sexta-feira, 6 de junho de 2014

NAS LEIS DO AMOR – Emmanuel

Reunião pública de 27-2-61
1ª Parte, cap. III, item 12
O Céu e o Inferno – Allan Kardec.
Se alguém te fala em descanso inútil depois da morte, pensa nos que sofrem por amor, na experiência terrestre.
Indaga das mães devotadas se teriam coragem de relegar os filhos delinqüentes à solidão da masmorra...
Preferem chorar na pocilga, trabalhando por eles, a morarem no paraíso com o peito rebentando de lágrimas.
Pergunta aos pais afetuosos se pediriam a força para os rebentos do próprio sangue, comprometidos em débitos insolúveis...
Escolhem a condição dos grilhetas, de modo a vê-los recuperados, renunciando aos prêmios que a sociedade lhes destine à honradez.  
Inquire da esposa abnegada se deixaria o companheiro enredado à loucura, pra brilhar num desfile de santidade...
Disputará as vigílias no manicômio para servi-lo, fugindo aos louros da praça pública.
Interroga do amigo verdadeiro se deixará o amigo confiante em dificuldade...
Aceitará partilhar-lhe as provações, recusando os privilégios com que o mundo lhe acene.
***
Isso acontece na Terra, onde o amor ainda se mistura ao egoísmo, qual o outro perdido na ganga do solo.
Para além das cinzas do túmulo, há paz de consciência e alegria profunda no dever nobremente cumprido, mas, se te afeiçoas à bondade e à renúncia, poderás quanto quiseres continuar auxiliando os entes amados, que aprendeste a venerar e querer, ou prosseguir exaltando os ideais e as tarefas edificantes que abraças.
À medida que penetramos os segredos do amor puro, vamos reconhecendo que ninguém pode ser realmente feliz sem fazer a felicidade alheia no caminho em que avança.
O próprio Criador determinou que a noite se cobrisse de estrelas e que o espinheiral se levantasse recamado de rosas.
Trabalharemos e sofreremos, assim, por amor, pelos séculos adiante, ajudando-nos uns aos outros a erguer a felicidade de nosso nível, até que possamos entrar, todos juntos, na suprema felicidade que consiste em nossa união com Deus para sempre.
Livro: Justiça Divina.
Emmanuel / Chico Xavier.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita