domingo, 29 de novembro de 2015

Infantícidio como Costume - Miramez

Nos dias atuais, o infanticídio é permitido por lei, entre alguns povos intelectualmente desenvolvidos, sob o nome de aborto legal.
É a crueldade exteriorizada pela alma presa em sentimentos inferiores, dominada pelas paixões brutais, com grande experiência nas trevas.
É o progresso intelectual defasado do progresso moral que alarga as possibilidades de criações voltadas para o mal.
Em tempos idos, crianças eram sacrificadas aos deuses pagãos, por influência de falanges das trevas, que se utilizavam de homens distanciados do amor.
Foi por essa razão também que Jesus desceu à Terra, a nos dar a lição de amor, e em certa época mostra urna criança como símbolo do reino dos céus.
O desenvolvimento intelectual não implica em progresso dos sentimentos, ficando esquecido o amor, para se apoiar somente na justiça feita pelas mãos dos próprios homens.
Pedimos a Deus que no terceiro milênio possam os Espíritos e os encarnados inaugurarem a reforma bendita na sua intimidade. Foi para isso que a Doutrina dos Espíritos surgiu na Terra, pelas mãos de Jesus Cristo, e foi nesse sentido que Ele disse: Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.
A paz de Jesus é diferente da paz do mundo, desta paz com a qual os homens estão acostumados, de facilidades que se apóiam nos bens materiais. A paz de Jesus é a paz de consciência, nascida do esforço próprio. é por isso que Ele é, por excelência, o nosso Mestre.
Jesus veio destruir todas as leis humanas que não se apoiavam no amor, desfazendo todos os sentimentos onde a hipocrisia se salientava e a desonestidade mostrava o caráter das pessoas, mostrando o Mestre que tudo pertencia a Deus, que tudo que os homens possuíam era apenas empréstimo, pela misericórdia do Pai.
O desenvolvimento intelectual é necessário, mas que o amor possa dirigi-lo, para que haja equilíbrio das emoções. Devemos esquecer o passado que não esteja convenientemente inspirado no amor, porque somente o amor salva as criaturas de todas as transgressões.
Livro: Filosofia Espírita
Miramez / João Nunes Maia.
Filosofia Espírita – Volume XV
Estudando O Livro dos Espíritos – Allan Kardec.
Assassínio
751. Como se explica que entre alguns povos, já adiantados sob o ponto de vista intelectual, o infanticídio seja um costume e esteja consagrado pela legislação?
O desenvolvimento intelectual não implica a necessidade do bem. Um Espírito, superior em inteligência, pode ser mau. Isso se dá com aquele que muito tem vivido sem se melhorar: apenas sabe.

Preĝo por la Harditaj Spiritoj / Prece pelos Espíritos Endurecidos

Preĝo por la Harditaj Spiritoj
75. Antaŭparolo. La malbonaj Spiritoj estas tiuj, kiujn la pento ankoraŭ  ne tuŝis; kiuj plezuras ĉe la malbono kaj nenian bedaŭron eksentas pro ĝi; kiuj estas sensentaj pri la riproĉoj, forpuŝas la preĝon kaj ofte blasfemas la nomon de Dio. Tiuj hardiĝintaj animoj post la morto venĝas al la homoj la suferojn, kiujn ili elportis, kaj persekutas per sia malamo tiujn, kiujn ili malamis dum la vivo, aŭ per obsedo aŭ per iu ajn pereiga influo. (Ĉap. X, § 6; ĉap. XII, §§ 5 kaj 6.)
De malicaj Spiritoj estas du kategorioj tre distingeblaj; tiuj, kiuj estas senkaŝe malbonaj, kaj la hipokritaj. La unuaj estas multe pli facile rekondukeblaj al la bono, ol la duaj; plej ofte ili estas krudaj kaj maldelikataj karakteroj, kiajn oni vidas ankaŭ ĉe la homoj; ili faradas la malbonon pli per instinkto ol laŭ kalkulo, kaj ne penas kredigi, ke ili estas pli bonaj ol ili estas; sed en ili estas latenta ĝermo, kiun oni devas elvolvi, kaj preskaŭ ĉiam oni sukcesas en tio per persistemo, per firmeco kunigita kun bonvolemo, per konsiloj, rezonadoj kaj preĝoj. Per mediumo, ilia malfacileco skribi la nomon de Dio, estas signo de instinkta timo, de intima voĉo de la konscienco, kiu diras al ili, ke ili ne indas ĝin fari; tiam ili staras sur la sojlo de la konvertiĝo, kaj oni povas ĉion esperi de ili: sufiĉas trovi la vundeblan punkton de ilia koro.
La hipokritaj Spiritoj estas preskaŭ ĉiam tre inteligentaj, sed en la koro ili havas neniun senteman fibron; nenio tuŝas ilin; ili ŝajnigas ĉiujn bonajn sentojn por kapti konfidon, kaj estas feliĉaj trovante stultulojn, kiuj akceptas ilin kiel sanktajn Spiritojn kaj kiujn ili povas regi laŭ sia plaĉo. La nomo de Dio, anstataŭ inspiri al ili eĉ la plej malgrandan timon, servas al ili kiel masko, por kovri iliajn hontindaĵojn. En la nevidebla, same kiel en la videbla mondo, la hipokritaj estas la plej danĝeraj estuloj, ĉar ili agadas en la ombro kaj oni ne malfidas ilin. Ili havas nur ŝajnon de fido, sed neniel sinceran fidon.
76. Preøo. Sinjoro, konsentu ĵeti bonvolan rigardon sur la malperfektajn Spiritojn, kiuj estas ankoraŭ en la mallumo de la nescio kaj Vin ne rekonas, kaj precipe sur la Spiriton de N...
Bonaj Spiritoj, helpu nin komprenigi al li, ke kondukante la homojn al la malbono, ilin obsedante aŭ turmentante, li plilongigas siajn proprajn suferojn; penu, ke la ekzemplo de la feliĉo, kiun vi ĝuadas, estu kuraĝigo por li. Spirito, kiu plezuras ankoraŭ en la malbono, vi ĵus aŭdis la preĝon, kiun ni faras por vi; ĝi devas pruvi al vi, ke ni deziras fari al vi la bonon, kvankam vi faras la malbonon.
Vi estas malfeliĉa, ĉar estas neeble esti feliĉa farante la malbonon; kial do resti en turmento, kiam nur de vi dependas liberiĝi de ĝi? Rigardu la bonajn Spiritojn, kiuj ĉirkaŭas vin; vidu, kiel feliĉaj ili estas kaj ĉu ne estus al vi pli agrable ĝuadi la saman feliĉon.
Vi diras, ke tio ne estas al vi ebla; sed nenio estas neebla al tiu, kiu volas, ĉar Dio donis al vi, same kiel al ĉiuj Liaj kreitoj, la liberecon elekti inter la bono kaj la malbono, tio estas inter la feliĉo kaj la malfeliĉo, kaj neniu estas kondamnita fari la malbonon. Se vi havas volon fari ĝin, vi povas havi ankaŭ volon fari la bonon kaj esti feliĉa.
Turnu vian rigardon al Dio; levu vin unu solan momenton al Li per la penso, kaj radio de Lia dia lumo venos prilumi vin. Diru kun mi tiujn ĉi simplajn vortojn: Mia Dio, mi pentas, pardonu min. Provu penti kaj fari la bonon anstataŭ la malbono, kaj vi vidos, ke tuj Lia favorkoreco etendiĝos sur vin kaj ke nekonata feliĉo venos anstataŭi la angorojn, kiujn vi suferas.
Kiam vi estos farinta la unuan paŝon sur la bona vojo, la restanta marŝo ŝajnos al vi facila. Tiam vi komprenos, kiom da tempo perdis via feliĉo pro via kulpo; sed ridanta estonteco plena de espero malfermiĝos antaŭ vi kaj igos vin forgesi vian mizeran pasintecon, plenan de konfuzo kaj de moralaj turmentoj, kiuj estus por vi la infero, se ili devus eterne daŭri. Venos tago, kiam tiuj turmentoj estos tiel neelporteblaj, ke je iu ajn kosto vi volos ĉesigi ilin; sed ju pli longe vi ĝin prokrastos, des pli malfacile tio fariĝos.
Ne kredu, ke vi restos ĉiam en la stato, en kiu vi staras; ne, tio estas neebla; vi havas antaŭ vi du perspektivojn: aŭ suferi multe pli ol vi suferas nun, aŭ esti feliĉa, kiaj estas la bonaj Spiritoj ĉirkaŭ vi; la unua estas neevitebla, se vi persistos en via obstineco; simpla peno de via volo sufiĉas, por tiri vin de la malbona vojo, kie vi estas. Rapidu do, ĉar ĉiu tago de malfruiĝo estas tago perdita por via feliĉo.
Bonaj Spiritoj, penu, ke ĉi tiuj paroloj trafu tiun  animon ankoraŭ ne sufiĉe progresintan, por ke ili helpu ĝin alproksimiĝi al Dio. Ni petas vin pri tio en la nomo de Jesuo Kristo, kiu havis tiel grandan povon super la
malbonaj Spiritoj.
         Libro: La Evangelio Laŭ Spiritismo – Allan Kardec, ĉap. XXVIII.
Prece pelos Espíritos Endurecidos
75. Prefácio _ Os maus Espíritos são os que ainda não foram tocados pelo arrependimento; que se comprazem no mal e não sentem nenhuma pena pelo que fazem; que são insensíveis às repreensões, repelem a prece e freqüentemente blasfemam contra Deus. São essas almas endurecidas que, após a morte, se vingam dos homens pelos sofrimentos que suportaram, e perseguem com o seu ódio aqueles a quem detestaram durante a vida, seja obsedando-os, seja perturbando-os com alguma falsa influência. (Caps. X, nº 6 e XII, nº 5 e 6).
Entre os Espíritos perversos, há duas categorias bem distintas: dos que são francamente maus, e a dos hipócritas. Os primeiros são infinitamente mais fáceis de serem conduzidos ao bem, do que os segundos. Porque são, na maioria das vezes, de natureza estúpida e grosseira, como podemos ver entre os homens, e como estes, fazem o mal mais por instinto do que por cálculo, e não pretendem passar por melhores do que são. Há neles um germe latente, que é necessário fazer germinar, o que se consegue quase sempre com perseverança, firmeza e benevolência, através de conselhos, da argumentação e da prece. Nas comunicações mediúnicas, a dificuldade que sentem para pronunciar o nome de Deus revela um temor instintivo, e uma recriminação da consciência, que os acusa de indignidade. Os que assim se apresentam estão no limiar da conversão, e tudo podemos esperar deles: basta encontrar-lhes o ponto vulnerável do coração.
Os Espíritos hipócritas são quase sempre muito inteligentes e não têm no coração nenhuma fibra sensível. Nada os toca. Fingem todos os bons sentimentos para ganhar a confiança, e ficam felizes quando encontram todos que os aceitam como Espíritos bons, pois então podem dirigi-los à vontade. O nome de Deus, longe de lhes inspirar o menor temor, serve-lhes de máscara para as suas torpezas. No mundo invisível, como no mundo visível, os hipócritas são os seres mais perigosos, porque agem na sombra, e deles não se desconfia. Eles têm as aparências da fé, mas não a sinceridade da fé.
76. Prece - Senhor, dignai-vos lançar um olhar de bondade aos Espíritos imperfeitos, que estão ainda nas trevas da ignorância e que vos desconhecem, principalmente ao Espírito de Fulano. Bons Espíritos, ajudai-nos a fazê-lo compreender que, induzindo os homens o mal, obsedando-os e atormentando-os, prolonga os seus próprios sofrimentos; fazei que o exemplo da felicidade que gozais se torne um encorajamento para eles. Espírito que te comprazes ainda na prática do mal, ouviste a prece que fizemos por ti; ela deve provar-te que desejamos fazer-te o bem, embora faças o mal.
És infeliz, porque é impossível ser feliz praticando o mal. Por que, pois, permanecer no sofrimento, quando depende de ti sair dele? Não vês os Bons Espíritos que te cercam, como são felizes, e não te seria agradável gozar também dessa felicidade? Dirás que isso é impossível, mas nada é impossível para aquele que o quer, porque Deus te deu, como a todas as criaturas, a liberdade de escolher entre o bem e o mal, o que vale dizer: entre a felicidade e a desgraça, e ninguém é condenado a fazer o mal. Se tens a vontade de o fazer, podes ter também a de fazer o bem e ser feliz. Eleva os teus olhos a Deus; eleva o teu pensamento a Ele, apenas por um instante, e um raio de sua divina luz virá esclarecer-te. Dize conosco estas simples palavras: Meu Deus, eu me arrependo, perdoa-me! Tenta arrepender-te e fazer o bem em lugar do mal, e verás que prontamente a sua misericórdia descerá sobre ti, e um bem-estar desconhecido virá substituir as agonias que sofres.
Quando tiveres dado um passo no caminho do bem, o resto será fácil. Compreenderás, então, quanto tempo perdeste da tua felicidade, por tua própria culpa. Mas um futuro radioso e cheio de esperança se abrirá diante de ti, fazendo-te esquecer o teu miserável passado, cheio de perturbações e de torturas morais, que seriam para ti um inferno, se tivessem de durar eternamente. Chegará o dia em que essas torturas serão tais, que a todo custo quererás fazê-las cessar: porém, quanto mais esperares para tomar uma decisão, mais difícil te será escapares a elas. Não creias que ficarás sempre nesse estado. Não, porque isso é impossível. Tens duas perspectivas pela frente: uma, é a de sofreres muitíssimo mais do que até agora; outra, a de seres feliz como os Bons Espíritos que estão ao teu redor. A primeira é inevitável, se persistires na tua obstinação; para a segunda, basta um simples esforço da tua vontade, que te afastará do mau caminho. Apressa-te, portanto, pois cada dia de atraso é um dia de felicidade que perdeste!
Bons Espíritos, fazei que estas palavras encontrem acesso nessa alma ainda atrasada, e possam ajudá-la a aproximar-se de Deus! Nós vo-lo pedimos em nome de Jesus Cristo, que teve tão grande poder sobre os Espíritos maus.
Livro: O Evangelho Segundo O Espiritismo – Allan Kardec, cap. XXVIII.

sábado, 28 de novembro de 2015

Distinguir – Miramez.

O homem tem poderes extraordinários para resolver todos os problemas a ele afeitos. Se assim não fora, não existiria o Evangelho de Jesus, guia e sustentador divino para todas as criaturas. Qualquer pessoa, estado, nação, e mesmo o mundo inteiro, se se esforçar para viver os preceitos de Jesus irá se libertando de todos os problemas por si mesma criados.
Pela ação do Evangelho a mente vai clareando e o mal passa a desaparecer das cogitações humanas, porque somente o bem impera onde nasce o amor. Precisamos crer em Deus, reconhecer o Pai, para nos aproximarmos d'Ele, porque Ele já existe dentro de nós. Sê inteligente, e usa esse dom para descobrir teus próprios valores imortais, que todos temos.
Todo sofrimento da humanidade é falta de harmonia na mente. Se queres harmonizar a tua, ama a Deus sobre todas as coisas, Passando a respeitar o próximo dentro de todos os seus valores espirituais. A Doutrina dos Espíritos é também uma filosofia de vida espiritual, capaz de nos levar à liberdade, por nos dar consciência do bem e do mal. Ela nos ajuda a discernir o que devemos ou não aceitar, com a velocidade do pensamento.
Desde quando só busques o bem, passas a esquecer o mal, e esse sai do teu mundo mental para sempre. Se o companheiro esquece o bem, ele investe todo o tempo no mal, e esse mal passa a viver nele, sem ser dele. Assim, como uma multiplicação, os Espíritos que o observem, e devem ser muitos, esfriam em sua maturidade, onde a caridade ia surgindo.
E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos se esfriará. Jesus / Mateus, 24:12.
Se o mal e as falsas leis acharem ninho em nossos corações, poderemos provocar muito mal.
Quando chega em nossos corações o Evangelho de Jesus, a luz espanca as trevas. Onde há trevas, pode chegar a luz, mas, onde há luz, as trevas não podem sobressair.
Deus, através dos tempos, nos conferiu a inteligência para podermos distinguir o bem do mal, escolher e viver as leis naturais de vida e de vida eterna. Não percamos tempo com coisas vãs.
Estamos sendo chamados por Jesus para saber usar nossos talentos de vida. Procuremos conhecer mais sobre Jesus e passemos a viver o que o Mestre ensinou, que a nossa vida vai mudar e a felicidade passará a ficar mais próxima dos nossos corações. é uma grande conquista, e seremos felizes logo, se descobrirmos os meios de conquistá-la na cidade dos nossos corações.
Vê bem a vibração da palavra Bem e verifica a de Mal; cada uma delas já traz em si seus valores, suas marcas, que podem ser reconhecidas pelo que são. Se alguém te injuria, não percas tempo em defender-te, para não entrares na faixa do perseguidor. O tempo que irias gastar sem proveito, aproveita-o fazendo o bem, sorrindo para um velho ou uma criança, ajudando a quem precisa das tuas mãos e amando a todos. Somente Deus é nossa defesa, e Se mostrará presente pela tranqüilidade de nossa consciência.
O justo já recebeu a recompensa pelo seu estado de tranqüilidade imperturbável. Sê um justo e acredita na justiça de Deus sem querer fazê-la com os teus recursos, que servirás para o bem da humanidade.
Livro: Filosofia Espírita – Volume XIII
Miramez / João Nunes Maia.
         Estudando O livro dos Espíritos – Allan Kardec.
         O bem e o mal
631. Tem meios o homem de distinguir por si mesmo o que é bem do que é mal?
Sim, quando crê em Deus e o quer saber. Deus lhe deu inteligência para distinguir um do outro.

Súplica a Mãe Santíssima – Bittencort Sampaio.



Anjo dos bons e Mãe dos pecadores.
Enquanto ruge o mal, Senhora, enquanto
Reina a sombra da angústia, abre o teu manto,
Que agasalha e consola as nossas dores.
Nos caminhos do mundo, há treva e pranto.
No infortúnio dos homens sofredores,
Volve à Terra ferida de amargores
O teu olhar imaculado e santo!
Ó Rainha dos anjos, meiga e pura.
Estende tuas mãos à desventura
E ajuda-nos, ainda, Mãe piedosa!
Conduze-nos às bênçãos do teu porto.
E salva o mundo em guerra e desconforto,
Clareando a noite tormentosa...

Livro: Mãe - Espíritos Diversos / Chico Xavier.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

TROVAS DA MEDIUNIDADE



 JAKS ABOAB
 De tudo o que tenho visto
 Guardo este ensino profundo:
 O médium sem Jesus Cristo
 É uma cobaia no mundo.

 LULÚ PAROLA
 Muita doença encravada
 De origem desconhecida
 É só idéia parada,
 Mediunidade entupida.

 ADERALDO FEREIRA DE ARAÚJO
 Encontrei esta verdade
 Na trilha de cantador:
 O médium sem caridade
 É um ninho de obsessor.

 JOÃO MOREIRA DA SILVA
 Servir é um diploma lindo,
 Que todo médium alcança,
 Mas muitos vivem pedindo
 Água fresca e vida mansa.

 ANTÔNIO VICENTINO
 Uma rixa à pressa,
 Uma intriga, um palavrão,
 Uma queixa... Assim começa,
 A trama da obsessão.

 MANOEL SERRADOR
 Ao ver que a mediunidade
 Tem sempre pouco descanso,
 Fugiu, viveu e morreu;
 Na cadeira de balanço.

 CATULO DA PAIXÃO
 Na tarefa nobre e santa
 De instruir e consolar,
 Há muito médium que canta
 Com vontade de chorar.

 CORNÉLIO PIRES
 Médium que larga o trabalho
 Até que a fé se lhe extinga,
 Pulando de galho em galho
 É só conversa e mandinga.

 JUVENAL GALENO
 Peão que serve na marra,
 Caixeiro com rispidez,
 Médium que vive na farra...
 Coitadinhos deles três...

 CASIMIRO CUNHA
 Parece um diamante achado
 O médium em plena ação,
 Mas deve ser lapidado
 A cortes de provação.

 RAUL PEDERNEIRAS
 Mediunidade, no fundo;
 É amor a crentes e ateus,
 Uma estrela sobre o mundo,
 Trazendo a bênção de Deus.

Livro: SEMENTES DE LUZ.
Espíritos Diversos / Chico Xavier e Carlos A. Baccelli.

Prece de Emmanuel

Senhor, ensina-nos:
A orar sem esquecer o trabalho;
A dar sem olhar a quem;
A servir sem perguntar até quando;
A sofrer sem magoar seja a quem for;]
A progredir sem perder a simplicidade;
]A semear o bem sem pensar nos resultados;
A desculpar sem condições;
A marchar para a frente sem contar os obstáculos;
A ver sem malícia;
A escutar sem corromper os assuntos;
A falar sem ferir;
A compreender o próximo sem exigir entendimento;
A respeitar os semelhantes, sem reclamar consideração;
A dar o melhor de nós, além da execução do próprio dever, sem cobrar taxa de reconhecimento;
Senhor, fortalece em nós a paciência para com as dificuldades dos outros, assim como precisamos da paciência dos outros para com as nossas dificuldades;
Auxilia-nos, sobretudo, a reconhecer que a nossa felicidade mais alta será invariavelmente, aquela de cumprir-Te os desígnios onde como queiras, hoje, agora e sempre.
Emmanuel / Chico Xavier
Livro: A Semente de Mostarda.

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Propósito – Sufi.

A Luz Divina se manifesta de infinitas formas, desde a irradiação solar plena até o escuro profundo dos abismos. Enquanto raio de sol, ilumina; enquanto escuridão abismal, serve como contraponto da luz, fornecendo o aprendizado essencial da dualidade.
Tudo contribui para a caminhada evolutiva! A mesma língua que sente o doce, percebe o amargo. Muitas vezes, só depois de combates doloridos, externos ou internos, é possível chegar a uma compreensão ou ter um sentimento de dever cumprido. Assim, aspirar à pureza da Luz é algo legítimo, mas é importante meditar porque se está na Terra. Se o Universo conspirou para que, neste momento, tenhas um corpo denso, não seria porque a densidade terrena lhe trará algum aprendizado? Em tudo há um propósito! Já descobriu qual é o seu?
Livro: Reflexão.
Sufi – Pablo Salamanca.

Decisão Inconsequente – Irmão José

São muitos os que, infelizmente, deliberam procurar o mal, de livre e espontânea vontade.
Saem à caça de aventuras inconseqüentes.
Vão ao encontro da dor em seu próprio habitat.
Caminham na rota da ilusão.
Peregrinam, exaustivamente, em busca leviana.
Sorvem a taça do embriagante vinho do prazer.
Colocam-se à mercê de irresistível assédio.
Expõem-se, voluntariamente, à perturbação e ao desequilíbrio.
Comprazem-se em estados de obsessão, tendentes ao vampirismo.
Submetem-se à sugestão das trevas, sem esboçarem a menor resistência.
Criam oportunidade para que coisas desagradáveis lhes sucedam.
Insistem tanto no que lhes é nocivo, que praticamente anulam todo o esforço dos que se empenham em protegê-los.
Livro: Dias Gloriosos.
Irmão José – Carlos A. Baccelli.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Perdoados, mas não Limpos - Emmanuel

Em nossas faltas, na maioria das vezes, somos imediatamente perdoados, mas não limpos.
Fomos perdoados pelo fel da maledicência, mas a sombra que tencionávamos esparzir, na estrada alheia, permanece dentro de nós por agoniado constrangimento.
Fomos perdoados pela brasa da calúnia, mas o fogo que arremessamos à cabeça do próximo passa a incendiar-nos o coração.
Fomos perdoados pelo corte da ofensa, mas a perda atirada aos irmãos do caminho volta incontinenti, a lanhar-nos o próprio ser.
Fomos perdoados pela manifestação de fraqueza, mas o desastre que provocamos é dor moral que nos segue os dias.
Fomos perdoados por todos aqueles a quem ferimos, no delírio da violência, mas, onde estivermos, é preciso extinguir os monstros do remorso que os nossos pensamentos articulam, desarvorados.
Chaga que abrimos na alma de alguém pode ser luz e renovação nesse mesmo alguém, mas será sempre chaga de aflição a pesar-nos na vida.
Injúria aos semelhantes é azorrague mental que nos chicoteia.
A serpente leva consigo a peçonha que veicula.
O escorpião carrega em si próprio a carga venenosa que ele mesmo segrega.
Ridicularizados, atacados, perseguidos ou dilacerados, evitemos o mal, mesmo quando o mal assuma a feição diversa, porque todo mal que fizermos aos outros é mal a nós mesmos.
Quase sempre aqueles que passaram pelos golpes de nossa irreflexão já nos perdoaram incondicionalmente, fulgindo nos planos superiores; no entanto, pela lei de correspondência, ruminamos, por tempo indeterminado, os quadros sinistros que nós mesmos criamos.
Cada consciência vive e envolve entre os seus próprios reflexos.
É por isso que Allan Kardec afirmou, convincente, que, depois da morte, até que se redima no campo individual, “para o criminoso a presença incessante das vítimas e das circunstâncias do crime é suplício cruel”.
Livro: Caminho Espírita.
Espíritos Diversos / Chico Xavier.

A falsa mendiga – Néio Lúcio.

         Zezélia pedia esmolas, havia muitos anos.
         Não era tão doente que não pudesse trabalhar, produzindo algo de útil, mas não se animava a enfrentar qualquer disciplina de serviço.
         — Esmola pelo amor de Deus! — clamava o dia inteiro, dirigindo-se aos transeuntes, sentada à porta de imundo telheiro.
         De quando em quando, pessoas amigas, depois de lhe darem um níquel, aconselhavam:
 — Zezélia, você não poderia plantar algum milho?
— Não posso... — respondia logo.
— Zezélia, quem sabe poderia você beneficiar alguns quilos de café?
— Quem sou eu, meu filho? não tenho forças...
— Não desejaria lavar roupa e ganhar algum dinheiro? — indagavam damas bondosas.
— Nem pensar nisto. Não agüento...
— Zezélia, vamos vender flores! — convidavam algumas jovens que se compadeciam dela.
— Não posso andar, minhas filhas!... — exclamava, suspirando.
— E o bordado, Zezélia? — interrogava a vizinha, prestativa — você tem as mãos livres. A agulha é uma boa companheira. Quem sabe poderá ajudar-nos?
Receberá compensadora remuneração.
— Não tenho os dedos seguros — informava, teimosa — e falta-me suficiente energia... Não posso, minha senhora...
E, assim, Zezélia vivia prostrada, sem ânimo, sem alegria.
Afirmava sentir dores por toda parte do corpo. Dava notícias da tosse, da tonteira e do resfriado com longas palavras que raras pessoas dispunham de tempo para ouvir. Além das lamentações contínuas, clamava que não bebia café por falta de açúcar, que não almoçara por não dispor de alimentação.
Tanto pediu, chorou e se queixou Zezélia que, em certa manhã, foi encontrada morta e a caridade pública enterrou-lhe o corpo com muita piedade.
Todos os vizinhos e conhecidos julgaram que a alma de Zezélia fora diretamente para o Céu; entretanto, não foi assim.
Ela acordou em meio dum campo muito escuro e muito frio.
Achava-se sem ninguém e gritou, aflita, pelo socorro de Deus.
Depois de muito tempo, um anjo apareceu e disse-lhe, bondoso:
— Zezélia, que deseja você?
— Ah! — observou, muito vaidosa — já sou conhecida na Casa Celestial?
— Há muito tempo — informou o emissário, compadecido.
A velha começou a chorar e rogou em pranto:
— Tenho sofrido muito!... quero o amparo do Alto!...
— Mas, ouça! — esclareceu o mensageiro — o auxílio divino é para quem trabalha. Quem não planta, nada tem a colher. Você não cavou a terra, não cuidou de plantas, não ajudou os animais, não fiou o algodão, não teceu fios, não costurou o pano, não amparou crianças, não fêz pão, não lavou roupa, não varreu a casa, não cuidou de flores, não tratou nem mesmo de sua saúde e de seu corpo... Como pretende receber as bênçãos de Cima?
A infeliz observou, então:
— Nada podia fazer... eu era mendiga...
O anjo, contudo, replicou:
— Não, Zezélia! — você não era mendiga. Você foi simplesmente preguiçosa. Quando aprender a trabalhar, chame por nós e receberá o socorro celeste. Cerrou-se-lhe aos olhos o horizonte de luz e, às escuras, Zezélia voltou para a Terra, a fim de renovar-se.
Livro: Alvorada Cristã.
Néio Lúcio / Chico Xavier.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

No Monte de Lixos / Sur Monto de Balaaĵoj.

No Monte de Lixos
Entre vasta comunidade de lixeiros discutidores, a pedra rolava entre nauseantes detritos.
Aqui, era metida no balde, envolta em lama.
Ali, era atirada à carroça que transbordava sujeira.
Além, era transladada a montão de imundície.
Acolá, era projetada ao mato agreste, onde se demorava largo tempo para, depois, vir à tona...
Por mais duros os golpes, não se quebrava...
Nem as pancadas do ancinho, nem as batidas da pá, nem a pressão das pedras em derredor, nem as unhas dos urubus à cata de alimentação, no monturo, conseguiram desfigurá-la...
Um dia, porém, experimentado ourives fitou-a, de relance, e apanhou-a, encantado...
Era um diamante perfeito, de sublime expressão, logo recolhido, com reverência, ao lugar que lhe era próprio...
* * *
Não se aflija e nem se encolerize se lhe despejam na estrada o fel da calúnia ou os calhaus da maledicência.
Ainda mesmo encoberta no lodo das incompreensões humanas, a virtude é a virtude, como o diamante, no dilúvio de lixo, é sempre diamante...
Consagre-se ao bem, onde você estiver, pois o Divino Ourives não tardará em vir ao seu encontro e fará que você brilhe, em lugar próprio, no momento oportuno.
Livro: Bem-Aventurados os Simples.
Valérium / Waldo Vieira.
Sur Monto de Balaaĵoj.
Meze en granda grupo de diskutemaj balaaĵistoj, ŝtoneto ruliĝis inter naŭzaj forĵetaĵoj.
Ĉi tie krovita per koto ĝi estis metita en sitelon.
Tie ĝi estis ĵetita sur ĉaron kun transbordanta malpuraĵo.
Fore ĝi estis translokita sur monton da balaaĵoj.
Pli fore ĝi estis alportita en senkulturan arbaron, kie ĝi longe restis por poste aperi sur la tersufaco...
Eĉ eĉ la plej fortaj batoj ĝi ne rompiĝis...
Nek frapoj de rastilho, nek batoj de fosilo, nek premo de ĉirkaŭantaj ŝtonoj, nek ungoj de korvoj serĉantaj nutraĵojn en balaaĵejo sukcesis ĝin aliformigi...
Sed iun tagon sperta oraĵisto en palpebruma daŭro ĝin rigardis kaj prenis ravite...
Ĝi estis perfekta diamanto kun superbela aspekto, tuj ĝoje enmetita en sian propran lokon...
* * *
Ne Afliktiĝu nek koleru, se galo de kalumnio aŭ ŝtonoj de klaĉemo vin suferigos. Eĉ krovita per ŝlimo de la homaj nekomprenemoj, virto estas virto, same kiel diamanto sur monto de balaaĵoj estas ĉiam diamanto...
Dediĉu vin al bono, kie ajn vi troviĝos, ĉar la Dia Oraĵisto ne malfruos veni al vi renkonte kaj faros, ke vi brilu, en via propra loko, en la ĝusta momento.
Libro: Feliĉaj la Simplaj.
Valérium / Waldo Vieira.

Quando há luz - Emmanuel

"O amor do Cristo nos constrange". – Paulo /II Coríntios, 5:14.
Quando Jesus encontra santuário no coração de um homem, modifica-se-lhe a marcha inteiramente.
Não há mais lugar dentro dele para a adoração improdutiva, para a crença sem obras, para a fé inoperante.
Algo de indefinível na terrestre linguagem transtorna-lhe o espírito.
Categoriza-o a massa comum por desajustado, entretanto, o aprendiz do Evangelho, chegando a essa condição, sabe que o Trabalhador Divino como que lhe ocupa as profundidades do ser.
Renova-se-lhe toda a conceituação da existência.
O que ontem era prazer, hoje é ídolo quebrado o que representava meta a atingir, é roteiro errado que ele deixa ao abandono.
Torna-se criatura fácil de contentar, mas muito difícil de agradar.
A voz do Mestre, persuasiva e doce, exorta-o a servir sem descanso.
Converte-se-lhe a alma num estuário maravilhoso, onde os padecimentos vão ter, buscando arrimo, e por isso sofre a constante pressão das dores alheias.
A própria vida física afigura-se-lhe um madeiro, em que o Mestre se aflige. É-lhe o corpo a cruz viva em que o Senhor se agita crucificado. O único refúgio em que repousa é o trabalho perseverante no bem geral.
Insatisfeito, embora resignado; firme na fé, não obstante angustiado; servindo a todos, mas sozinho em si mesmo, segue, estrada afora, impelido por ocultos e indescritíveis aguilhões...
Esse é o tipo de aprendiz que o amor do Cristo constrange, na feliz expressão de Paulo. Vergasta-o a luz celeste por dentro até que abandone as zonas inferiores em definitivo.
Para o mundo, será inadaptado e louco.
Para Jesus, é o vaso das bênçãos.
A flor é uma linda promessa, onde se encontre.
O fruto maduro, porém, é alimento para Hoje.
Felizes daqueles que espalham a esperança, mas bem-aventurados sejam os seguidores do Cristo que suam e padecem, dia a dia, para que seus irmãos se reconfortem e se alimentem no Senhor!
Livro: Fonte Viva.
Emmanuel / Chico Xavier.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Sexo e Amor – Irmão José

Aos poucos, compreenderás que o prazer advindo do sexo é um instante fugaz.
Existem emoções mais sutis que podem ser vivenciadas a dois:
- a comunhão de ideias e ideais;
- a permuta de vibrações na amizade sincera e desinteressada;
- a simples convivência com base na união de sentimentos;
- a sintonia afetiva e o companheirismo, que extrapolam as características sexuais do casal;
- o carinho que transcende o contato entre os corpos;
- a palavra que se faz pão para a alma;
- o sorriso que induz ao êxtase espiritual...
O sexo no mundo é das formas mais primitivas de amor.
Amor é sexo em estado de sublimação.
Sexo é labareda; amor é luz.
Livro: Dias Melhores.
Irmão José / Carlos A. Baccelli.

Oração

Oração

Nossa Receita