quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Buena o mala voluntad de los espíritus para convencer / A Boa ou Má Vontade dos Espíritos para Convencer / Buono o cattivo volere degli Spiriti per convincere.

Buena o mala voluntad de los espíritus para convencer
V.  - Los espíritus, sin embargo, deben desear hacer prosélitos, ¿Por qué no se prestan más de lo que lo hacen, a los medios de convencer a ciertas personas, cuya opinión sería de gran influencia?
A. K. - Es que aparentemente y por ahora no están dispuestos a convencer a ciertas personas, cuya importancia no reputan tan grande como ellas mismas se figuran. Esto es poco lisonjero, convengo en ello, pero nosotros no gobernamos la opinión de aquéllos. Los espíritus tienen un modo de juzgar las cosas que no es siempre igual al nuestro; ven, piensan y obran contando con otros elementos; mientras que nuestra vista está circunscrita por la materia limitada por el círculo estrecho, en cuyo centro nos encontramos, los espíritus abrazan el conjunto; el tiempo, que tan largo nos parece, es para ellos un instante; la distancia, un paso; ciertos pormenores, que nos parecen a nosotros de suma importancia, son puerilidades a sus ojos, juzgando por el contrario, importantes ciertas cosas cuya conveniencia nos pasa desapercibida. Para comprenderlos, es preciso elevarse con el pensamiento por encima de nuestro horizonte material y moral, y colocarnos en su punto de vista. No es e ellos a quienes corresponde descender hasta nosotros, sino nosotros elevarnos hasta ellos, y a esto es a donde nos conducen el estudio y la observación.
Los espíritus aprecian a los observadores asiduos y concienzudos, para quienes multiplican los raudales de luz. No es la duda producida por la ignorancia la que les aleja, es la fatuidad de esos pretendidos observadores que nada observan, que pretenden ponerles en el banquillo y hacerles maniobrar como a títeres, y sobre todo el sentimiento de hostilidad y de denigración que alimentan, sentimiento que está en su pensamiento, cuando no se revela en sus palabras. Nada hacen por ello los espíritus y se ocupan muy poco de lo que pueden decir o pensar, porque a éstos también les llegará su día. He aquí por qué he dicho que no es la fe lo que se necesita, sino buena fe.
QUÉ ES EL ESPIRITISMO – Allan Kardec.
A Boa ou Má Vontade dos Espíritos para Convencer
V. - Certamente os Espíritos desejam fazer prosélitos. Por que não se dedicam mais a convencer determinadas pessoas, cuja opinião seria de uma grande influência?
A.K. - Parece que, por ora, não julgam conveniente convencer essas pessoas, cuja importância não reputam tão grande como a elas mesmas se afigura. Isto é pouco lisonjeiro, concordo; mas não governamos a opinião dos Espíritos que, por sinal, têm uma maneira de julgar as coisas que nem sempre se assemelha à nossa. Vêem, pensam e agem sob um outro ponto de vista. Enquanto que a nossa vista, feita de matéria limitada, está circunscrita ao acanhado círculo em cujo centro nos encontramos, os Espíritos abraçam o conjunto. O tempo, que tão longo nos parece, tem para eles uma nula duração. A distância é um passo. Certos pormenores, que aos nossos olhos se revestem de suma importância, aos seus olhos são puerilidades. Ao contrário, dão importância a certos detalhes, cuja conveniência passa-nos desapercebida. Para os compreender é preciso elevarmos nosso pensamento acima do nosso horizonte material e moral e nos colocarmos no seu ponto de vista. Não são eles que devem vir até nós: a nós compete-nos elevarmos até eles; e a isso nos conduzem o estudo e a observação.
Os Espíritos apreciam os observadores assíduos e conscienciosos, para os quais multiplicam as torrentes de luz. Não é a dúvida, filha da ignorância, que os afugenta, mas a fatuidade dos observadores pretensiosos, que acabam nada observando, que cuidam os colocar no banco de réus e fazê-los se moverem como títeres; sobretudo o sentimento de hostilidade e de descrédito que alimentam, que lhes está no cérebro, quando não se revela em palavras. Por estes nada fazem os Espíritos, pouco se importando com o que possam dizer ou pensar, porque também lhes chegará o dia. Eis porque eu lhe disse que não é de fé que se precisa, e sim de boa fé.
O que é o Espiritismo – Allan Kardec.
Buono o cattivo volere degli Spiriti per convincere.
Visitatore - Gli Spiriti, per altro, devono aver interesse di fare proseliti; perché non si prestano essi un poco più di quel che fanno allo scopo di convincere certe persone la cui opinione eserciterebbe una grande influenza?
Kardec - Perché apparentemente, e per ora, essi non ci tengono a convincere certe persone, alle quali non danno quell’Importanza che esse stesse si danno. E’ poco lusinghiero, ne convengo, ma noi non comandiamo alle loro opinioni; gli Spiriti hanno un modo di giudicare le cose, che non è sempre il nostro; essi vedono, pensano ed agiscono a seconda di altri elementi; mentre la nostra vista è circoscritta dalla materia, limitata dalla cerchia ristretta nel mezzo della quale ci troviamo, essi abbracciano l’insieme; il tempo, che ci sembra così lungo, è per essi un istante; la distanza non è che un passo; certi particolari che ci sembrano d’una estrema importanza, sono ai loro occhi puerilità; e per contro giudicano importanti certe cose di cui noi non arriviamo ad afferrare il valore. Per capirli, bisogna innalzarsi colla mente al di sopra del nostro orizzonte materiale e morale, e collocarci al loro punto di vista; non è già ad essi che spetta scendere fino a noi, ma è a noi che tocca salire fino ad essi, ed a ciò noi siamo condotti dallo studio e dall’osservazione.
Gli Spiriti prediligono gli osservatori assidui e coscienziosi; per questi essi moltiplicano le sorgenti della luce; ciò che li allontana non è il dubbio che nasce dalla ignoranza, ma la leggerezza di questi pretesi osservatori, i quali non osservano nulla, e che pretendono di mettere gli Spiriti sopra la scranna, e farli manovrare come se fossero marionette; che apportano soprattutto sentimenti d’ostilità e di denigrazione, sentimento che è nella loro mente, se non è nelle loro parole: Per costoro, gli Spiriti non fanno nulla e si curano pochissimo di ciò che possono dire o pensare, giacché il momento verrà anche per loro. Ecco perché io dissi che non è la fede quella che è necessaria, ma la buona fede.
CHE COSA E’ LO SPIRITISMO - Allan Kardec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita