sábado, 28 de dezembro de 2013

DIVISÕES DA CONSCIÊNCIA - Miramez

O espírito, ao reencarnar, entra em processo preparatório, principalmente no tocante à consciência que, além de ser um todo unificado, é também a mínima parte que se encontra em atividade na alma, que domina o império da carne. Os instrutores espirituais separam a região da consciência ativa no reencarnante; limpam-na qual se faz no mundo com uma fita magnética já usada, só que, no caso da mente, nada se perde. É recolhido todo o material no núcleo consciência!, por hábeis especialistas, de modo fascinante, para que, no amanhã, sirva como testemunho das vidas sucessivas, onde o espírito poderá, caso necessário, consultar o que fez para estruturar os anseios do futuro, pois tudo ficará guardado no arquivo interno do EU.
Não devemos nos esquecer de que a consciência, mesmo tendo divisões inumeráveis, de certo modo, continua em perfeita consonância com as partes que compõem o seu todo, por laços indestrutíveis. É preciso reconhecer que a mente ativa do que renasce na Terra chega virgem, na sua candura primitiva, qual folha de papel que foi esquecida pelo uso. É fácil compreendermos porque o homem não se lembra das suas vidas passadas, de acordo com o que acima narramos, a não ser casos raros, em que o espírito busca na fonte (consciência profunda) os dados que lhe compete conhecer por inspiracão de irmãos maiores, desde que isso lhes seja proveitoso.
O dever da inteligência é aglutinar ideias e fatos a serviço da mente, que plasma com eficiência extraordinária todos os pormenores da vida para, depois da desencarnação, entregar ao centro consciencial, como se fosse um xerox absorvente de toda a matriz, com sensibilidade e nitidez inexplicáveis, onde se encontram todas as experiências da alma no decorrer de todas as suas vidas, na Terra e fora dela. É nessa ligeira conversa que podemos notar a nossa responsabilidade em relação à formação de ideias e aos pensamentos que emitimos no desenrolar da vida.
A mente é um computador divino, onde a programação depende da nossa vontade, do nosso querer, dos lastreados imensos dos nossos sentimentos, em uma conjuntura infinita de acervos de forças que devem ser disciplinadas. Por isto, apelamos constantemente para a educação conectiva com a instrução, em simbiose profunda, para que uma possa complementar a outra. O terceiro milénio, pelo que nos foi dado saber, não poderá receber espíritos desinteressados por Cristo. O chamado do Mestre está se fazendo por todos os meios possíveis.
Quem tiver olhos para ver, que veja e ouvidos, que ouça. E a seleção está próxima, entre trigo e joio. Ainda temos muito que estudar no que diz respeito à mente. Somente encontraremos conceitos mais elevados, se nos propusermos a iniciar a prática de algumas leis, que asseguram a educação dos instintos inferiores em relação às necessidades atuais da alma.
Todas as forças do bem vêm direcionadas para cada espírito, de acordo com as suas necessidades espirituais, e ficam em torno dele, esperando suas decisões. O impulso é individual, como o dos soldados, que esperam as ordens do comandante e o dos pedreiros, os traçados do arquiteto. Comecemos logo a mudar o modo de pensar e agir. O esforço, certamente, é grande, mas, se continuarmos, alcançaremos a vitória. E se não esmorecermos, ao fim da existência física, entregaremos à consciência profunda uma mensagem renovada, que não nos envergonhará, quando tivermos o poder e a bênção divina de relembrá-la. Empenhemo-nos no bem, esforçemo-nos no perdão, e faça-mos de nossa vida, onde a vida maior nos colocar, um cântico de amor na grandiosa substância da caridade. Se assim não fizermos, continuaremos dominados pela ignorância.
    Livro: Horizontes da Mente.
    Miramez / João Nunes Maia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita