sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

NO EXAME DO PERDÃO

 Observemos o ensinamento do Cristo, acerca do perdão.
 Note-se que o Senhor afirma, convincente:
 -“se o vosso irmão agiu contra vós...”.
 Isso quer dizer que Jesus principia considerando-nos na condição de pessoas ofendidas, incapazes de ofender: ensina-nos a compreender os semelhantes, crendo-nos seguros no trato fraternal.
 Nas menores questões de ressentimento, sujeitemo-nos a desapaixonado auto-exame.
 Quem sabe a reação surgida contra nós terá nascido de ações impensadas, desenvolvidas por nós mesmos?
 Se do balanço de consciência estivermos em débito com os outros, tenhamos suficiente coragem de solicitar-lhes desculpas, diligenciando sanar a falta cometida e articulando serviço que nos evidencie o intuito de reparação.
 Se nos sentimos realmente feridos ou injustiçados, esqueçamos o mal. Na hipótese de o prejuízo alcançar-nos individualmente e tão –somente a nós, reconheçamo-nos igualmente falíveis e ofertemos aos nossos inimigos imediatas possibilidades de reajuste.
Se, porém, o dano em que fomos envolvidos atinge a coletividade, cabendo à justiça e não a nós o julgamento do golpe verificado, é claro que não nos compete louvar a leviandade. Ainda assim, podemos reconciliar-nos com os nossos adversários, em espírito, orando por eles e amparando-os, por via indireta, a fim de que se valorizem para o bem geral nas tarefas que a vida lhes reservou.
 De qualquer modo, evitemos estragar o pensamento com o vinagre do azedume.
Nem sempre conseguimos jornadear, nas sendas terrestres, junto de todos, porquanto, até que venhamos a completar o nosso curso de auto-burilamento no instituto da evolução universal, nem todos renasceremos simultaneamente em uma só família e nem lograremos habitar a mesma casa.  Sigamos, assim, de nossa parte, vida afora, em harmonia com todos, embora não possamos a todos aprovar, entendendo e auxiliando, desinteressadamente, aqueles diante dos quais ainda possuímos o dom de agradar em pessoa, e rogando a Bênção Divina para aqueles outros junto de quem não nos será lícito apoiar a delinqüência ou incentivar perturbação.
Livro: Estude e Viva.
Emmanuel / André Luiz.
Chico Xavier e Waldo Vieira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita