terça-feira, 28 de março de 2017

O poder da prece – Maria Dolores.


O jovem milionário
Adamastor Macário,
Rapaz rude e violento,
Derramando alegria,
Sentia-se feliz em seu mais belo dia,
Pois era o dia de seu casamento.

No palácio rural de sua habitação,
Tudo era festa em ascensão.

Pela manhã, porém, ele recebe à porta
Uma pobre viúva, a carregar nos braços,
Um filhinho de meses,
Portador de moléstia fulminante...
Sentindo a morte a lhe rondar os passos,
Dirige-se a Macário e pede suplicante:

— Socorre-nos, senhor,
Salve meu filho! Pague-lhe um tratamento...
E rematou com lagrimas na voz:
— Por amor a Jesus, tenha pena de nós!...

Com surpresa geral, Adamastor
Não se fez rude como de outras vezes,
Fitou o pequenino,
Compadecidamente,
Depois recomendou a um antigo empregado:
— Leve a criança ao médico... Ação pronta.
Em seguida,
Busque a farmácia com presteza,
Seja o gasto que for, qualquer despesa
Corre por minha conta...

A viúva, andrajosa e enternecida,
Agradeceu-lhe a caridade,
Qual se estivesse recebendo
No filho em tenra idade
Plena renovação da própria vida.

Adamastor, porém,
Mesmo casado
Continuou brutalizado
E um modelo completo de avareza...
Recolhia, ele próprio, as migalhas da mesa
Que sobrassem de cada refeição
Para fazer negócio, às escondidas...
E ei-lo, dia por dia, a repetir fremente,
Na mais estranha desesperação:

— Dinheiro, sim... Beneficência, não...
Nada me peçam que não dou vintém,
Não dou nem mesmo um pão à fome de ninguém.

O tempo foi passando,
Pedisse quem pedisse,
A resposta era não...
Toda aquela secura
Parecia loucura
Em vez de sovinice.

Talvez decepcionada, alma triste e vazia,
Com as atitudes do marido avaro,
Breve, morreu a esposa em desamparo,
Sem deixar-lhe um só filho à casa enorme e fria...

Mais tempo decorreu e Macário a lutar,
sem qualquer companheiro,
Só queria dinheiro e mais dinheiro...
Até que, um dia, a morte veio arrebatá-lo.
Adamastor, velhinho,
Num lance do caminho,
Caíra do cavalo,
Fora pisoteado e,
ante as perdas de sangue,
Gritava, agonizante, entre as pedras de um mangue:

— Eu não quero morrer, eu não quero morrer...
Mas a morte, por si, não queria saber
Se ele queria ou não
E, assim, agiu na hora...
Desencarnado agora,
O antigo milionário,
Sente-se louco, aflito e solitário,

Sob o fardo das lágrimas que leva...
Só pensava em dinheiro e via-se na treva...
Era um mendigo apenas
Que somente trazia
A lembrança vazia
De moedas terrenas...

Cego, desesperado, atônito, sozinho,
Fez-se triste fantasma, errando no caminho...
Até que, num momento inesperado,
logo após largo tempo em profunda cegueira,
sentiu algo a buscar-lhe os íntimos refolhos,
uma luz que lhe dava outra luz para os olhos...
fitou, em derredor, e notou espantando
que uma pobre velhinha orava junto dele,
quase que, lado a lado;
e ouviu-a murmurar, em voz segura e mansa,
como se lhe trouxesse a bênção da esperança:

— Rogo, Deus de Bondade, ao teu imenso amor,
Ele foi para mim de uma bondade rara,
Não te esqueças, Senhor,
Que um dia ele salvou o meu filho que me ampara...
Abençoa, meu Deus,
Quem foi em nossa casa
O grande benfeitor!...

O antigo milionário,
Sob um clarão divino,
Recordou a chorar o passado momento
Em que ajudara a um pequenino,
No dia justo de seu casamento...

Banhado em nova luz
Ele gritou: — Por quê? Por que, Jesus?
Não dei tudo o que eu tinha e tudo quanto quis,
A fim de ser agora mais feliz?
Era tarde, porém... Precisava voltar...
Renascer sobre a Terra,
Aprendendo a servir, a compreender e amar...
Nesse instante, contudo,
Retratava na face,
Embora atarantado, ansioso e mudo,
O júbilo de quem se libertasse
Das algemas de longo cativeiro,
Pois percebia, enfim, que acima do dinheiro,
Mostrava mais poder e muito mais valor
A lembrança de bem numa prece de amor!...

Livro: Coração e Vida.
Maria Dolores / Francisco Cândido Xavier

domingo, 26 de março de 2017

PASSE – Roque Jacintho.

O passe, modalidade de socorro fraterno, enobrecido pelo cristianismo, é terapêutica revivida e explicada, em sua mecânica e em sua vital importância, pelo Espiritismo-cristão.
Hoje, popularizada sob tal nome, que lhe define a essência, essa prática sempre foi de todos os lugares e de todos os tempos, externamente revestida das mais variadas fórmulas e dos mais exóticos ritos, ajustados ao degrau mental de seus praticantes: nasce o passe no cântico ou evocação dos selvagens em favor dos enfermos de sua tribo, passando pelas vias da "benzedura" e das "rezas" de médiuns naturais, chegando à bênção sacerdotal pelos doentes, encontradiço na prece maternal em favor de filhos assaltados pelas dores ou pelas angústias e tribulações, e culmina nos Templos do Espiritismo-cristão da atualidade, onde foi incorporado como recurso fundamental para a rearmonização do perispírito no curso das diversas provas e expiações e das mais variadas enfermidades da alma ou do corpo.
É transfusão dirigida de fluidos.
Como permuta das energias universais - quer entre desencarnados, quer entre encarnados - elege-se por delicado e precioso auxiliar a ser utilizado no tratamento das doenças de longo curso; nas crises bruscas de repentinas dores; no combate às chamadas "doenças-fantasmas"; nas perturbações espirituais transitórias que sofrem as almas encarnadas; nas enfermidades da mente; no reequilíbrio de si mesmo, quando o homem está sob o fogo da auto-obsessão; nos abalos do sistema nervoso; na terapia dos complexos...
Por atuar diretamente sobre o perispírito, ou seja, sobre a matriz onde se funde o nosso organismo físico e, por conseguinte, onde se localizam as raízes profundas de nossos distúrbios somáticos, é o passe o mais importante elemento para promoção do equilíbrio perdido ou ainda não conquistado, sempre que todo e qualquer desajuste se instale ou se revele.
Livro: Passes e Passistas
Roque Jacintho.

Livros para baixar - 56



sábado, 25 de março de 2017

Palavra do Dia / Vorto de la tago - 36

                               LUI - Alugar, fretar,arrendar.

Ricevi ion por ĝin uzi dum difinita tempo, pagante interkonsentitan prezon:
(Receber algo para usar durante tempo definido, pagando um preço combinado)

Ni luos vestojn por la geedziĝo.
Nós alugaremos roupas para o casamento.
Ĉu vi luigos al mi vian apartamenton?
Você alugará seu apartamento para min?
Kiom vi pagas por luado de la ĉambro?
Quanto você paga pelo aluguel do quarto?
La luanto de mia domo estas tre fidinda.
O inquilino de minha casa é muito fidedigno.
La luiganto estas tre helpema.
O locador é muito prestativo
Ĉi tie estas multe da lueblaj domoj.
Aqui tem muitas casas para alugar.
***
Programa "MiaAmiko" - Esperanto@Brazilo
Virtuala Brazila Esperanto-Movado

Jesus Está no Leme / A Melhor Religião é o Amor, A Melhor Filosofia a Caridade, A Melhor Ciência o Discernimento.


Muitos os Chamados Poucos os Escolhidos / A Fé Transporta Montanhas.


Oração

Oração

Nossa Receita