamento e Vida.
Emmanuel / Chico Xavier.

Entre Cônjuges

Prossiga amando e respeitando os pais, depois da formação da própria casa, compreendendo, porém, que isso traz novas responsabilidades para o exercício das quais é imperioso cultivar independência, mas, a pretexto de liberdade, não relegar os pais ao abandono.
Não deprecie os ideais e preocupações do outro.
Selecione as relações.
Respeite as amizades do companheiro ou da companheira.
É preciso reconhecer a diversidade dos gostos e vocações daquele ou daquela que se toma para compartilhar-nos a vida.
Antes de observar os possíveis erros ou defeitos do outro, vale mais procurar-lhe as qualidades e dotes superiores para estimulá-los ao desenvolvimento justo.
Jamais desprezar a importância das relações sexuais com o respeito à fidelidade nos compromissos assumidos.
Não sacrifique a paz do lar com discussões e conflitos, a pretexto de honorificar essa ou aquela causa da Humanidade, porque a dignidade de qualquer causa da Humanidade começa no reduto doméstico.
Não deixe de estudar e aprimorar-se constantemente, sob a desculpa de haver deixado a condição de solteiro ou de solteira.
Sempre necessário compreender que a comunhão afetiva no lar deve recomeçar, todos os dias, a fim de consolidar-se em clima de harmonia e segurança.
Livro: Sinal Verde
Espírito: André Luiz
Médium: Chico Xavier.

Oração

Oração

Nossa Receita