domingo, 2 de outubro de 2016

PRUDÊNCIA – Miramez.

LM - 2- parte
Cap. 111-71
Suprimimos aqui a análise de muitas experiências feitas por Allan Kardec, por não serem mais necessárias na atualidade. Seria gastar tempo sem os frutos que objetivamos. Estamos em uma época de granjear trabalhadores e despertá-los para a luz, sem que seja preciso procurar as manifestações iniciais. Hoje, a própria ciência já dá notícias do mundo invisível até mesmo pelas ciências exatas e pela ação dedutiva dos homens de saber.
Ainda mais, a prudência aconselha que se deve esperar que o tempo seja o revelador comum, que nunca deixa de mostrar a verdade aos homens. No perpassar do tempo, os estudos foram se integrando à verdade, e os companheiros estudiosos foram entendendo pelas revelações, pelas respostas que davam os Espíritos, como se processavam as comunicações mediúnicas. E a lógica dava confirmação dos fatos ocorridos.
A Doutrina Espírita foi muito combatida, pela ignorância dos contraditores; no entanto, eles mesmos se inteiraram de que o combate faz crescer cada vez mais o ponto combatido, e depois que começaram a estudar a doutrina nos seus fundamentos da verdade, silenciaram-se, usando em muitos casos a mediunidade, a reencarnação e a comunicação dos Espíritos com outros nomes, para depois, então, que o orgulho e a vaidade desaparecessem, se mostrarem como estudantes da verdade, sem se envergonharem das realidades espirituais.
Aconselhamos o mesmo que dizia o codificador: prudência no que se ouve da parte dos Espíritos. O mundo espiritual é como o que ocorre na Terra, onde existem homens de todas as classes. Encontramos no mundo pessoas de alta moral evangélica, bem como irmãos envolvidos em paixões inferiores, que não se importam de dizer e responder tudo que for perguntado, sem respeitar a verdade.  Para eles, não interessa se estão certas ou erradas suas respostas. Já os Espíritos superiores não procedem assim. Falam pouco, mas, acertadamente. É a sua alegria servirem de canal para o anúncio da verdade, como quer Jesus Cristo.
O ponto de atração dos Espíritos são os médiuns; se esses não se interessam pela verdade, atraem Espíritos da mesma condição espiritual. Se os medianeiros cultivam o amor, a caridade, a honestidade, o perdão, a alegria pura, enfim, se fazem todos os esforços para acompanhar Jesus, esses instrumentos dos Espíritos atraem por sintonia Entidades de alta moral, como anjos em trabalhos com a verdade, na função de Jesus, para a paz da Terra.
O Espírito de Verdade está encarregado pela luz superior de despertar as criaturas, pelo amadurecimento dos sentimentos de amor, sem que seja necessária a violência. A função dos agentes da luz de Deus é carrear conhecimentos, mostrando aos que vivem na Terra os caminhos para o encontro dos céus, no centro da consciência.
As comunicações foram evoluindo, passando a facilitar para os comunicantes os meios de falar, de manterem conversações entre os dois mundos, e isso alastrou-se no mundo como um raio, pela indução dos próprios Espíritos.
Desde aqueles dias, as comunicações com os Espíritos, e destes com os homens, cresceram de maneira deslumbrante, principalmente no Brasil, de modo a formar a maior literatura do mundo, no que diz respeito a educar e instruir a humanidade.
Ninguém pode interromper a luz do sol, nem tampá-la com uma peneira. A verdade é sempre verdade, e a própria história confirma o que falamos. Se a Doutrina é dos Espíritos, os homens não têm a capacidade de deturpá-la, nem impedir o seu crescimento até que ela se estenda pelo mundo inteiro. Ela é como que água divina, que os Espíritos superiores distribuem no mundo, sem medidas nem escolhas, porque é Jesus voltando para os novos samaritanos.
Aquele, porém, que beber da água que eu lhe der, nunca mais terá sede, para sempre; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. (João, 4:14)
Porém, não te esqueças da prudência em todos os teus trabalhos, porque ela te dará segurança, no aumento do teu salário de luz, para a luz da tua vida.
Livro: Filosofia da Mediunidade.
Miramez / Joao Nunes Maia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita