sábado, 7 de março de 2015

AUXILIANDO O PROGRESSO – Miramez.

0521/LE
Os Espíritos superiores são encarregados de auxiliar o progresso onde quer que seja, manifestando-se, outrossim, para alimentar as idéias nobres, revelando a sabedoria de Deus pelos Seus próprios filhos. A razão te indicará meios inúmeros de sentir a paternidade onde os olhos possam ver e os sentimentos possam sentir.
Quando as criaturas são dignas de assistência dos protetores espirituais, isso se dá, como no caso da pergunta aqui referida, a respeito das artes. O artista tem assistência dos benfeitores espirituais, ajudando-o a manifestar o poder de Deus na expressão do belo. Tudo que representa a harmonia é serviço da Divindade. Não cabe às divindades, como eram chamadas antigamente, fazer que um homem completamente ignorante da arte seja um artista, mas, ajudar a quem já conquistou esse dom a mostrar com mais perfeição as belezas que a tinta ou o cinzel podem transmitir.
Os Espíritos superiores contribuem para o progresso em todas as suas manifestações, sem um lugar determinado. Eles trabalham em todo o Universo, e a Terra é um dos palcos dos seus movimentos de beleza imortal. Os antigos fizeram desses Espíritos protetores divindades, por desconhecerem o verdadeiro sentido da ajuda espiritual.
Os protetores são Espíritos que passaram pelas mesmas trilhas em que os homens caminham hoje, nos reinos da natureza; a diferença é a maturidade. Em função do tempo, eles são mais velhos; por conseguinte, já despertaram para a Luz. Seus dons manifestam-se com mais intensidade e sua mente se expressa com mais harmonia, no entanto, somos todos nascidos da mesma fonte de vida, Deus. Mesmo os que algumas seitas chamam de Satanás, não têm diferença dos outros, na sua estrutura original. Há um período na evolução das criaturas em que elas se interessam mais pela desarmonia. Eis aí porque são chamados de Satanás. Eles são filhos do mesmo Deus, e no amanhã alcançarão a mesma luz dos anjos, tornando-se como eles, no exercício da caridade, qual os que operam com o Senhor. Deus, sendo Amor, não iria criar Espíritos somente para o mal, do modo que se pensa.
A coletividade atrai Espíritos de acordo com as suas tendências, e as tendências más é que geram as violentas leis dos homens. Eis porque as religiões se preocupam em consertar o homem, para que a coletividade atraia Espíritos mais elevados e nessa seqüência o mundo vá se elevando na escala a que pertence. O Cristianismo é o molde mais perfeito das reformas dos indivíduos. Quando os homens vieram a esquecer o principal objetivo dos preceitos de Jesus, Ele, o Mestre do mestres, fez reviver Sua doutrina de pureza na feição da Doutrina dos Espíritos, para fazer relembrar aos mesmos homens a Sua mensagem de amor.
O Espiritismo com Jesus tem essa missão de auxiliar o progresso em todas as suas manifestações do crescimento da vida. Os bons Espíritos ficam em minoria na Terra devido ao posicionamento das criaturas. Se a Terra tem mais Espíritos ignorantes encarnados, ela, por lei de justiça, recebe mais Espíritos inferiores, por serem atraídos pelos seus iguais. Porém, não há que esmorecer porque, se tratamos do progresso, que é lei de Deus por toda parte, ele é Deus se manifestando e é capaz de modificar tudo em crescimento constante.
O ponto mais difícil do progresso é desobstruir a região moral das criaturas. O resto é mais fácil, entretanto, a moral mexe no íntimo dos Espíritos, e a tendência à rejeição surge logo que nos decidimos a melhorar moralmente. Se queres conhecer a população oculta que vive em uma nação, observa os costumes das criaturas que ali vivem. Assim ocorre com a própria Terra, entretanto, a semente de luz do amor não morre, e ela cresce, mas, junto dela cresce igualmente o joio, que deverá ser arrancado pela raiz, segundo a promessa do Cristo de Deus.
Nos dias atuais, aparentemente as trevas são dominantes, mas, na realidade, elas estão enfraquecendo, dando lugar à Luz que há de iluminar todas as almas.
Livro: Filosofia Espírita – Volume XI
Miramez / João Nunes Maia.
Estudando O Livro dos Espíritos - Allan Kardec.
521. Podem certos Espíritos auxiliar o progresso das artes, protegendo os que às artes se dedicam?
Há Espíritos protetores especiais e que assistem os que os invocam, quando dignos dessa assistência. Que queres, porém, que façam com os que julgam ser o que não são? Não lhes cabe fazer que os cegos vejam, nem que os surdos ouçam.
A.K.: Os antigos fizeram, desses Espíritos, divindades especiais. As Musas não eram senão a personificação alegórica dos Espíritos protetores das ciências e das artes, como os deuses Lares e Penates simbolizavam os Espíritos protetores da família. Também modernamente, as artes, as diferentes indústrias, as cidades, os países têm seus patronos, que mais não são do que Espíritos superiores, sob várias designações.
Tendo todo homem Espíritos que com ele simpatizam, claro é que, nos corpos coletivos, a generalidade dos Espíritos que lhes votam simpatia está em proporção com a generalidade dos indivíduos; que os Espíritos estranhos são atraídos para essas coletividades pela identidade dos gostos e das idéias; em suma, que esses agregados de pessoas, tanto quanto os indivíduos, são mais ou menos bem assistidos e influenciados, de acordo com a natureza dos sentimentos dominantes entre os elementos que os compõem.
Nos povos, determinam a atração dos Espíritos os costumes, os hábitos, o caráter dominante e as leis, as leis sobretudo, porque o caráter de uma nação se reflete nas suas leis.
Fazendo reinar em seu seio a justiça, os homens combatem a influência dos maus Espíritos. Onde quer que as leis consagrem coisas injustas, contrárias à Humanidade, os bons Espíritos ficam em minoria e a multidão, que aflui, dos maus mantém a nação aferrada às suas idéias e paralisa as boas influências parciais, que ficam perdidas no conjunto, como insuladas espigas entre espinheiros. Estudando-se os costumes dos povos ou de qualquer reunião de homens, facilmente se forma idéia da população oculta que se lhes imiscui no modo de pensar e nos atos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita