sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O essêncial




Minha Pequena Contribuição: Crescermos em virtudes é trabalho do espírito humano em sua constante aprendizagem luz; reforçando as já existentes, transformando os defeitos e vencendo os vícios. Para tal precisamos rever as nossas atitudes e repensar em nossos atos. Quando Sócrates no advertiu: Conhece-te a ti mesmo, no convidava para tal investimento: a nossa perfeição. Pense Nisto! Antônio Ramos.

Faça acontecer.... / Te desejo


Cuide de seus pensamentos,
porque se tornam palavras,
escolha suas palavras,
porque se tornam ações,
entenda suas ações,
porque se tornam hábitos,
estude seus hábitos,
porque se tornam seu caráter,
desenvolva seu caráter,
porque ele se torna o seu destino.
O segredo é não correr atrás das borboletas...
É cuidar do jardim para que elas venham até você...
(Mario Quintana)


Felicitações e Agradecimentos




Minha Pequena contribuição: Agradeçamos a Deus o ano que breve se finda e rendamos boas vindas ao próximo que não tarda a chegar; que ele venha com suas alegrias e tristezas, sucessos e insucessos, vitorias e derrotas e se tivermos que pedir algo a Pai de Infinito Amor e Bondade, que lhe peçamos apenas o básico e fundamental para vivermos: Saúde e Sabedoria, pois, se soubemos fazer bom uso dessas duas ferramentas, tudo mais nos será dado por Acréscimo Divino. Pense Nisto! Antônio Ramos. 
Grato pela linda amizade de vocês a mim dispensado. 
Beijos e abraços Fraternais!

Tolera Construindo

Quanto mais violência no mundo, em torno de nós, mais alta a nossa necessidade de tolerância para que se lhe reduzam os impactos destrutivos.
Quanto puderes, nas áreas de ação que te digam respeito, amplia os teus investimentos de compreensão e paciência, na garantia da paz e da segurança onde estejas.
Certo companheiro terá faltado ao pagamento dessa ou daquela importância que te é devida.
Se não te encontras sob o domínio de necessidades prementes, compadece-te dele e aguarda mais tempo.
Terá ele sofrido tribulações que desconheces.
Na rua, possivelmente, alguém te dirigiu palavras injuriosas que te espancaram a sensibilidade.
Silencia em oração, pedindo à Divina Providência auxílio e entendimento, a beneficio daqueles que te agridam.
As pessoas que te insultam com certeza se comportam sob o jugo de sofrimentos que nunca experimentaste.
Determinado amigo se te atravessou na estrada, empalmando-te recursos para cuja aquisição definitiva te sacrificaste longamente.
Nada reclames.
Provavelmente, estará ele conturbado por débitos de resgate urgente que o fazem esquecer as alegrias e os deveres da amizade.
Pessoas particularmente querida te haverá deixado a sós, na execução de compromissos assumidos.
Não te revoltes e continua agindo e servindo.
Semelhante criatura esterá sob transtornos e dificuldades do sentimento e da vida, esperando-te a paciência e a bondade para não cair no posso da deliqüência.
Compadece-te dos outros, auxilia-os quanto possas, ora e caminha adiante.
Nunca retribuas mal por mal.
Contribui com a tua parcela de amor para que o ódio desapareça.
Se os danos por ti sofridos, nessa ou naquela situação calamitosas, forem de tão grande porte que te inclines para qualquer providências punitiva, esquece o mal e perdoa os agravos mesmo assim, recordando que, em toda parte, se cumprem espontaneamente os processos da Justiça de Deus.
Emmanuel / Chico Xavier (Livro: Atenção).

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Kunlaboro / COOPERAÇÃO


Kunlaboro
Por ke iu efike kaj sukcese direktu gravan entreprenon, ne sufiĉas lin enoficigi.
De li oni postulas, ke li havu superajn kvalitojn por ke la afero solidiĝu kaj prosperu. 
Ne nur aŭtoritato sed saĝa direktado. Ne nur teorio kaj klereco sed virto kaj klara mezurtaksado.
Vastaj rimedoj en la manoj de senprudenta kapo similas al trezoroj en la brakoj de l’ malsaĝeco, same kiel riĉeco sen gvido estas kvazaŭ ŝipo drivanta.
Kiu estras, tiu nepre uzas justecon kaj bonecon, laboron kaj disciplinon por atingi la celojn de la tasko al li komisiita.
Kiam povo malmoderas, la popolo suferas maltrankvilon kaj malordon, kaj kiam inteligenton ne gvidas sana karaktero,  ĝi  ĉirkaŭen dissemas mizeron kaj kruelecon.
Jen kial ekzistas tiom da tiranoj aŭreolitaj per mensa grandeco kaj tiom da genioj kun rafinita sentemo, sed tamen baraktantaj en la kotejo de l’ malvirto.
En la intima mondo, la volo estas kiel kapitano, kiu ne povas malzorgi sian taskon.
Kaj kiel la administranto de iu servo bezonas la helpon de kompetentaj asesoroj, tiel same la volo ne povas malhavi la pripenson kaj la logikon kiel respektindajn konsilantojn en la decidopova estreco.
Sed nepre necesas alvoki la spiriton de kunlaboro por subteni  ĝiajn impulsojn. En la kampo de la surtera agado, la kompetenta orientisto ne ignoras la naturan hierarkion, kiu regas  ĉiujn valorojn nepre necesajn al la vivo.
En la fabrikado de vestoj, la fadeno kalkulos je la apogo de la maŝino, la maŝino fidos la kompetentecon de la laboristo, la laboristo konfidos la teknikiston kontrolantan lian laboron, la teknikisto trovos subtenon ĉe la estraro de la fabriko, kaj la fabrik-estraro serĉos ekvilibron  ĉe la industria produktado, de kiu ili  ĉerpos la financan brulaĵon necesan al la funkciado de la laborejo obeanta ilian komandon.
Ni rimarkas do, ke en la Individuo-Ŝtato la volo, por plenumi la  ĝin koncernantan regadon, sen kolapso de la ekvilibro, devas helpi al si per kunlaboro por lumigo de sia aktiveco.
La spontanea kunlaboro estas la  ĉefa elemento de la ordo.
De la Dia Gloro  ĝis la subatomaj limoj, la Universon oni povas difini, kiel  ĉenon da vivoj kunligitaj en la Granda Vivo.
Kunlaboro signifas konstruan obeadon al la postuloj de la fronto kaj implicitan helpon al la mankoj de la malantaŭo.
Kiu helpas, tiu estas helpata, kaj  ĉe tio li silente trovas la plej trafan formulon por alkonformiĝi al la evolu-procesoj.
Emmanuel / Chico Xavier (Libro: Penso kaj Vivo). 

COOPERAÇÃO
Para que alguém dirija com êxito e eficiência uma empresa importante, não lhe basta a nomeação para o encargo.
Exige-se-lhe um conjunto de qualidades superiores para que a obra se consolide e prospere. Não apenas autoridade, mas direção com discernimento.
Não só teoria e cultura, mas virtude e juízo claro de proporções.
Dilatados recursos nas mãos, a serviço de uma cabeça sem rumo, constituem tesouros nos braços da insensatez, assim como a riqueza sem orientação é navio à matroca.
Quem governa emitirá forças de justiça e bondade, trabalho e disciplina, para atingir os objetivos da tarefa em que foi situado.
Quando o poder é intemperante, sofre o povo a intranqüilidade e a mazurca, e, quando a inteligência não possui o timão do caráter sadio, espalha, em torno, a miséria e a crueldade.
Daí, conhecermos tantos tiranos nimbados de grandeza mental e tantos gênios de requintada sensibilidade, mas atolados no vício.
No mundo íntimo, a vontade é o capitão que não pode relaxar no mister que lhe é devido.
E assim como o administrador de um serviço reclama a ajuda de assessores corretos, a vontade não prescindirá da ponderação e da lógica, conselheiros respeitáveis na chefia das decisões.
No entanto, urge que o senso de cooperação seja chamado a sustentar-lhe os impulsos. Nas linhas da atividade terrestre, quem orienta com segurança não ignora a hierarquia natural que vige na coexistência de todos os valores indispensáveis à vida.
Na confecção do agasalho comum, o fio contará com o apoio da máquina, a máquina esperará pela competência do operário, o operário edificar-se-á no técnico que lhe supervisiona o trabalho, o técnico arrimar-se-á na diretoria da fábrica e a diretoria da fábrica equilibrar-se-á no movimento da indústria, dele extraindo o combustível econômico necessário à alimentação do núcleo de serviço que lhe obedece aos ditames. Observamos, assim, que no estado individual a vontade, para satisfazer à governança que lhe compete, sem colapsos de equilíbrio, precisa socorrer-se da colaboração a fim de que se lhe clareie a atividade.
A cooperação espontânea é o supremo ingrediente da ordem.
Da Glória Divina às balizas subatômicas, o Universo pode ser definido como sendo uma cadeia de vidas que se entrosam na Grande Vida.
Cooperação significa obediência construtiva aos impositivos da frente e socorro implícito às privações da retaguarda.
Quem ajuda é ajudado, encontrando, em silêncio, a mais segura fórmula de ajuste aos processos da evolução.
Emmanuel / Chico Xavier (Livro: Pensamento e Vida).

AMANHECEU


Um novo dia raiou em meu caminho como oportunidade bendita de refazimento e continuidade ao meu espírito! Lá fora, no céu, na rua, nos jardins, nos parques, nas casas e nos prédios, o perfil deste dia começa a se delinear suavemente, revestindo-se a pouco e pouco dos acontecimentos que lhe marcarão a curta, porém decisiva trajetória... Meu coração infinitamente grato ao Teu Amor quer se elevar, neste momento, em prece de gratidão e enlevo, recordando que, pela bênção deste novo dia, posso rever erros, refazer laços, pedir desculpas, renovar conceitos, alterar atitudes, buscar melhoras, crescer profissionalmente, me tornar mais humano,

Te compreender e me compreender melhor, amar mais, sentir mais, sorrir com mais espontaneidade, dar a mão, abraçar, olhar nos olhos, dizer "eu te amo", cumprimentar, abençoar, viver! Que eu não me isole hoje, que não procure motivos para lágrimas, mesmo que o sol se esconda e a chuva encharque tudo de tristeza e frio... Que eu não deixe de sorrir mesmo que me firam; que eu não me decepcione mesmo que me traiam, que eu não me irrite mesmo que provoquem; que eu não revide mesmo que me agridam; que eu não odeie e nem maldiga mesmo que hostilizado injustamente; que eu não me encerre em mim mesmo com medo da vida, que eu não me recuse a viver por causa da dor, que eu não perca este dia por causa do mal do mundo!...

Hoje, meu Deus, posso alterar todo o meu destino simplesmente porque... amanheceu e eu tenho esta oportunidade em mãos! Abençoa-me, Pai, e ajuda-me a não desperdiçá-la!... Assim seja!

André Luiz / Chico Xavier

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Não Julgueis...

     Não julgueis, a fim de não serdes julgados; - porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de que voz tenhais servido para com os outros. ( Jesus / MATEUS, cap. VII, vv. 1 e 2.)
         Então, os escribas e os fariseus lhe trouxeram uma mulher que fora surpreendida em adultério e, pondo-a de pé no meio do povo, - disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher acaba de ser surpreendida em adultério; - ora, Moisés, pela lei, ordena que se lapidem as adúlteras. Qual sobre isso a tua opinião?” - Diziam isto para o tentarem e terem de que o acusar. Jesus, porém, abaixando-se, entrou a escrever na terra com o dedo. - Como continuassem a interrogá-lo, ele se levantou e disse: “Aquele dentre vós que estiver sem pecado, atire a primeira pedra.” - Em seguida, abaixando-se de novo, continuou a escrever no chão. - Quanto aos que o interrogavam, esses, ouvindo-o falar daquele modo, se retiraram, um após outro, afastando-se primeiro os velhos. Ficou, pois, Jesus a sós com a mulher, colocada no meio da praça.
       Então, levantando-se, perguntou-lhe Jesus: “Mulher, onde estão os que te acusaram? Ninguém te condenou?” - Ela respondeu: “Não, Senhor.” Disse-lhe Jesus: “Também eu não te condenarei. Vai-te e de futuro não tornes a pecar.” (S. JOÃO, cap. VIII, vv. 3 a 11.)
      "Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver isento de pecado", disse Jesus. Essa sentença faz da indulgência um dever para nós outros, porque ninguém há que não necessite, para si próprio, de indulgência. Ela nos ensina que não devemos julgar com mais severidade os outros, do que nos julgamos a nós mesmos, nem condenar em outrem aquilo de que nos absolvemos. Antes de profligarmos a alguém uma falta, vejamos se a mesma censura não nos pode ser feita.
         O reproche lançado à conduta de outrem pode obedecer a dois móveis: reprimir o mal, ou desacreditar a pessoa cujos atos se criticam. Não tem escusa nunca este último propósito, porquanto, no caso, então, só há maledicência e maldade. O primeiro pode ser louvável e constitui mesmo, em certas ocasiões, um dever, porque um bem deverá daí resultar, e porque, a não ser assim, jamais, na sociedade, se reprimiria o mal. Não cumpre, aliás, ao homem auxiliar o progresso do seu semelhante? Importa, pois, não se tome em sentido absoluto este princípio: "Não julgueis se não quiserdes ser julgado", porquanto a letra mata e o espírito vivifica.
         Não é possível que Jesus haja proibido se profligue o mal, uma vez que ele próprio nos deu o exemplo, tendo-o feito, até, em termos enérgicos. O que quis significar é que a autoridade para censurar está na razão direta da autoridade moral daquele que censura. Tornar-se alguém culpado daquilo que condena noutrem é abdicar dessa autoridade, é privar-se do direito de repressão. A consciência íntima, ao demais, nega respeito e submissão voluntária àquele que, investido de um poder qualquer, viola as leis e os princípios de cuja aplicação lhe cabe o encargo. Aos olhos de Deus, uma única autoridade legítima existe: a que se apóia no exemplo que dá do bem. E o que, igualmente, ressalta das palavras de Jesus.
(Allan Kardec. Da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo. Capítulo X.)

A Fé e o Raciocínio


– Poder-se-á definir o que é ter fé?
Emmanuel - Ter fé é guardar no coração a luminosa certeza em Deus, certeza que ultrapassou o âmbito da crença religiosa, fazendo o coração repousar numa energia constante de realização divina da personalidade.

Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer: “eu creio”, mas afirmar: “eu sei”, com todos os valores da razão tocados pela luz do sentimento. Essa fé não pode estagnar em nenhuma circunstância da vida e sabe trabalhar sempre, intensificando a amplitude de sua iluminação, pela dor ou pela responsabilidade, pelo esforço e pelo dever cumprido.

Traduzindo a certeza na assistência de Deus, ela exprime a confiança que sabe enfrentar todas as lutas e problemas, com a luz divina no coração, e significa a humildade redentora que edifica no íntimo do espírito a disposição sincera do discípulo, relativamente ao “faça-se no escravo a vontade do Senhor”.

– A dúvida racionada, no coração sincero, é uma base para a fé?
Emmanuel - Toda dúvida que se manifesta na alma cheia de boa-vontade, que não se precipita em definições apriorísticas dentro de sua sinceridade, ou que não busca a malícia para contribuir em suas cogitações, é um elemento benéfico para a alma, na marcha da inteligência e do coração rumo à luz sublimada da fé.

– Será fé acreditar sem raciocínio?
Emmanuel - Acreditar é uma expressão de crença, dentro da qual os legítimos valores da fé se encontram embrionários.

O ato de crer em alguma coisa demanda a necessidade do sentimento e do raciocínio, para que a alma edifique a fé em si mesma. Admitir as afirmativas mais estranhas, sem um exame minucioso, é caminhar para o desfiladeiro do absurdo, onde os fantasmas dogmáticos conduzem as criaturas a todos os despautérios. Mas também interferir nos problemas essenciais da vida, sem que a razão esteja iluminada pelo sentimento, é buscar o mesmo declive onde os fantasmas impiedosos da negação conduzem as almas a muitos crimes.

– Nas cogitações da fé, o Espírito encarnado deve restringir suas divagações ao limite necessário às suas experiências na Terra?
Emmanuel - Pelo menos, é justo que somente cogite das expressões transcendentes ao seu meio, depois de realizar todo o esforço de iluminação que o mundo lhe pode proporcionar nos seus processos de depuração e aperfeiçoamento.

– Para os Espíritos desencarnados, que já adquiriram muitos valores em matéria de fé, qual o melhor bem da vida humana?
Emmanuel - A vida humana, nas suas características de trabalho pela redenção espiritual, apresenta muitos bens preciosos aos nossos olhos, na sequência das lutas, esforços e sacrifícios de cada espírito. Para nós outros, porém, o tesouro maior da existência terrestre reside na consciência reta e pura, iluminada pela fé e edificada no cumprimento de todos os deveres mais elevados.
(Do livro "O Consolador" -  Emmanuel /Chico Xavier).

PACIÊNCIA E VIDA



            Estudo necessário da paciência: observar cada um de nós à frente da própria conduta nas relações humanas e no reduto doméstico.
*
            Sabemos compreender habitualmente os assaltos morais de inimigos gratuitos, obrigando-nos a refletir, quanto à melhor forma de auxiliá-los para que se renovem construtivamente em seus pontos de vista, e, em muitos casos, esbravejamos contra o desagrado de uma criança que a doença incomoda.
*
            Aprendemos a suportar, com serenidade e entendimento, prejuízos enormes da parte de amigos, nos quais depositávamos confiança e carinho, buscando encontrar o modo mais seguro de ajudá-los para o resgate preciso e, muitas vezes, condenamos asperamente pequenas despesas naturais de entes queridos, credores insofismáveis de nosso reconhecimento e ternura.
*
            A tolerância para com superiores e subalternos, colegas e associados, familiares e amigos íntimos é realmente o recurso da vida em que se nos erige o metro do burilamento moral. Isso porque, conquanto a beneficência se mostre sempre sublime e respeitável, em todas as suas manifestações e atributos, é sempre muito mais fácil colaborar em campanhas públicas em auxílio da Humanidade ou prestigiar pessoas com as quais não estejamos ligados por vínculos de compromisso e obrigação, que tolerar com calma e compreensão os contratempos mínimos e as diminutas humilhações no ambiente individual.
            Paciência, por isso mesmo, em sua luminosa autenticidade há de ser aprendida, sentida, sofrida, exercitada e consolidada junto daqueles que nos povoam as áreas do dia-a-dia, se quisermos esculpi-la por realização imorredoura no mundo da própria alma.
*
            Proclamemos e ensinemos quanto nos seja possível os méritos da paciência; no entanto, examinemos as próprias reações da experiência íntima à frente de quantos nos compartilham a luta cotidiana, na condição de sócios da parentela e do trabalho, do ideal e das tarefas de cada dia, e perguntemos com sinceridade a nós próprios se estamos usando de paciência para com eles e para com todos os outros companheiros da Humanidade, assim como estamos sendo incessantemente tolerados e amparados pela paciência de Deus.
(De “Rumo Certo”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito de Emmanuel).         

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Ser Grato a Deus



Minha pequena contribuição: Ser grato a Deus pelos dias de nossas vidas nós dá paz de Espírito, e nos faz ver a beleza das pequenas e grandiosas oportunidades que Ele nos oferece a cada fração de segundos. Toda vez que perdemos tempo nas lamurias ou reclamações indébitas; não sendo submisso nem resignado a Vontade Divina, ficamos cegos diante do socorro que sempre os amigos Espirituais nos querem dar, tanto é verdade, que Jesus uma certa vez asseverou: Ajuda-te que o Céu te ajudará. Pense Nisto! Antônio Ramos.

Salutu vian tagon / Saúda seu dia


Vivo Feliĉa
Salutu vian tagon per danka preĝo.
Vi estas vivanta.
Dum la vivo ekfloras, multobliĝas la okazoj kreki kaj esti feliĉa.
Ĉiu tago estas nova beno, kiun Dio donacas al vi, kiel pruvon de Lia amo.
Akompanu la daŭradon de la horoj praktikante optimismon kaj bonfarton.
Divaldo Franco / Joanna de Angelis (Libro: Vivo Feliĉa)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Demando pri elekto / Questão de Escolha


Demando pri elekto
Serĉu krimulon kaj vi trovos multe da malbonfarantoj.
Tiam estos necese, ke vi havu multege da amo por ilin
revirtigi, ne fariĝante mem krimulo.
*
Penu trovi kulpon, vi konstatos multenombrajn.
Veninte al tia situacio, vi nepre devas esti sufiĉe prudentaj,
por ne aldoni viajn erarojn al tiuj de la aliaj.
*
Provu lokalizi dornon, vi renkontos plurajn
dornarbetojn. En tia delikata situacio, estas necese, ke
vi konservu la ekvilibron de via spirito por ne vundiĝi.
*
Rigardu tro atente  ŝtonon sur la vojo, la tero baldaŭ
kovriĝos per  ŝtonoj antaŭ viaj okuloj. Tiam vi devas esti
sufiĉe rezistema, por ne fali ĉe la malglataĵoj de la vojo.
*
Alproksimiĝu al bono. Serĉu  ĝin decide, bono venos
prilumi al vi la vojon. Nur tiam vi estos plene armita,
por venki malbonon. 
Andreo Ludoviko / Chico Xavier (Libro: Kristana Agendo)

Questão de Escolha
Procure um delinqüente e encontrará muitos malfeitores.
Énecessário, então, que você possua imenso cabedal de amor para
renová-los, sem fazer-se criminoso também.
*
Busque identificar uma falta e achará inúmeras. Chegando a
essa situação, é imprescindível que você esteja bastante esclarecido
para não acrescentar seus erros aos erros alheios.
*
Tente situar um espinho e vários espinheiros virão ao seu encontro.
Em face de tal contingência, é necessário que você permaneça
eminentemente equilibrado para não ferir-se.
*
Fixe com demasiada atenção uma pedra da estrada e, em breve,
o solo estará empedrado aos seus olhos. Depois disso, você
necessitará de muita resistência para não sucumbir às asperezas da
jornada.
*
Aproxime-se do bem, procure-o com decisão e a bondade virá
iluminar seu caminho. Somente aí você surgirá perfeitamente
armado para vencer na guerra contra o mal.
Francisco Cândido Xavier – Agenda Cristã – pelo Espírito André Luiz

Pelos Frutos


“Por seus frutos os conhecereis.” Jesus. (Mateus, cap. 7, vs. 16.)
Nem pelo tamanho...
Nem pela configuração...
Nem pelas ramagens...
Nem pela imponência da copa...
Nem pelos rebentos verdes...
Nem pelas pontas ressequidas...
Nem pelo aspecto brilhante...
Nem pela apresentação desagradável...
Nem pela vetustez do tronco...
Nem pela fragilidade das folhas...
Nem pela casca rústica ou delicada...
Nem pelas flores perfumadas ou inodoras...
Nem pelo aroma atraente...
Nem pelas emanações repulsivas...
Árvore alguma será conhecida ou amada pelas aparências exteriores, mas sim pelos frutos, pela utilidade, pela produção.
Assim também nosso espírito em plena jornada...
Ninguém que se consagre realmente à verdade dará testemunho de nós pelo que parecemos, pela superficialidade de nossa vida, pela epiderme de nossas atitudes ou expressões individuais percebidas ou apreciadas de passagem, mas sim pela substância de nossa colaboração no progresso comum, pela importância de nosso concurso no bem geral.

“Pelos frutos os conhecereis” - disse o Mestre.
“Pelas nossas ações seremos conhecidos” - repetiremos nós
Emmanuel / Chico Xavier. Do livro: Fonte Viva

Desejo a Você


Existem poemas que demonstram grandiosa beleza e a profunda sensibilidade de seus autores. Dentre eles existe um que diz o seguinte:
Desejo, primeiro, que você ame, e que, amando, também seja amado. E que se não for, seja breve em esquecer. E que, esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo também que tenha amigos, ainda que maus e inconseqüentes. Que sejam corajosos e fiéis, e que pelo menos num deles você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha adversários. Nem muitos, nem poucos, mas na medida exata para que, algumas vezes, você se interpele a respeito de suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo, para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo, depois, que você seja útil, mas não insubstituível. E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo, ainda, que você seja tolerante, não com os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com os que erram muito e irremediavelmente, e que fazendo bom uso dessa tolerância, você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem, não amadureça depressa demais, e que, sendo maduro, não insista em rejuvenescer, e que, sendo velho, não se entregue ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor, e é preciso deixar que aconteçam no tempo certo.
Desejo, por sinal, que você seja triste, não o ano todo, mas apenas um dia. E que nesse dia descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra, com a máxima urgência, acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo, ainda, que você afague um gato, alimente um cuco e ouça o João-de-barro erguer triunfante o seu canto matinal porque, assim, você se sentirá bem por pouca coisa.
Desejo também que você plante uma semente, por mais minúscula que seja, e acompanhe o seu crescimento, para que saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano coloque um pouco dele na sua frente e diga Isso é meu, só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você, mas que, se morrer, você possa chorar sem se lamentar e sofrer sem se culpar.
Desejo, por fim, que você, sendo homem, tenha uma boa mulher, e que sendo mulher, tenha um bom homem e que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes, e quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda haja amor para recomeçar.
* * *
Muitas vezes, desejamos que a vida seja feita apenas de coisas que nos parecem agradáveis, esquecidos de que são os obstáculos que nos fortalecem e nos fazem evoluir.
São as responsabilidades que nos pesam aos ombros que nos mantêm com os pés no chão, e as forças contrárias servem de testes para nossa resistência.
Assim sendo, só podemos avaliar o valor das circunstâncias pelas lições que nos deixam depois que passam.
Pensemos nisso!
Redação do Momento Espírita, com base em poema do jornalista Sérgio Jockymann. (http://www.momento.com.br).

A Força do Olhar - Lei de Igualdade


Segundo a História, o senador Publius_Lentulus, designado pelo Senado romano para investigar o fenômeno Jesus Cristo na Palestina, Judéia e Samaria, destacou no seu relato, entre outros aspectos, a intensidade do olhar de Jesus. Segundo ele, “seu olhar era de um azul tão intenso que ninguém poderia fitá-lo de frente durante muito tempo”. Publius fora enviado pelo Senado romano para decifrar o fenômeno Cristo em razão das pouquíssimas informações que chegavam ao Senado a respeito de Jesus. O poder naquele tempo, na Roma dos Césares, era dividido entre a Corte e o Senado. Tendo seu próprio sistema de investigação, não interessava ao governo deixar o Senado bem informado. Afinal, o Senado era um órgão limitador do poder do Imperador da época. Assim, sem informações confiáveis, decidiu o Senado, por conta própria, enviar um dos seus membros para analisar o fenômeno Cristo.

Conta a História, que Publius Lentulus assistiu anônimo o “Sermão da Montanha”. E ficou admirado com o discurso de Jesus. Segundo ele, o Cristo “dizia muitas coisas certas, porém pecava gravemente quando afirmava que perante Deus (o Deus de Jesus) todos os homens eram iguais”. Ora, tal afirmativa batia de frente com a realidade romana de então, que dividia os homens em castas bem separadas entre si, constituídas de lies, plebeus e escravos – uma visão, portanto, separatista, totalmente diferente da defendida por Jesus.
Postado por A.C.Laranjeira  
http://cienciafilosofiareligiao.blogspot.com

Estudando o Livro dos Espíritos - Allan kardec

803. Todos os homens são iguais perante Deus?
     — Sim, todos tendem para o mesmo fim e Deus fez. as suas leis para todos. Dizeis freqüentemente: “O Sol brilha para todos”, e com isso dizeis uma verdade maior e mais geral do que pensais.

Comentário de Kardec: Todos os homens são submetidos às mesmas leis naturais, todos nascem com a mesma fragilidade, estão sujeitos às mesmas dores e o corpo do rico se destrói como o do pobre. Deus não concedeu, portanto, superioridade natural a nenhum homem, nem pelo nascimento, nem pela morte: todos são iguais diante dele.

817.0 homem e a mulher são iguais perante Deus e têm os mesmos direitos?
     — Deus não deu a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?

     818. De onde procede a inferioridade moral da mulher em certas regiões?
     — Do domínio injusto e cruel que o homem exerceu sobre ela. Uma conseqüência das instituições sociais e do abuso da força sobre a debilidade. Entre os homens pouco adiantados do ponto de vista moral a força é o direito.

     819. Com que fim a mulher é fisicamente mais fraca do que o homem?
     — Para lhe assinalar funções particulares. O homem se destina aos trabalhos rudes, por ser mais forte; a mulher aos trabalhos suaves; e ambos a se ajudarem mutuamente nas provas de uma vida cheia de amarguras.

      820. A debilidade física da mulher não a coloca naturalmente na dependência do homem?
      — Deus deu a força a uns para proteger o fraco e não para o escravizar.
Comentário de Kardec: Deus apropriou a organização de cada ser às funções que ele deve desempenhar. Se deu menor força física à mulher, deu-lhe ao mesmo tempo maior sensibilidade, em relação com a delicadeza das funções maternais e a debilidade dos seres confiados aos seus cuidados.

      821. As funções a que a mulher foi destinada pela Natureza têm tanta importância quanto as conferidas ao homem?
      — Sim. e até maior; é ela quem lhe dá as primeiras noções da vida.

      822. Os homens, sendo iguais perante a lei de Deus, devem sê-lo igualmente perante a lei humana?
      — Este é o primeiro princípio de justiça: “Não façais aos outros o que não quereis que os outros vos façam”.

      822 – a) De acordo com isso, para uma legislação ser perfeitamente justa  deve consagrar a igualdade de direitos entre o homem e a mulher?
      — De direitos, sim; de funções, não. É necessário que cada um. Tenha um lugar determinado; que o homem se ocupe de fora e a mulher do lar, cada um segundo a sua aptidão. A lei humana, para ser justa, deve consagrar a igualdade de direitos entre o homem e a mulher; todo privilégio concedido a um ou a outro é contrário à justiça. A emancipação da mulher segue o progresso da civilização, sua escravização marcha com a barbárie. Os sexos, aliás, só existem na organização física, pois os Espíritos podem tomar um e outro não havendo diferenças entre eles a esse respeito. Por conseguinte, devem gozar dos mesmos direitos(1).

(1) Há mais de cem anos, este livro indicava a solução do problema feminino: igualdade de direitos e diversidade de funções. Homem e mulher não são senhor e escrava, mas companheiros que desempenham uma tarefa comum, com a mesma responsabilidade pela sua realização. O feminismo adquire um novo aspecto à luz deste principio. A mulher não deve ser a imitadora e a competidora do homem, mas a sua companheira de vida, ambos mutuamente se completando na manutenção do lar, que é a célula básica da estrutura social (N do T).  

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Prece do Natal

Senhor Jesus!..
Conhecemos os teus ensinamentos.
Auxilia-nos a cumpri-los.
Guardamos as tuas palavras.
Ampara-nos, a fim de que venhamos a traduzi-las em trabalho, no serviço aos semelhantes.
Legaste-nos o amor uns aos outros, por legenda da própria felicidade.
Guia-nos à prática dessa lição bendita, de maneira a que o nosso dia-a-dia se faça caminho de fraternidade e luz.
Senhor!.. Disseste-nos:- "dou a vós outros a minha paz" e tens mantido a tua promessa, através de todos os séculos da vida cristã.
Inspira-nos, por misericórdia, o respeito e a fidelidade aos teus designios para que não venhamos a perder a paz que nos deste, com a intromissão de nossos caprichos, na paz que nos vem de Deus.
Assim seja.
Chico Xavier / Emmanuel - Da obra: Ação e Caminho. 

Jesus


 
Jesus foi na Terra
a mais perfeita encarnação do Amor Divino.
E ainda hoje,
nos dias amargurados que transcorrem,
é para a Humanidade
a promessa de Paz,
o manto protetor
que abriga os aflitos e os infelizes,
o pão que sacia os esfomeados das verdades eternas,
a fonte que desaltera todos os sofredores.
Apegai-vos a Ele, cheio de confiança!
Ele é misericórdia personificada,
o Jardineiro Bendito
que jorra, no coração
dos transviados do caminho do bem,
as sementes do arrependimento
que hão de florir na Regeneração
e frutificar na perfeita felicidade espiritual.
Ouvi a sua voz
no silêncio da consciência que vos fala
do cumprimento austero
de todos os deveres cristãos,
e um dia
descansareis reunidos,
ligados pelos liames inquebrantáveis
da fraternidade além da morte,
à sombra da árvore luminosa
das boas ações que praticastes,
longe das lágrimas
do orbe obscuro,
Dos prantos e das provações remissoras!...
Marta / Chico Xavier - Da obra: Antologia Mediúnica do Natal. 

Página do Natal



"Luz para alumiar as nações." –  Jesus / Lucas, 2-32.
Há claridade nos incêndios destruidores que consomem vidas e bens...
Resplendor sinistro transparece nos bombardeios que trazem a morte.
Reflexos radiosos surgem no lança-chamas.
Relâmpagos estranhos assinalam a movimentação das armas de fogo...
No Evangelho, porém, é diferente...
Comentando o Natal, assevera Lucas que o Cristo é a luz para alumiar as nações.
Não chegou impondo normas ou pensamento religioso.
Não interpelou governantes sobre processos políticos.
Não disputou com os filósofos quanto às origens dos homens.
Não concorreu com os cientistas na demonstração de aspectos parciais e transitórios da vida...
Fez luz no espírito eterno...
Embora tivesse o ministério endereçando aos povos do mundo, não marcou a sua presença com expressões coletivas de poder, quais exército e sacerdócio, armamentos e tribunais.
Trouxe claridade para todos, projetando-a de si mesmo.
Revelou a grandeza do serviço à coletividade, por intermédio da consagração pessoal ao Bem infinito...
Nas reminiscências do Natal do Senhor, meu amigo, medita no próprio roteiro.
Tens suficiente luz para a marcha?
Que espécie de claridade acendes no caminho?
Foge ao brilho fatal dos curtos-circuitos da cólera, não te contentes com a lanterninha da vaidade que imita o pirilampo em vôo baixo, dentro da noite, apaga a labareda do ciúme e da discórdia que atira corações aos precipícios do crime e do sofrimento.
Se procuras o Mestre Divino e a experiência cristã, lembra-te de que na Terra há clarões que ameaçam, perturbam, confundem e anunciam arrasamento...
Estarás realmente cooperando com o Cristo, na extinção das trevas, acendendo em ti mesmo aquela sublime luz para alumiar?
Emmanuel / Chico  Xavier - Da obra: Segue-me!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

O Esperanto na Atualidade

Em um mundo cada vez mais consciente dos direitos das minorias e da diversidade lingüística e cultural, a língua internacional Esperanto tem recebido atenção redobrada de pessoas influentes. Organizações não-governamentais e coalizões têm pressionado para que se coloque a questão da língua internacional nas pautas das Nações Unidas e da União Européia. Em julho de 1996, o Simpósio Nitobe de Organizações Internacionais reuniu em Praga, República Tcheca, um grupo de especialistas independentes que examinou a situação do Esperanto naquele momento e propôs sua inclusão nos debates atuais sobre direitos e política lingüística. O Manifesto de Praga, uma reafirmação moderna dos valores e objetivos que dão vida ao movimento em favor do Esperanto, enfatiza a democracia lingüística e a preservação da diversidade lingüística. Entre os falantes de Esperanto que têm sido mencionados pela mídia ultimamente estão o Prêmio Nobel de Economia de 1994, Reinhard Selten, a campeã mundial de xadrez de 1996, Zsuzsa Polgár, e Tivadar Soros, pai do megainvestidor George Soros. Os Diálogos Indígenas, um programa para fortalecer o diálogo entre povos indígenas do mundo, deixam de lado as línguas dos ex-colonizadores e usam o Esperanto como meio de comunicação. Eis alguns fatos adicionais sobre a situação atual do Esperanto.

Objetivos e origens.
A base do que veio a ser a língua internacional Esperanto foi editada em Varsóvia (1887) pelo Dr. Luís Lázaro Zamenhof. A idéia de uma língua planejada internacional, destinada não a substituir línguas nacionais, e sim para servir como uma língua adicional, uma segunda língua para todos, não era nova, mas Zamenhof via que essa língua deveria desenvolver-se com o uso coletivo. Ele então limitou sua proposta inicial a uma gramática minimalista e a um vocabulário reduzido. O Esperanto é hoje uma língua plenamente desenvolvida, com uma comunidade mundial de falantes e meios de expressão completos. Muitas das idéias de Zamenhof anteciparam as do fundador da lingüística moderna, o estruturalista Ferdinand de Saussure (cujo irmão René era esperantista).

Características.
O Esperanto é tanto falado como escrito. Seu léxico provém principalmente das línguas da Europa Ocidental, enquanto sua sintaxe e morfologia mostram fortes influências eslavas. Os morfemas do Esperanto são invariáveis e quase infinitamente combináveis em palavras diferentes, de modo que a língua também tem muito em comum com línguas isoladas como o chinês, enquanto sua estrutura vocabular apresenta semelhanças com línguas aglutinantes como o turco, o swahili e o japonês.

Desenvolvimento.
No princípio, o Esperanto consistia de cerca de 1000 radicais, dos quais podiam derivar-se 10 ou 12 mil palavras. Hoje os dicionários de Esperanto costumam ter entre 15 e 20 mil radicais, a partir dos quais é possível formar centenas de milhares de palavras, e a língua está em constante evolução. A Academia do Esperanto controla as tendências da atualidade. Ao longo do tempo, a língua foi usada para quase todos os fins imagináveis, alguns deles polêmicos ou problemáticos. A língua foi proibida e seus usuários perseguidos tanto por Stalin, que a considerava uma língua de "cosmopolitas", como por Hitler, para quem ela era uma língua de judeus (Zamenhof, criador da língua, era judeu). Com o uso doméstico da língua, existem hoje talvez mil falantes que têm o Esperanto como língua materna.

Usuários.
A Associação Universal de Esperanto (UEA) tem associações nacionais em 62 países e sócios individuais em quase o dobro disto. As tiragens dos livros didáticos e as estatísticas das associações locais indicam que o número de pessoas com algum conhecimento da língua esteja em centenas de milhares ou até milhões. Existem falantes de Esperanto no mundo todo, com notáveis concentrações em países tão diversos como China, Japão, Brasil, Irã, Madagascar, Bulgária e Cuba.

O Ensino do Esperanto.
Pode-se rapidamente começar a comunicar em Esperanto, o que significa a introdução ideal para o estudo de línguas estrangeiras. Em semanas os alunos já podem usar o Esperanto na correspondência e em alguns meses para viagens ao exterior. Observações experimentais e informais registram que o aprendizado prévio do Esperanto tem efeitos positivos no estudo tanto da primeira como da segunda língua. Embora seja ensinado em algumas escolas, costuma-se aprendêlo como autodidata, por correspondência (através de carta ou correio eletrônico) ou em clubes locais de Esperanto. Existem livros didáticos e material para autodidatas em mais de 100 línguas (http://ikurso.net ;http://lernu.net). Um portal para professores de Esperanto,http://edukado.net dá uma idéia geral sobre o ensino nos dias de hoje.

Reconhecimento oficial.
Em 1954, a Conferência Geral da Unesco reconheceu que as conquistas do Esperanto estão em sintonia com os objetivos e ideais da Unesco, daí as relações oficiais terem sido estabelecidas entre aquela organização e a UEA. A colaboração entre as duas é constante. Em 1997 o Diretor Geral da Unesco, Amadou-Mahtar M'Bow, falou ao 82o. Congresso Universal de Esperanto. Em 1985 a Conferência Geral da Unesco conclamou os Estados-membros e as organizações internacionais a fazerem avançar o ensino do Esperanto nas escolas e o seu uso nas questões internacionais. A UEA mantém ainda relações consultivas com as Nações Unidas, o UNICEF, o Conselho da Europa, a Organização dos Estados Americanos e a Organização Internacional de Normas.

Reuniões e viagens.
Mais de cem conferências e encontros internacionais acontecem todos os anos em Esperanto - sem tradutores ou intérpretes (http://www.eventoj.hu/kalendar.htm ). O maior deles é o Congresso Universal de Esperanto (http://uea.org/kongresoj ), que nos últimos anos foi realizado em Adelaide (1997), Montpellier (1998), Berlim (1999), Tel-Aviv (2000), Zagreb (2001), Fortaleza, Brasil (2002), Gotemburgo, Suécia (2003) e Pequim, China (2004). Os próximos Congressos Universais acontecerão em Vilnius, Lituânia (2005) e Florencia, Italia. O primeiro simpósio para esperantistas em países árabes ocorreu em Amã, no ano de 2000, o Quinto Congresso Panamericano de Esperanto foi realizado na Cuba em 2004 e o próximo Congresso Asiático terá lugar em Nepal, em 2005. A edição de 2005 do Serviço de Passaporte, um serviço administrado pela seção juvenil da UEA (http://tejo.org ), traz endereços de 1200 anfitriões em 82 países, que dão pernoite gratuito para falantes de Esperanto em viagem (http://pasportaservo.org).

Pesquisa e bibliotecas.
Muitas universidades incluem o Esperanto em cursos de lingüística; alguns oferecem-no como matéria independente. Merecem destaque a Universidade Eötvös Lórand, em Budapeste, com modalidade de diploma com ênfase em Esperanto, e a Universidade de Poznán, na Polônia, com um programa de formação em interlingüística. A bibliografia da Associação de Línguas Modernas, dos Estados Unidos, registra mais de 300 edições especializadas em Esperanto a cada ano. A biblioteca da Associação Britânica de Esperanto contém mais de 20.000 itens. Outras grandes bibliotecas especializadas incluem o Museu Internacional de Esperanto em Viena (parte da Biblioteca Nacional da Áustria (http://www.onb.ac.at/sammlungen/plansprachen/eo/index.htm ), a Biblioteca Hodler (http://esperantic.org/ced/hodler.htm ) no Escritório Central da UEA em Roterdã e a Coleção de Esperanto (http://esperanto.de.nr ) em Aalen, Alemanha. Os acervos de Viena e Aalen podem ser consultados pela Internet e através do sistema internacional de empréstimos.

Contatos profissionais e interesses especiais.
Entre as organizações para falantes de Esperanto encontram-se aquelas destinadas a médicos, escritores, ferroviários, cientistas, músicos e muitos outros. Elas costumam editar seus próprios periódicos, organizam conferências e contribuem para a expansão da língua no uso profissional e temático. A Academia Internacional de Ciências de San Marino facilita a colaboração na esfera universitária ( http://ais-sanmarino.org ). Obras originais e traduzidas são lançadas regularmente em campos como astronomia, informática, botânica, entomologia, química, direito e filosofia. Existem organizações para grupos especializados como escoteiros, cegos, jogadores de xadrez e Go; a seção juvenil da UEA, a TEJO, organiza encontros internacionais regularmente e edita suas próprias publicações. Budistas, xintoístas, católicos, quacres, protestantes, mórmons e bahais têm organizações próprias e muitos grupos sociais ativos usam a língua.

Literatura.
A florescente tradição literária em Esperanto é reconhecida pelo Clube Internacional PEN de Escritores, que aceitou a filial de Esperanto em seu 60o. Congresso, em setembro de 1993. Os autores em Esperanto mais notáveis na atualidade incluem os romancistas Trevor Steele (Austrália), István Nemere (Hungria) e Spomenka Stimec (Croácia); os poetas William Auld (Escócia), Mihail Gishpling (Rússia/Israel) e Abel Montagut (Catalunha); e os ensaístas e tradutores Probal Dashgupta (Índia), Fernando de Diego (Venezuela) e Kurisu Kei (Japão). Auld foi indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 1999 e em 2000 por suas contribuições à poesia (http://dreamwater.net/esperanto).

Traduções.
Entre as traduções literárias editadas nos últimos tempos em Esperanto estão O Velho e o Mar de Hemingway, O Senhor dos Anéis de Tolkien, Cem Anos de Solidão de García Márquez, Rubaiyat de Omar Khayyam, O Tambor de Grass, O Livro das Maravilhas de Marco Polo e a grande saga familiar de Cao Xueqin, Sonho da Casa Vermelha. Para crianças, ao francês Asterix, ao norte-americano Urso Puf e ao belga Tintim, todos em Esperanto, reuniram-se o alemão "Struwwelpeter" (Pedro de Cabelo Espetado) e a sueca Pipi Strumpolonga. Todos os livros do Muminvalo, do célebre autor finlandês Tove Jansson, bem como a série de Oz, de L. Frank Baum, estão disponíveis na Internet (http://esperanto.nu/eLibrejo ). Há traduções feitas a partir do Esperanto, como Maskerado, livro editado em Esperanto (1965) e escrito por Tivadar Soros, pai do investidor George Soros: ele conta a experiência de sua família durante a ocupação nazista em Budapeste. Esta obra foi editada em inglês na Inglaterra (2000) e Estados Unidos (2001) e posteriormente também em russo, alemão e turco.

Teatro e cinema.
Peças de teatro de dramaturgos tão diversos como Goldoni, Ionescu, Shakespeare e Alan Ayckbourg foram apresentadas nos últimos anos em Esperanto. Há traduções em Esperanto de muitos dramas de Shakespeare: uma das mais recentes apresentações em Esperanto foi o Rei Lear em Hanói, Vietnã, em dezembro de 2001, com atores locais. Embora O Grande Ditador de Chaplin tenha usados cartazes em Esperanto nos seus cenários, filmes de longa-metragem em Esperanto são menos comuns. Uma exceção digna de nota é Incubus, com William Shatner, um filme cult cujos diálogos são inteiramente em Esperanto (http://incubusthefilm.com).

Música.
Os gêneros musicais em Esperanto incluem canções folclóricas e populares, rock, cabaré, cantos para solistas e corais e ópera. Compositores populares e artistas como o britânico Elvis Costello e o norte-americano Michael Jackson gravaram em Esperanto, compuseram arranjos inspirados na língua ou usaram-na em seu material promocional (http://radio-esperanto.com ). Algumas faixas do álbum em Esperanto da Warner Brothers (Esperanto), lançado na Espanha em novembro de 1996, alcançaram os primeiros lugares nas paradas de sucesso daquele país. Músicas clássicas e de coral com textos em Esperanto incluem La Koro-Sutro de Lou Harrison e a Primeira Sinfonia de David Gaines, ambos dos Estados Unidos (http://esperanto-panorama.net/ikse/muziko.htm). A música em Esperanto pode ser encontrada em páginas na Internet, inclusive em alguns sítios dedicados ao karaokê em Esperanto (http://dmoz.org/World/Esperanto/Muziko).

Periódicos.
Mais de 100 revistas são editadas regularmente em Esperanto, como a revista mensal de informações Monato, a literária Fonto,http://Gxangalo.com e a revista da UEA, Esperanto. O quinzenário Eventoj dispõe também de uma edição eletrônica, da mesma forma que a Monato; algumas revistas disponibilizam arquivos na Internet. Outros periódicos incluem publicações sobre medicina e ciência, revistas de religião, periódicos infanto-juvenis, educacionais, outras revistas literárias e edições temáticas.

Rádio e televisão.
Emissoras de rádio na Áustria, Brasil, China, Cuba, Estônia, Hungria, Itália e Polônia transmitem regularmente em Esperanto, bem como a Rádio Vaticana (http://wrn.org/ondemand/poland.htmlhttp://osiek.org/aera). Alguns programas podem ser captados via Internet (http://esperanto-panorama.net/ikse/radio.htm). Canais de televisão em diversos países transmitem cursos de Esperanto, inclusive a recente adaptação em 16 capítulos da série Mazi da BBC, na rede de TV polonesa Canal Um.

Internet.
As redes eletrônicas são o meio de comunicação que mais tem crescido entre os usuários do Esperanto. Existem algumas centenas de listas de discussão em Esperanto, que tratam de temas que vão do uso da língua em família até a teoria da relatividade (http://purl.org/net/dissendo). O Esperanto é amplamente usado nos protocolos de conversação ICQ, IRC e PalTalk (http://babilejo.org). Páginas de Internet em Esperanto somam centenas de milhares. Algumas são listadas na Virtuala Esperanto-Biblioteko emhttp://esperanto.net/veb outras pela simples digitação de "esperanto" em qualquer mecanismo de busca na rede (http://eo.wikipedia.org ).

Serviços da UEA.
A UEA edita livros, revistas e um anuário com listas de organizações esperantistas e representantes locais no mundo inteiro. Essas edições, bem como informações sobre discos, fitas etc. estão listadas no catálogo de livros da UEA, disponível em papel e também na Internet (http://uea.org/katalogo http://retbutiko.esperanto.be). O Serviço de Livraria da Associação possui mais de 3500 títulos em estoque. Uma série editada pela UEA em Esperanto, inglês e francês, Esperanto-Dokumentoj, traz entre seus títulos estudos e relatórios sobre a situação atual do Esperanto, e estão disponíveis junto ao Escritório Central da UEA em Roterdã.

Para maiores informações sobre o Esperanto contate a UEA:
Nieuwe Binnenweg 176, NL-3015 BJ Rotterdam, Países Baixos (tel. +31 [10] 436-1044; fax 436-1751; correio eletrônico: info@uea.org), ou 777 United Nations Plaza, New York, NY 10017, EUA (tel. +1 [212] 687-7041; fax 949-4177), ou através da página http://uea.org
http://adelsonsobrinho.blogspot.com


Havu Belegan vesperon!
Tenha uma Boa Tarde!

Oração

Oração

Nossa Receita