quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Nem Tão Depressa, Nem Tão Devagar – Irmão José.

Nem tão depressa, que te inquietes; nem tão devagar, que te acomodes.
Nem tão depressa, que te precipites; nem tão devagar, que te retardes.
Nem tão depressa, que te agites; nem tão devagar, que te anules.
Nem tão depressa, que sofras; nem tão devagar, que te insensibilizes.
Nem tão depressa, que te agites; nem tão devagar, que te anules.
Nem tão depressa, como se não precisasses dos outros; nem tão devagar, como se não dependesses de ti.
Nem tão depressa, que violente convicções; nem tão devagar, que seja falta de amor ao ideal.
Nem tão depressa, que não se enraíze; nem tão devagar, que não produza frutos.
Nem tão depressa, que seja agora; nem tão devagar, que não seja nunca.
Nem tão depressa, que não vejas acontecer; nem tão devagar, que acontecer não faças.
Nem tão depressa, que não possas; nem tão devagar, que não queiras.
Nem tão depressa, que a doença te acometa; nem tão devagar, que a apatia te domine.
Nem tão depressa e nem tão devagar, fora do ritmo que Deus imprime no aperfeiçoamento de sua própria Obra.
Livro: Dias Melhores.
Irmão José / Carlos A. Bacelli.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita