domingo, 10 de janeiro de 2016

Bem viver – Marcelo Ribeiro.

Para viver bem basta possuir e deixar-se possuir pelos gozos.
Oportunidades, porém, para que você se comprometa com o erro surgem, contínuas, como tentações, desafiando suas forças morais. Resisti-las, todavia, é a decisão que você se deve impor, sem que dessa atitude lhe advenham tristeza e dissabor.
O homem forte fez-se resistente mediante ingentes lutas que o capacitaram para a vitória sobre si mesmo.
Ocorre-lhe que as comodidades existem para ser fruídas, mas você sabe que a viciação é enfermidade moral que deve combater, a benefício próprio.
Juventude é um estágio transitório do organismo.
Jovialidade, porém, é um estado que se conquista, a fim de se manter jovem em qualquer idade do corpo.
Você vê os amigos dando largas concessões ao gozo e atormenta-se, como se estivesse a perder o melhor da vida. E, todavia, os mais preciosos valores da vida são os de natureza moral, espiritual.
É certo que lhe não sugerimos clausura ou evasão da realidade atual, ascetismo ou fuga da convivência social, antes o conclamamos à saúde interior e à alegria contagiante, que somente possuem aqueles que são livres das conjunturas inditosas, dos acumpliciamentos com a venal idade.
Liberdade é um estado interior.
Amar, empreender realizações de enobrecimento, viver, são consequências da liberdade de que o homem dispõe para seu gáudio e ventura.
No entanto, o amor pode expressar-se mediante a comunhão pelo sexo, mas o sexo pode ser exercido automaticamente, sem o amor. E quando tal ocorre, o ser que ama dignifica-se através da elevação matrimonial, enquanto que sem o amor se apaixona, brutalizado, descendo à animalidade e, não raro, aos crimes de nomenclatura variada...
A honestidade que o fará tranquilo nos empreendimentos enobrecedores, deve ser cultivada interiormente. Mesmo que ninguém a identifique em você, não se importe.
O diamante é precioso, apesar de dormir, ignorado, no seio da terra. A lapidação realça-lhe somente a beleza que jaz adormecida no seu imo.
Quando os impulsos violentos o assaltarem, fre-ne-os. Quem não é capaz de dominar as paixões não é digno de triunfar e ser feliz. O instinto rebelde, se dirigido, transforma-se em usina de força para as realizações da inteligência e da razão.
Não se afadigue, portanto, pelo prazer que deseja agora e logo mais se lhe terá desvanecido.
Não infira, disso, que você se deve abster das emoções ditosas. Ao contrário: está, como todos nos encontramos, destinado à felicidade das emoções sem fim e dos gozos sem limite, se aguardar no dever e na honra, o momento próprio da sua vitória.
A isto chamamos bem viver.
Espíritos Diversos / Divaldo Franco.
Livro: Terapêutica de Emergência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita