sexta-feira, 12 de junho de 2015

O Namoro na Visão Espírita - Gilberto L. Tomasi

Muito embora as vezes, seja motivo de piada, em função da mentalidade atual, é necessário falar sobre  o tema porque ele está na raiz de muitos problemas que envolvem a evolução humana. A própria palavra “namoro” perdeu o sentido inicial de despertar amor, de criar situações para o conhecimento entre os parceiros. E, para que duas pessoas possam se relacionar harmoniosamente, a condição indispensável é que se conheçam bem.
Antigamente namorar era envolver-se com o outro no sentido de perceber as afinidades ou as incompatibilidades entre o casal. Hoje isto parece remoto e namorar ficou ridículo. Não se namora mais, fica-se, atitude muitas vezes traduzidas na expressão, um pouco vulgar: “catar”. A menina ou o menino foi “catado”.
Com o espiritismo, sabemos que estamos na terra para o progresso espiritual. Todas as oportunidades da vida material devem ser pois, de forma consciente transformadas em  degraus evolutivos. Assim sendo, nossa vida afetiva, especialmente, é ponto crucial para esse objetivo.
 Com Kardec, aprendemos que  a poligamia,  coisa corriqueira nos namoros atuais, significa atraso moral, pois o poligâmico se preocupa  apenas consigo mesmo desrespeitando  o sentimento do parceiro. É a vitória do orgulho e do egoísmo que aí encontram mais um estímulo para permanecerem no coração humano,
Em contrapartida, a monogamia desperta no casal o estímulo para a construção da  vida a dois e, ao longo dos tempos, superando as crises, as diferenças individuais, vai harmonizando-se, construindo o amor sereno e profundo que traz a felicidade pelo amadurecimento espiritual.
Todo o relacionamento conjugal precede de um determinado tempo de maturação afetiva, marcado por um período denominado namoro. Portanto, segundo a visão espírita, traduzida pelas palavras de Emanuel (espírito) no livro Vida e Sexo o namoro se traduz por um suave encantamento, onde dois serem descobrem um no outro de maneira imprevista, motivos para a entrega recíproca, numa relação saudável. Relação essa, que termina em casamento ou relação estável.
O Livro dos Espíritos, nas questões 695/696, nos ensina que o casamento, ou a união estável nos dias atuais, é um progresso na marcha da humanidade, e que sua abolição significaria o retorno à vida animal. E, guardadas as devidas proporções, o ato de ficar, que vai do simples beijo até a relação sexual, nada mais é do que a banalização do desrespeito ao ser humano, que é usado e jogado fora como algo descartável, e facilmente substituível. Hoje, troca-se de parceiro como quem troca de roupa, sem se deter sequer no tipo de sentimento que se provoca no outro, e nem sem si mesmo.
As pessoas, especialmente os jovens não dão tempo para o jogo da conquista, para o despertar dos sentimentos antigos que vêm do passado remoto, de outras encarnações, quando se prometeram um ao outro. E, depois choram por não encontrar um parceiro digno de seu amor.
O ficar não apenas desestimula um relacionamento mais profundo como alimenta a infidelidade, que aumenta  no casamento. O jovem de hoje passa pelo difícil teste de ter responsabilidade para bem direcionar a liberdade que conquistou para construir a vida feliz que sonha.
Sexo e responsabilidade precisam ser inseparáveis nos relacionamentos afetivos. Eis que namorar é preciso. Namorar mesmo. E não apenas ser amantes.
Agora, qual foi o fator que desencadeou o famoso ficar? A decadência moral.  Há anos atrás, tinha um programa na televisão, que era apresentado por Martha Suplicy, e nesse programa ela estimulava as moças a ficarem. Dizia ela, que era uma conquista feminina, igualando-se ao homem que sempre ficou. Isto foi um estímulo importante para o ficar. Só que propiciou à mulher igualar-se ao homem naquilo que ele tinha de mais negativo, a irresponsabilidade na lida com o sexo.
É bem verdade, que há bem pouco tempo tivemos uma grande e absurda repressão no campo sexual, hoje a liberdade é mais do que irrestrita. Entre esses dois extremos está o meio termo, o equilíbrio, se  questiona portanto,  se os espíritas não estão muito apáticos com a situação, achando tudo muito normal.
Acontece, que a toda repressão, segue-se uma liberação natural, a história nos tem mostrado isso. Entretanto, o espírita, tem muita responsabilidade porque ele sabe do valor do sexo na construção do futuro feliz e precisa educar seus filhos com este pensamento.
Os jovens precisam saber da responsabilidade que têm no relacionamento afetivo. Os adultos precisam saber que as relações sexuais trazem comprometimento espiritual e, consequentemente, não podemos viver como se isso não existisse. Mas, é difícil enfrentar a sociedade que na maioria das vezes policia um comportamento mais vinculado à moral mais ligado ao compromisso espiritual. É aí que o espírita tem entregado os pontos também.
Esse tema é importante por nos leva a reflexão, buscando em Jesus a orientação para o nosso aprimoramento espiritual. Devemos lembrar que quando Emmanuel fala em lar constituído, não se refere a papéis, a casamento civil, etc.., ele fala da responsabilidade um com o outro, de assumir o filho que vier, de assumirem-se um ao outro não trocando de parceiro na primeira oportunidade.
Os namoros, hoje em dia, não têm compromisso de construção de uma família pela felicidade do relacionamento sexual. Assim, na primeira discussão, termina-se o namoro, arranja-se outro parceiro e aí um novo relacionamento sexual no famoso “ficar”.
Se o casal se ama e tem maturidade para o relacionamento sexual, que se case, ou vão morar juntos então Sexo, é comprometimento afetivo e sentimental com relação ao parceiro. Ao mesmo tempo em que o casal se vincula energeticamente um ao outro, marcando-se, gerando compromissos dentro da lei de causa e efeito.
As pessoas, os “ficantes”, ainda não entendem, que relação sexual não acaba após o orgasmo. Ela gera efeitos no campo magnético dos envolvidos. E a falta de responsabilidade, nessa relação, gera efeitos, geralmente desagradáveis, como a vida tem nos mostrado.
Nós espíritas, sabemos, que somos espíritos encarnados com o objetivo do progresso. O corpo físico é dotado das características sexuais com as quais deveremos conquistar esse progresso. O sexo, assim, tem a função principal de gera filhos, de perpetuar a espécie.
Na questão 298 do livro dos espíritos, vemos que a maior parte dos relacionamentos matrimoniais que são felizes, só o são, relativamente pelas afinidades de suas inclinações e instintos. Apenas nas esferas superiores, nos dizem os espíritos, é que encontra a verdadeira união e reciprocidade entre os espíritos.
Livros:
Vida e Sexo - Emamnuel / Chico Xavier
O Livros dos Espíritos -  Allan  Kardec.
mais Pesquisas diversas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita