quarta-feira, 4 de março de 2015

Mocidade e Evangelho – Martins Peralva.

Tu, pois, filho meu, fortifica-te na graça que está em Cristo Jesus. Paulo, 2 Timóteo 2:1
A Boa Nova é a mensagem de Paz que o Mestre dirige, também, ao coração da mocidade, convidando­-a a colaborar na edificação do Seu Reino, a contribuir no esforço de transformação da fisionomia moral do mundo. O Evangelho salvará a Humanidade, porque é a luz divina que iluminará todas as criaturas nos purificadores caminhos da vida. O Cristo afirmou: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém irá ao Pai senão por  mim”.
Ir ao Pai significa aprimorar­-se, elevar­-se, purificar­-se moral e espiritualmente. Engrandecer­-se no Amor e na Sabedoria. Gozar  as primícias celestiais na execução dos trabalhos do Criador, onde a luta e o progresso continuam sem fim. Para encontrar o Pai, teremos, por conseguinte, de aceitar a mão que o Seu Dileto Filho  nos oferece. A Doutrina Espírita esclarece que a mão de Jesus são os seus ensinos e exemplos, fertilmente encontrados nas luminosas páginas do Evangelho. Nele, não encontramos nenhuma passagem que justifique lutas, ambições, vaidades. Tudo nele nos fala de fraternidade e compreensão. Por isso é que somente o Evangelho salvará a Humanidade, porque ele é humildade. E a humildade é compassiva, cordata, tolerante. O Cristo, exemplificando essa sublime e difícil virtude, cingiu­-se com uma toalha, tomou  de uma bacia, lavou e enxugou os pés dos discípulos...
* * * 
Somente o Evangelho  —  meditemos bem —  solucionará o problema evolutivo da Humanidade. Onde houver Evangelho, sentido e vivido, haverá Caridade e Perdão, cessando, assim, discórdias e desinteligências. Cessando desinteligências e discórdias, as manifestações egoísticas, que produzem as lutas entre os homens, jamais se disseminarão na face da Terra, porque o Espírito Humano será iluminado pelas divinas claridades do altruísmo. Ao influxo do Amor, as ervas daninhas não vicejarão. Espalhada a Boa Nova, difundidos os ensinos evangélicos, através da palavra falada e escrita e dos exemplos edificantes, a luz divina da Grande Lâmpada clareará consciências e confortará corações em todos os recantos da Terra.
Estabelecido o reinado da compreensão e da fraternidade, não haverá lutas nem guerras, porque guerras e lutas são geradas pela ambição. Lutas e guerras são incompatíveis com os preceitos do Cristianismo. Todas as criaturas, nesse glorioso reinado que está por vir, recordarão, terão sempre em mente e cumprirão o mandamento: — “Não matarás.” Somente o Evangelho, mocidade idealista, salvará a Humanidade. Lembremos, pois, a recomendação de Paulo ao moço Timóteo, encorajando-­o com amor: — “Tu, pois, filho meu, fortifica-­te na graça que está em Cristo Jesus.” Os estatutos, os gabinetes internacionais, os regulamentos humanos, em que pese à sua respeitabilidade, elaborados, algumas vezes, segundo a conveniência de cada povo, raça ou  agrupamento político ou religioso, cada qual com o seu personalismo e suas ambições, enfim, as leis e conferências têm-­se mostrado ineficazes, até certo ponto, em seus objetivos confraternizadores. É que os homens, em verdade, não estão interiormente iluminados. Não sentem, n’alma, o fulgor dessa luz prodigiosa, deslumbrante e eterna, que emana do  sentimento puro, da magia e do suave encanto do Evangelho do Mestre Galileu.
Luz que se fez, para sempre, na gloriosa alvorada da Manjedoura de Belém.
* * * 
As reformas têm que decorrer, precipuamente, do indivíduo para a sociedade. Da unidade para o conjunto, do simples para o composto. Do homem para a família, grupos e coletividades. Não se darão, em tempo algum, de fora para dentro, da periferia para o centro. Resultam — ou terão que resultar — da claridade interna, da modificação íntima. Carecem ou  carecerão  —  de doutrinamento e aprendizagem, de perseverança e esforço. São obra divina e fruto do tempo. Os moços espíritas de hoje edificarão, com o Evangelho, a reforma dos costumes, a fim de que possa Jesus dizer, um dia: — “O meu reino já é deste mundo.”
Livro: ESTUDANDO O EVANGELHO.
Martins Peralva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração

Oração

Nossa Receita