sexta-feira, 7 de julho de 2017

Reencarnação – Humberto Paizan.

“Vós, porém, não estais na carne; mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o espírito de Cristo, esse tal não é dele. E, se o Cristo está em vós o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da Justiça.” Paulo / Romanos, 8: 9e 10.
Acreditando em Deus e aceitando-o como Criador nosso e tudo o que existe, devemos imaginá-lo como a maior fonte concebível de bondade, justiça, amor e sabedoria, entre tantas outras qualidades.
Difícil seria entendermos tantas desigualdades permitidas pela justiça divina em toda historia da humanidade se não fosse através da lei da reencarnação, trazendo-nós lições a serem executadas no decorrer de sucessivas vidas, nas quais o algoz e o carrasco de uma  reencarna-se na condição de vítima em outra, para que se corrija perante seus irmãos e aproxime-se do caminho reto que leva à perfeição.
A Lei da Reencarnação já era conhecida pelos místicos e sábios do passado, que, em um número muito pequeno, guardavam para si suas observações. Profundas para a época, elas careciam da “luz” que os espíritos trouxeram sobre o assunto, através do Espiritismo, há dois séculos.
A informação que a doutrina dos Espíritos trouxe diz que fomos criados por Deus, simples e ignorantes, em uma época muito remota em algum lugar do universo.
Quando fomos criados e onde iniciamos nossa existência planetária não saberemos com exatidão ainda, devido ao nosso nível evolutivo, mas apenas como um roteiro para reflexão, citamos o livro: “A Caminho da Luz”, narrado pelo excelso espírito de Emmanuel e psicografado pelo irmão de não menos valor Francisco Candido Xavier. Recomendamos essa leitura a todo aquele que se interessar pela história do nosso orbe e, consequentemente, pelo entendimento da lei da Reencarnação e da vida valorizando-a:
“A ciência do mundo não lhe viu as mãos augustas e sábias na intimidade das energias que vitalizam o organismo do Globo. Substituíram-lhe providência com a palavra “natureza”, em todos os seus estudos e análises da existência, mas seu amor foi o Verbo da criação do princípio, como é e será a coroa gloriosa dos seres terrestres na imortalidade sem fim.”
Podemos crer que uma grande parte da humanidade começou sua existência aqui na Terra, com a supervisão do Cristo Jesus , e como todos nós fomos criados da mesma forma, não existiram e nunca existirão privilégios para ninguém.
Por estar o espírito continuadamente sendo criado, é que podemos observar diferenças enormes entre nós, os homens, e os seres angelicais de que temos notícias. Da mesma forma, devemos estar muito adiantados espiritualmente em relação a seres criados em um período recente no calendário cósmico.
Essa compreensão da igualdade na criação e consequente evolução através de sucessivas vida em nada menospreza os Espíritos Superiores, muito ao contrário, enobrece-os aos nossos olhos, mostrando que todos têm seu valor e servem-nos de exemplo, revelando a necessidade de reencarnação para a evolução do espírito e evidenciando que a superação de nossas imperfeições através das inúmeras existências fará de nós, um dia, seus companheiros, com que desfrutaremos o gozo resultante da união com o Divino.
Livro: O Valor da Vida.
Humberto Paizan.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita