sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Recordações de Natal - Emmanuel

Não permitas que o júbilo do Natal vibre em teu coração à maneira de uma lâmpada encarcerada...
Toma o facho de luz que a mensagem do Céu acende ao redor de teus passos e estende-lhe a claridade sublime.
Não te detenhas. Avança, com alegria e humildade. Se a fé resplandece em teu santuário interior, que importam a ventania e o temporal?
O sol, cada manhã, penetra os recôncavos do abismo, sem contaminar-se.
Segue, invencível em tua esperança e sereno em tua coragem, sob a inspiração da fraternidade e da paz! ...
Sê um raio estelar da sabedoria para a noite da ignorância; sê a gota de orvalho da consolação e do carinho que diminua a tensão do sofrimento por onde passes; sê o fio imperceptível da compreensão e do auxílio que dissipe o nevoeiro da discórdia; sê a frase simples e boa que ajude e reconforte, onde o fogo do mal esteja crestando as flores do bem...
Um sorriso idealiza milagres. 
Um gesto amigo ampara a multidão. 
Com algumas palavras, o Cristo articulou o roteiro regenerativo do mundo e com a bênção da própria renúncia retificou os caminhos da Humanidade. 
Renovam-se no Natal as vibrações da Estrela do Amor que exaltou com Jesus a glorificação de Deus e ao reino da boa vontade entre os homens. Jamais ensurdeçamos ante o apelo celestial que se repete.
Ampliemos a comunhão fraterna e louvemos a cooperação, porque, anualmente, o Cristo nos requisita a verdadeira solidariedade, a fim de que, em nos tornando mais irmãos uns dos outros possa Ele nascer, em espírito, na manjedoura do nosso coração, transformando em incessante e divino Natal todos os dias de nossa vida.
Livro: Antologia Mediúnica de Natal.
Emmaneul / Chico Xavier.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita